Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 25 Outubro |
Santo Antônio de Sant’Anna Galvão 
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

Será que o demônio merece tanta importância assim?

© Public Domain

Catolicanet - publicado em 10/08/15

Voltou com grande intensidade a ênfase no mal que deve ser combatido, ao invés da ênfase no bem que deve ser praticado

O inteligente, atento e arguto leitor de Bíblia perceberá, do primeiro ao último dos livros, uma procura por Deus e respostas de Deus a esta pergunta. Se prestar mais atenção, descobrirá que praticamente, em todos os livros, 95 a 99% do conteúdo é voltado para a presença, a procura e o louvor a Deus. O demônio ocupa espaço pequeno; diabo, satanás, satã, demônio, inimigo são expressões que designam a presença do mal na humanidade, numa comunidade ou num indivíduo, mas a proporção é muito pequena. A Bíblia se ocupa muito mais da presença e da ação de Deus.

Quando, pois, em determinado período da humanidade, os pregadores acentuam o mal e o demônio de tal forma que ele é lembrado em quase todos os cultos, sob o argumento de que ele não para de atuar e aquela igreja não para de o enfrentar, estamos diante de uma excrescência e de uma extrapolação; é demônio demais e acento excessivo no pecado e no poder do demônio para alguém que pretende mostrar a misericórdia, a bondade e no caminho para Deus.

De repente no script da fé atribui-se um papel excessivamente saliente ao demônio que deveria ocupar papel secundário. Quando ligo a televisão hoje e quando leio os livros de história, quando ligo o rádio e quando torno a ler os livros de história percebo que houve e há um tipo de religião, um tipo de Igreja e um tipo de pregador que acentua o mal, para depois lhe dar combate. Assusta o fiel menos instruído com a presença do mal no mundo, com o poder do mal e com o poder do maligno, para que, depois, ele aceite o poder do céu que vem por aquela Igreja ou pela sua pregação. Lembra a história do bicho papão que assusta a criança e, então, ela obedece à mãe e corre pra perto dela cada vez que ouve dizer a palavra bicho papão.

Não deixa de ser de uma forma de infantilização: acento no mal e no poder do demônio para, depois, poder acentuar o poder da graça e da misericórdia de Deus. O que poderia ser menção passageira torna-se menção corriqueira, costumeira, presente em todas as celebrações e em todos os sermões. De repente o demônio ganha maior cobertura do que merece. Se, por um lado, é errado omitir a reverência ao demônio, também é errado insistir e acentuar demais a sua presença e o seu poder. Ele acaba virando protagonista.

A Bíblia na maioria das suas passagens não lhe atribui tamanho poder. Torno a acentuar que uma leitura inteligente, criteriosa e arguta da Bíblia vai nos mostrar um livro que em 95 a 99% do seu conteúdo aponta para Deus e acentua Deus. Mas vejo que nas pregações de hoje, no rádio e na televisão, repetindo um período intenso da Idade Média em que também se acentuava demais o mal, tem havido um excessivo acento na existência e na ação do demônio. Voltou com grande intensidade a ênfase no mal que deve ser combatido, ao invés da ênfase no bem que deve ser praticado.

O leitor preste atenção a determinados programas e pregações de televisão e me diga se estou certo ou errado. Demônio, satanás, inimigo, maligno é tema que está na Bíblia, mas acentuá-lo demais não é bíblico; o acento é na misericórdia, na graça, no poder de Deus que se importa conosco.

Faz tempo que na pedagogia familiar as mães pararam de falar do bicho papão. Elas acham outros meios de atrair as crianças. Mas parece que algumas igrejas redescobriram o demônio como o bicho papão da fé. Não se trata de negar que o demônio existe: é bíblico; o que se trata é de questionar a excessiva ênfase, porque alguns pregadores não deixam passar uma pregação sem pelo menos cinco ou dez vezes falar do demônio. Esqueceram o essencial da pregação de Jesus: “"Não temais, eu venci o mundo!”".

Encontro muitos fiéis preocupados com o demônio e com possessões. A maioria deles ouviu pregadores que acentuaram demais o poder do demônio. Faltou Paulo e sua doutrina da graça….

Tags:
AmorDemônio
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos
Francisco Vêneto
Jovem casal brasileiro com 8 filhos espera gêmeos: “cada um vale ...
2
Papa Emérito Bento XVI
Francisco Vêneto
Bento XVI: “Espero me unir logo” aos amigos que já estão na etern...
3
Papa Francisco São José Menino Jesus
Ricardo Sanches
A oração a São José que o Papa Francisco reza todos os dias há 40...
4
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
5
São João Paulo II
Reportagem local
A última frase de São João Paulo II antes de partir desta vida
6
Ary Waldir Ramos Díaz
O papa que enfurece o diabo: São João Paulo II fez exorcismo dent...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia