Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Atualidade

Aborto, prostituição e causas LGBT: a Anistia Internacional perdeu o rumo

Philippe Oswald - publicado em 26/10/15

Embora criada por cristãos, a organização traiu os seus valores e abraçou causas opostas à vida e à dignidade dos mais vulneráveis

A Anistia Internacional considera a si própria como uma organização não-governamental internacional que protege os seres humanos em conformidade com a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Ela faz campanhas (muitas vezes eficazes) pela libertação de prisioneiros condenados por “crimes de consciência”, além de defender o direito à liberdade de expressão, a abolição da pena de morte e da tortura e o fim dos crimes políticos. A Aleteia a cita como fonte de informação em matéria de violações de direitos humanos, abusos e discriminação em todo o mundo.

A Anistia Internacional foi fundada na década de 1960 pelo advogado britânico Peter Benenson e pelo irlandês Sean MacBride, ambos católicos (Benenson tinha nascido em uma família judia e se convertido ao catolicismo em 1958, antes de fundar a Anistia).

A missão da organização, no entanto, passou a incluir nos tempos atuais a defesa e a promoção de uma ampla gama de “novos direitos” civis e políticos que fazem parte da agenda econômica, social e cultural de uma ideologia libertária devotada ao individualismo.

Assim como muitas ONGs, a Anistia Internacional se associou ideologicamente à ONU, lamenta um ex-ativista da associação: “Nós íamos antes aonde os outros não iam. Falávamos de presos políticos, da pena de morte. Agora somos modelados pelo programa da ONU e lidamos com as questões das mulheres, dos direitos econômicos e sociais, da pobreza. É um espectro vasto demais” (a referência é de Marc Girot no livro Amnesty International.Survey on genetically modified NGOs, de 2011).

Hoje, a Anistia não faz nada para proteger os seres humanos mais vulneráveis: pelo contrário, faz campanha pela revogação de todas as leis anti-aborto em nome do suposto “direito” da mulher a considerar o bebê como parte do próprio corpo, sem se importar com a vida dele. É por isso que, em março de 2007, a organização foi condenada pelo Vaticano: o cardeal Renato Martino, presidente do Conselho Pontifício Justiça e Paz, pediu que todos os católicos e instituições católicas deixassem de dar apoio financeiro à Anistia Internacional.

Ainda em 2007, na Inglaterra, o bispo católico dom Michael Evans (1951-2007), da diocese de East Anglia, se retirou da Anistia Internacional após 30 anos como membro ativo, em protesto contra a decisão da organização de incluir o “direito ao aborto” em seu programa. Muitos católicos seguiram o exemplo do bispo.

Em 2013, a Anistia Internacional fez campanha, em conjunto com o Comitê de Direitos Humanos da ONU, para que a Irlanda descriminalizasse totalmente o aborto. Em 2014, a organização lançou a campanha global “Meu corpo, meus direitos”, em defesa do “respeito, proteção e promoção dos direitos sexuais e reprodutivos”. Tal campanha prossegue: em 28 de setembro de 2015, a Anistia Internacional participou da “Jornada Internacional pela Descriminalização do Aborto”, realizada em mais de 20 países.

Com base nesta “lógica libertária”, a Anistia Internacional está empenhada também na defesa dos direitos LGBT, apoiando as chamadas Paradas do Orgulho Gay na Europa. A organização também pediu, em agosto de 2015, a descriminalização da prostituição nos casos em que os “profissionais do sexo” são adultos que voluntariamente “exercem” a “profissão”. Esta campanha de causa duvidosa valeu para a Anistia Internacional a ira de figuras famosas, como as atrizes de Hollywood Meryl Streep e Kate Winslet, que se opõem fortemente a essa forma de escravidão (agravada, aliás, nos países que a descriminalizaram).

Ao querer parecer “antenada com os novos tempos”, a Anistia Internacional, assim como muitas outras organizações e partidos políticos, acaba fazendo vista grossa precisamente aos mais vulneráveis ​​e pobres, começando pelos nascituros.

A história provavelmente vai julgar essa atitude “moderna” tão severamente como julga hoje a cegueira de muitas instituições diante de populações inteiras condenadas à escravidão e ao extermínio.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
AbortoAlfie EvansIdeologia
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia