Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ele foi concebido em um estupro e hoje é um sacerdote feliz

© DR
Compartilhar

Uma história incrível sobre como “Deus escreve certo por linhas tortas”

“Minha mãe se sente orgulhosa de ter defendido a vida.”

Quando repetiu estas palavras, o Pe. Antonio Vélez Alfar tinha lágrimas nos olhos. Porque estas palavras o faziam viajar no tempo – mais precisamente, à dramática história da sua mãe, que há alguns anos lhe contou que ele havia sido concebido em um estupro (tropeaedintorni.it, 10 de setembro).

Uma mulher de fé

O sacerdote colombiano, pároco na província de Chubut (Argentina), decidiu dar seu testemunho depois de uma sentença na Suprema Corte de Justiça argentina, que declarou o aborto não punível nestes casos.

alfar-antonio

“Minha mãe – disse o sacerdote – era uma mulher de grande fé, devota e praticante. Ela dizia que, apesar das circunstâncias terríveis, carregava em seu ventre o milagre de uma nova vida, uma vida que Deus lhe havia dado e que, pelas suas convicções, não poderia abortar. E que, se Deus havia permitido isso, tinha que haver um sentido” (caminocatolico.org).

Estuprada por colegas de trabalho

A mãe do Pe. Antonio foi estuprada aos 27 anos, por vários colegas de trabalho, que montaram uma armadilha durante uma festa, a drogaram e abusaram dela repetidamente. Na dor de não saber quem era o pai, a mulher foi obrigada pela sua família a casar-se com um viúvo, que, depois de casar-se, a maltratava continuamente.

Ao ser impossível separar-se naquele contexto, a mãe permaneceu com o marido e seu segundo filho, enquanto Antonio foi enviado à casa da avó.

A história da mãe

Continua assim a história do padre: “Um dia, como minha avó me pedia que chamasse meu pai de ‘vovô’, eu lhe perguntei como ele poderia ser meu pai e meu avô ao mesmo tempo. Isso provocou uma reunião com a minha mãe, que me contou o que havia acontecido. Ela me disse que muita gente queria que ela abortasse; outros sugeriam que ela me vendesse ou me desse em adoção. Havia inclusive gente interessada em mim. Para mim, saber disso foi muito duro. Eu tinha apenas 10 anos” (aciprensa.com).

Por que isso aconteceu comigo?

Um dia, Antonio quis desabafar com Deus. “Fui à igreja para protestar contra Deus: por que isso tinha que acontecer justamente comigo? E, enquanto eu gritava, um sacerdote se aproximou e me disse que eu estava fazendo a pergunta errada: ‘Não pergunte por quê, mas para quê’. Justamente com toda aquela situação, Deus estava me chamando para fazer grandes coisas”.

Você será um instrumento do Senhor

Esse sacerdote disse a Antonio que Deus escreve certo por linhas tortas, e que ele seria um instrumento do Senhor. Depois começou a ler a passagem de Jeremias, na qual Deus o chama, mas ele resiste, e o Senhor lhe diz: ‘Não te preocupes, eu farei tudo por ti’.

“Essa conversa me marcou profundamente, e esse sacerdote foi para mim como um pai.” Depois disso, Antonio se tornou catequista, e depois escolheu o caminho do seminário, para servir o Senhor como padre.

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.