Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Aleteia logo
home iconEstilo de vida
line break icon

Mais uma vez, a ciência desmascara o açougue humano da rede abortista Planned Parenthood

Aleteia Brasil - publicado em 23/10/15

A rede diz destinar tecidos e órgãos de fetos abortados à pesquisa científica – mas os indícios são de que o interesse é apenas o próprio lucro

A rede norte-americana de clínicas de aborto Planned Parenthood, que teve diretores flagrados em vídeo negociando tecidos e órgãos de fetos abortados, tentou se defender alegando que visava “o progresso científico” e “a cura de doenças”. A frágil e genérica justificativa tem sido questionada seriamente.

Agora, junta-se aos questionamentos um artigo publicado no jornal The Washington Times por Bill Cassidy, médico e senador pelo Estado da Louisiana, e David Prentice, professor de genética médica e molecular e diretor de pesquisas do Instituto Charlotte Lozier.

Eles afirmam que os tecidos dos bebês abortados pela gigante organização norte-americana não são usados para transplante, nem para tratamentos, nem para vacinas, nem para pesquisas médicas.

Os tecidos fetais, como demonstraram Cassidy e Prentice, têm um chamativo histórico de ineficácia e fracasso nas tentativas de tratar diversas doenças:

Diabetes: Na década de 1930, os Estados Unidos começaram a usar tecidos fetais para tratar a diabetes, sem sucesso. Em 1991, a União Soviética e a China tentaram tratar 1.500 pessoas diabéticas da mesma forma, com apenas 2% de resultados positivos. Hoje, o diabetes é tratado com insulina e outros medicamentos. Houve certo sucesso também com o uso de células-tronco adultas, mas não fetais.

Doenças do fígado: Igualmente decepcionaram, no período de 1960 a 1990, as várias tentativas de usar células-tronco de bebês abortados. Já as células-tronco adultas se mostraram eficazes até mesmo no tratamento de bebês dentro do útero.

Mal de Parkinson: Houve tentativas de uso de tecidos fetais neste tratamento entre 1988 e 1994. O resultado? Pacientes que se contorciam, sem poderem controlar os próprios movimentos. De novo, em contraste com o fracasso da teimosia de usar células-tronco fetais, houve progressos com o emprego das células-tronco adultas, bem como de tratamentos homeopáticos.

Vacinas: na década de 1940, os tecidos fetais eram o único tecido humano cultivado com sucesso em laboratório. Hoje, porém, a ciência sabe produzir vacinas mediante mais eficazes com outros tipos de células, cujo cultivo, além disso, é mais simples. É o caso das vacinas contra a poliomielite. “Nenhum tecido fetal é necessário para essas vacinas, nem hoje, nem no futuro”, assegura o Centros de Controle de Doenças, dos Estados Unidos.

Ebola: a nova e eficaz vacina contra o vírus do ebola não recorre ao uso de nenhum tecido fetal.

A Planned Parenthood insiste em alegar que os tecidos humanos retirados de fetos abortados “servem para estudar doenças e para impulsionar o progresso científico, mas é significativo que tais declarações não citem resultado específico algum: somente promessas genéricas, enraizadas numa ciência que já é antiquada”, afirma o artigo de Cassidy e Prentice.

Os dois cientistas também recordam que o professor japonês Shinya Yamanaka, ganhador do Prêmio Wolf e do Prêmio Nobel de Medicina, descobriu as células-tronco pluripotentes induzidas, que podem ser produzidas com outros tecidos humanos e são capazes de produzir outras células em quantidade ilimitada. Essa descoberta torna desnecessário o recurso às células-tronco embrionárias e fetais.

Devido à cada vez mais evidente falta de embasamento da Planned Parenthood para justificar as suas práticas muito questionadas, a organização vem perdendo os vultosos fundos que os Estados norte-americanos destinavam antes aos seus “serviços de saúde reprodutiva” (leia-se aborto).

Já não era sem tempo – e é deplorável que tenha sido necessário tamanho massacre de vidas humanas em seus estágios mais frágeis de desenvolvimento para que as autoridades dos Estados Unidos começassem a despertar do seu profundo sono ideológico.

Tags:
AbortoSaúde
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia