Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 30 Novembro |
São Mirocletes
home iconAtualidade
line break icon

China prossegue com operação de limpeza de toneladas de produtos tóxicos

<p>O marido de uma mulher morta na explosão em Tianjin protesta pela falta de informação fora do hotel onde as autoridades dão uma coletiva de imprensa</p>

AFP - publicado em 17/08/15

As autoridades chinesas prosseguiam com os esforços nesta segunda-feira para limpar centenas de toneladas de cianeto altamente tóxico no local das explosões da semana passada em Tianjin, enquanto persiste o medo de contaminação e o balanço de mortos subiu para 114.

O vice-prefeito de Tianjin, He Shusheng, confirmou que "quase 700 toneladas" de cianeto de sódio estavam armazenadas no depósito em que aconteceram as gigantescas explosões nesta cidade portuária de 15 milhões de habitantes, na madrugada de quarta-feira para quinta-feira.

Ele anunciou operações de limpeza em grande escala, "muito difíceis e delicadas", nesta megalópole que fica 140 km ao sudeste de Pequim.

As tarefas de limpeza são dificultadas pela proximidade de 16.500 contêineres no porto, assim como pelo medo de que a chuva prevista pela meteorologia provoque a propagação no ar de cianeto de hidrogênio, um gás altamente tóxico que causa asfixia e pode provocar uma morte rápida.

Segundo a imprensa chinesa, a empresa que administra o depósito incriminado, em uma zona industrial de Tianjin, mantinha armazenada uma quantidade de cianeto de sódio 30 vezes superior ao autorizado.

As equipes de emergência construíram barreiras com sacos de areia e terra para delimitar uma área de 100.000 metros quadrados ao redor do local das explosões, em uma tentativa de evitar o vazamento de cianeto e outros componentes químicos contaminantes, afirmou o vice-prefeito de Tianjin.

Especialistas militares em armas nucleares, químicas e bacteriológicas, assim como especialistas em cianeto de sódio, uma substância que se apresenta na forma de pós cristalino.

A montadora japonesa Toyota suspendeu a produção durante três dias na fábrica de Tianjin, responsável por 440.000 veículos por ano, metade de sua produção na China.

A prefeitura se esforça para convencer que o ar e a água da cidade de Tianjin não representam perigo, mas os moradores e as famílias das vítimas não acreditam nas autoridades.

Os edifícios de vários moradores, agora inabitáveis, foram destruídos pelas explosões, que quebraram as janelas e projetaram pedaços de vidro a uma distância de três quilômetros.

O balanço mais recente da catástrofe cita 114 mortos. Setenta pessoas são consideradas desaparecidas, mas algumas delas podem estar entre os 60 corpos ainda não identificados. Mais de 700 pessoas foram hospitalizadas.

– Autoridades sob pressão –

A pressão aumentou sobre as autoridades locais de Tianjin, acusadas de falta de rigor pela aprovação da construção do depósito de componentes químicos tóxicos a menos de um quilômetro de zonas residenciais, o que contraria as normas de segurança.

A justiça abriu uma investigação para determinar se aconteceram "abusos de poder ou falhas por negligência", segundo a agência oficial Xinhua, o que abre o caminho para eventuais processos contra funcionários locais.

"Temos que levar adiante a investigação e encontrar as causas do acidente. Todos que atuaram ilegalmente serão punidos com severidade", prometeu o primeiro-ministro Li Keqiang, que visitou Tianjin no domingo.

Em um gesto inabitual, a imprensa estatal chinesa criticou nesta segunda-feira a péssima comunicação das autoridades de Tianjin e a falta de transparência do governo local.

"Durante as primeiras horas depois das explosões, as autoridades municipais de Tianjin apenas facilitaram informação", lamentou o Global Times, jornal vinculado ao Partido Comunista da China.

Uma crítica inusual, que de qualquer maneira se concentra apenas nas autoridades de Tianjin e em nenhum momento questiona a ação do governo central de Pequim.

De fato, a máquina chinesa da censura opera a todo vapor na internet e elimina os textos considerados alarmistas, além de monitorar as redes sociais.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da mis...
Aleteia Brasil
Oração do Advento
SANTUÁRIO DE APARECIDA INTERIOR BASÍLICA
Reportagem local
Suposto surto de covid-19 entre padres do San...
Jesús V. Picón
Padre com câncer terminal: perde os olhos, ma...
OLD WOMAN, WRITING
Cerith Gardiner
A carta de uma irlandesa de 107 anos sobre co...
FIRST CENTURY HOUSE AT THE SISTERS OF NAZARETH SITE
John Burger
Arqueólogo diz ter encontrado a casa onde Jes...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia