Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

Relatos arrepiantes e significativos: como é que um abortista tem estômago para fazer o que faz?

Center for Medical Progress

Pe. Frank Pavone - publicado em 04/08/15

Ela almoça, bebe vinho e, ao mesmo tempo, vai negociando pedaços de corpos de bebês abortados

A organização norte-americana Centro para o Progresso Médico desmascarou recentemente, em vídeo, as negociações mafiosas da gigantesca rede abortista Planned Parenthood para vender órgãos e tecidos dos bebês abortados em suas clínicas.



Não viu a matéria? VEJA AQUI

Entre as muitas lições dessa história estarrecedora, uma é que o aborto não só destrói só os bebês e suas mães: ele também destrói os médicos que o perpetram.

O vídeo que flagrou a Dra. Deborah Nucatola negociando a venda de partes de bebês abortados tem espantado o mundo por muitos motivos – e um deles é a naturalidade com que ela própria aparece sentada à mesa de almoço, comendo salada e bebendo vinho, enquanto fala sobre as formas de se esmagar os corpos dos bebês de modo a extrair sem maiores danos o fígado e o coração, por exemplo, para atender aos pedidos dos clientes. Como ela chegou a essa frieza?

Ou a Dra. Mary Gatter, como é que ela consegue falar do desejo de comprar um carro de luxo e da importância de usar métodos de aborto "que estraguem o menos possível os órgãos", para ajudá-la a realizar esse desejo?

Como é que seres humanos podem se reunir em torno dos pedaços de outro ser humano destruído e ficar animados porque encontraram um rim intacto?

Em suma, o que é que se passa na mente, na alma de quem aborta bebês e vende seus órgãos?

Eu examinei esta questão ao longo de décadas, realizando encontros e programas de terapia com ex-abortistas e ex-funcionários de clínicas de aborto, além de trabalhar com o Dr. Philip Ney, psiquiatra canadense que tem participado da maior parte das pesquisas pioneiras sobre o tema.

Tentar entender como uma pessoa entra no negócio do aborto, e como ela sai, é um desafio fascinante – e muitas vezes assustador. Ele nos mostra o quanto um ser humano consegue se desconectar totalmente das próprias respostas naturais de horror e aversão a matar, das próprias advertências naturais da consciência. E não estamos falando aqui de doutrina ou de convicções religiosas. Estamos falando de instintos e de psicologia, estamos falando das respostas mais básicas, mais enraizadas na natureza humana, que promovem a preservação de nós mesmos, dos outros e da nossa espécie.

E o que descobrimos é que a capacidade de fazer o que a Dra. Nucatola fez exige que ela se desumanize.

Cada um de nós tem uma natural barreira psicológica e física que nos impede de matar alguém. Em circunstâncias normais, simplesmente não conseguimos rompê-la. Ela faz parte da nossa humanidade. Mas matar é mais fácil quando se desumaniza a vítima. Quem comete bullying, por exemplo, começa com insultos e xingamentos antes de partir para a agressão física. Acontece que, ao tentar desumanizar a vítima, o agressor sempre desumaniza a si mesmo. É isto o que acontece com os abortistas.

O que descobrimos é que os abortistas normalmente começam a sua formação médica com esperanças de ajudar a humanidade. A maioria dos estudantes que se tornam abortistas, no entanto, vem de uma infância marcada pelo abuso ou pela negligência e tem baixa autoestima. Um orientador renomado, em dado momento, os puxa de lado e lhes mostra um aborto. E o processo de desumanização vai se acelerando quando o abortista em treinamento começa a se recusar a ouvir a voz da consciência.

O Dr. Philip Ney explica em seu livro “The Centurion’s Pathway” (“O caminho do centurião”):


"Eles calam o seu protesto natural: ‘Não, você não pode fazer isso’. É muito parecido com o jeito com que eles acalmaram seus protestos contra os maus-tratos que eles próprios recebiam. Depois de participarem de forma passiva de um aborto, eles têm de começar a racionalizar para si mesmos o porquê de não terem protestado" (pág. 39).

  • 1
  • 2
  • 3
Tags:
AbortoCultura do descarte
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia