Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

Negociações de paz sobre Sudão do Sul são retomadas em Adis Abeba

O presidente sul-sudanês, Salva Kiir, em Adis Abeba, no dia 29 de janeiro de 2015

Compartilhar

Dirigentes dos países do leste da África participaram neste domingo, em Adis Abeba, das negociações de paz sobre o Sudão do Sul, às quais o presidente sul-sudanês, Salva Kiir, assistirá finalmente com o objetivo de conseguir um acordo em meio a uma forte pressão internacional.

O governo do Sudão do Sul e os rebeldes tem até esta segunda-feira para firmar um acordo destinado a pôr fim a vinte meses de uma guerra civil que causou dezenas de milhares de mortes.

O chefe rebelde Riek Machar não apareceu publicamente em Adis Abeba, mas várias fontes afirmaram que estava na capital etíope há dias.

O presidente sul-sudanês, Salva Kiir, finalmente reconsiderou sua decisão inicial e decidiu assistir às negociações, segundo anunciou neste domingo seu governo.

Antes de sair de Juba, o presidente Kiir declarou à imprensa que foi "obrigado" a assistir às negociações e advertiu que um acordo de paz "que não pode ser aplicado não deve ser assinado".

No domingo, o presidente ugandês, Yoweri Museveni, que enviou tropas ao Sudão do Sul para apoiar o presidente Kiir, se reuniu com o primeiro-ministro etíope Hailemariam Desalegn e o presidente sudanês Omar al Bashir, assim como seu homólogo queniano Uhuru Krnyatta.

A guerra civil no Sudão do Sul começou em dezembro de 2013, na capital Juba, quando Salva Kiir, de etnia Dinka, acusou seu vice-presidente – de etnia Nuer – Riek Machar, recém destituído, de fomentar um golpe de Estado.