Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Existe alguma relação entre o satanismo e a prática do aborto?

© Ondřej Vaněček
Compartilhar

O porta-voz do grupo satânico Templo Satânico defende os “direitos reprodutivos religiosos” e afirma que o aborto é um dos “sacramentos” da sua religião

Foram divulgadas recentemente notícias que revelam o vínculo entre algumas práticas satânicas e o aborto. Ainda que não se possa inferir uma relação direta entre a prática do aborto e os cultos satânicos, há casos concretos, que se tornaram públicos, nos quais se manifesta com clareza tal relação.

Em agosto de 2015, foi divulgada a notícia de que o grupo satânico Templo Satânico de Detroit (Michigan, EUA), que havia inaugurado recentemente uma estátua dedicada a Baphomet, reuniu mais de 30 mil dólares para financiar uma batalha legal em defesa do “direito ao aborto”, e assim evitar que suas fiéis grávidas fossem “submetidas” a receber informação prévia sobre o processo do aborto.

Apelando à liberdade religiosa, defendem seus “direitos reprodutivos religiosos”. O porta-voz desse grupo, Lucien Greaves, afirmou que, em sua religião, o aborto é considerado um dos seus sacramentos.

Também foi divulgada recentemente a extensa entrevista de um ex-satanista, Zachary King, quem confessou haver vários ritos satânicos realizados dentro das clínicas de aborto. Desde o início da sua adolescência dentro do satanismo, Zachary contou que foi convidado a participar de uma celebração na qual se buscava deixar uma das participantes da seita grávida, para, após alguns meses, praticar um aborto ritual.

Não é uma novidade que os ritos satânicos tenham como oferenda o assassinato ritual de pessoas (bebês e adultos) e animais. Quanto mais aberrantes as práticas, mais agradáveis são consideradas como oferendas a Satanás, razão pela qual não é de se estranhar que sejam incluídos os bebês não nascidos.

Podemos recordar o assassinato, em 1969, de Sharon Tate, esposa de Roman Polanski, cometido pelos discípulos de Charles Manson, quem deu a ordem de assassinar todos os que estavam na casa, “da maneira mais horripilante possível”.

A história do satanismo em países europeus e nos Estados Unidos é tenebrosa quanto às crônicas de assassinatos rituais todos os anos.

O satanismo sempre promove práticas transgressoras e aberrantes, promotoras do suicídio, de todo tipo de homicídios, bem como da necrofilia, beber sangue, canibalismo, torturas etc. Não é de se estranhar, portanto, que a prática do aborto faça parte do universo satanista.

Mesmo que as pessoas que apoiam o aborto o façam por questões ideológicas e não estejam necessariamente vinculadas ao satanismo, não deixa de ser horripilante saber que o satanismo, além de promover o aborto, o utilize para fins cada vez mais perversos.

Para aprofundar:

Quem está por trás do monumento ao demônio de Oklahoma?