Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 05 Dezembro |
São Saba
home iconAtualidade
line break icon

Veto russo não impedirá Ucrânia de punir culpados, diz Kiev

AFP - publicado em 30/07/15

O governo da Ucrânia garantiu, nesta quarta-feira, que não vai desistir de punir os culpados pela queda do voo MH17 da Malaysia Airlines, depois do veto russo a uma resolução da ONU para criar um tribunal especial sobre o caso.

"A Ucrânia não vai parar aqui. Nosso objetivo é punir os culpados. É nosso dever para com as vítimas e famílias", declarou o porta-voz da presidência, Svyatoslav Tsegolko, que cita o presidente Petro Poroshenko, alguns minutos depois do veto russo no Conselho de Segurança da ONU, em Nova York.

Dirigindo-se aos familiares e amigos das vítimas, Poroshenko prometeu justiça.

"Os resultados falam por si", postou Poroshenko em sua página no Facebook, ao se referir à votação no mais importante órgão decisório da ONU.

Kiev acusa Moscou de ter fornecido aos rebeldes pró-russos no leste do país o míssil que teria derrubado o avião. Já a Rússia acusa o Exército ucraniano.

Nesta quarta, Moscou vetou no Conselho de Segurança uma resolução para criar um tribunal especial para julgar os responsáveis pela queda do voo MH17 sobre o leste da Ucrânia, em julho de 2014, que provocou a morte de 298 pessoas.

Em contrapartida, a Rússia elaborou um projeto alternativo de resolução sem incluir um tribunal, mas pedindo uma investigação internacional completa.

Onze dos 15 membros do Conselho de Segurança votaram a favor do texto, redigido por Austrália, Bélgica, Malásia, Holanda e Ucrânia. A Rússia vetou, enquanto Angola, China e Venezuela se abstiveram.

A resolução contou com o apoio, principalmente, de Londres, Washington e Paris. Os três países acusam os rebeldes pró-Moscou pela tragédia.

A sessão do Conselho começou com um minuto de silêncio em homenagem às vítimas.

O ministro holandês das Relações Exteriores, Albert Koenders, também manifestou sua "profunda decepção" e classificou de "incompreensível" o veto russo.

Sua colega australiana, Julie Bishop, denunciou "uma afronta às vítimas, seus familiares e amigos" e considerou que "os pretextos invocados pela Rússia merecem o mais profundo desprezo".

Os cinco países envolvidos na investigação "vão encontrar outro mecanismo para perseguir judicialmente os responsáveis e fazer a verdade vir à tona", completou Julie.

A embaixadora americana na ONU, Samantha Power, disse estar "escandalizada" pela tentativa russa de "se opor a que as 298 vítimas a bordo desse avião obtenham justiça".

"Sobre quais fundamentos se pode assegurar que a investigação será imparcial?" – questionou o embaixador russo na ONU, Vitaly Churkin, em discurso no Conselho após a votação.

Churkin perguntou ainda como esse tribunal poderá resistir a um "agressivo fundo de propaganda na mídia".

Antes da votação, o ministro malaio dos Transportes, Liow Tiong, fez um apelo aos membros do Conselho para que adotassem a resolução, afirmando que um tribunal de Justiça seria o mais adequado.

"Todas as pessoas que viajam de avião estarão mais expostas a riscos, se os autores não prestarem contas", alegou.

O voo MH17 foi derrubado em 2014 por rebeldes do leste da Ucrânia durante um confronto entre as Forças Armadas de Kiev e os separatistas pró-russos.

Os resultados de uma investigação feita pela Holanda serão divulgados em outubro deste ano.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
HUG
Dolors Massot
Médico abraça paciente com Covid-19 que chora...
PADRE NO ALTAR DA MISSA
Reportagem local
Missa de Crisma é interrompida por policiais ...
Missa de Crisma
Reportagem local
Arcebispo detona interrupção de Missa: "Ocorr...
BOKO HARAM NIGÉRIA
Francisco Vêneto
Terroristas islâmicos degolam mais de 100 pes...
Bispo brasileiro Dom Antônio Carlos Rossi Keller
Reportagem local
Mais um bispo brasileiro detona: "Autoridades...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia