Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 30 Outubro |
Santo Angelo de Acri
home iconReligião
line break icon

A Revolução dos Bichos completa 70 anos

Creative Commons

Lucandrea Massaro - publicado em 17/08/15

E, até hoje, "todos são iguais - mas alguns são mais iguais que outros"...

Há exatos 70 anos, era lançado na Inglaterra o breve, mas duradouro livro “Animal Farm“, de George Orwell (em português, a obra recebeu títulos diversos, como “A Revolução dos Bichos”, “A Quinta dos Animais” e “O Triunfo dos Porcos”).

O livro estava pronto já fazia algum tempo, mas a Segunda Guerra Mundial e o fato de que a pequena grande obra era uma sátira clara contra o regime soviético tinha evitado a sua publicação durante o esforço de guerra contra o fascismo. O próprio controle da imprensa para não “ofender” faz parte da história que o brilhante escritor quis contar sobre o que é um regime ditatorial; aliás, os críticos literários se dividem ao interpretar “Animal Farm” como uma sátira específica do comunismo stalinista ou uma crítica a todas e quaisquer ditaduras revolucionárias.

Trata-se de uma história de corrupção protagonizada pelos animais de uma fazenda, que servem como um retrato das fraquezas humanas na relação com o poder. Os animais se revoltam contra os humanos, liderados pelos porcos Bola-de-Neve e Napoleão. Eles tentam criar uma sociedade utópica, mas Napoleão, seduzido pelo poder, acaba se livrando do ex-camarada Bola-de-Neve e estabelece uma ditadura tão corrupta quanto a sociedade humana.

A nova e revolucionária sociedade adota alguns mandamentos, entre os quais o mais típico e ao mesmo tempo o menos levado à prática em qualquer ditadura que se apresenta como “libertária”:

Todos os animais são iguais.

Nem é preciso dizer que, páginas adiante, a realidade será “ligeiramente diferente” da teoria. Na prática, o princípio adotado pelos poderosos é o de sempre:

Todos os animais são iguais, mas alguns são mais iguais que outros…

George Orwell era um social-democrata que tinha lutado pela república na Espanha na década de 1930. Mesmo sendo “de esquerda”, ele também combateu os stalinistas liderados por Moscou, já que o comunismo de Stalin eliminava todas as formações, inclusive de esquerda, que não pudesse controlar ideologicamente (é o caso da ala trotskista, que incluía o próprio Orwell. O escritor falará desta experiência em outro livro, “Homenagem à Catalunha”).

O fascismo e o comunismo soviético são similares aos olhos do autor, que também assina o célebre “1984” (em alguns aspectos, este livro é uma continuação natural dos eventos descritos em “Animal Farm”: a tomada do poder inspirada por um ideal nobre, mas substancialmente errôneo, que acaba construindo uma sociedade infinitamente mais injusta do que aquela que tinha tentado substituir).

“A Revolução dos Bichos” é uma advertência feita por quem conhecia a distância entre um ideal e uma ideologia, entre a liberdade verdadeira e a liberdade “concedida” (que, por ser “concedida”, pode também ser “confiscada”).

A questão é atualíssima para todo cristão, que não pode se adaptar ao mundo, mas também não pode ser alheio ao mundo. “A Revolução dos Bichos” é um lembrete de que o mundo (entendido como o domínio do “Príncipe deste mundo”, para sermos claros) está substancialmente dividido entre os poderosos e os invejosos do poder. O cristão, diante desse tipo de poder e das divisões que ele provoca, deve manter a equilibrada e madura postura da “desconfiança“: não só porque a história trágica do século XX deveria ser suficiente para nos convencer de que os poderes deste mundo são traiçoeiros, mas também, e principalmente, porque não podemos nos esquecer de que o verdadeiro poder capaz de revolucionar é o do amor e do serviço fraterno a todos, até a morte, e morte de cruz.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
comunismoditaduraIdeologialiberdadePolítica
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia