Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 09 Maio |
home iconAtualidade
line break icon

Mais de 700.000 migrantes chegaram à Europa pelo Mediterrâneo em 2015

AFP - publicado em 28/10/15

Ônibus e trens circulam dia e noite pelos Bálcãs, com milhares de migrantes a bordo, que passam longas horas ou até mesmo dias nas fronteiras

Mais de 700.000 migrantes e refugiados chegaram à Europa pelo Mediterrâneo durante o ano e 3.210 morreram ou estão desaparecidos, anunciou nesta terça-feira o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur).

Um total de 705.200 migrantes e refugiados cruzaram o Mediterrâneo, dos quais 562.355 chegaram à Grécia e 140.000 à Itália, e segundo o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, a crise migratória deve piorar.

Tusk falou de “uma nova onda de refugiados procedentes de Aleppo (norte da Síria) e das regiões que têm sofrido com os bombardeios da aviação russa” que provocou “mais de 100.000 novos deslocados” na Síria.

Segundo o Acnur, a maioria dos refugiados de fato procede da Síria. Na Grécia representam 64% das chegadas.

“O número de chegadas continua sendo elevado na Grécia, apesar do agravamento das condições meteorológicas durante o fim de semana”, anunciou a Organização Internacional para as Migrações (OIM) em um comunicado.

No decorrer de outubro, mais de 160.000 pessoas chegaram à Grécia a partir da Turquia. Deste grupo, mais de 99.000 desembarcaram na ilha de Lesbos, 22.000 em Quios, 21.500 em Samos e outros 7.500 em Leros, segundo a organização.

Os migrantes – homens, mulheres e crianças – seguem para o norte da União Europeia (UE) pelo oeste dos Bálcãs, onde Macedônia, Sérvia, Croácia, Eslovênia e Áustria têm tido dificuldades para organizar o trânsito em boas condições.

A OIM também destaca que o mau tempo dificulta cada vez mais o acompanhamento das embarcações de migrantes no mar. A organização calcula que 5.239 pessoas chegaram à Grécia no sábado. Outras 4.199 no domingo.

A Itália recebeu 7.230 migrantes em outubro, contra mais de 15.000 no mesmo período do ano passado. A OIM atribui a queda ao fato de que os sírios não passam mais pela Itália para chegar à Europa, e sim pela Turquia e Grécia.

“Devemos nos esforçar porque corremos o risco de não estarmos à altura do desafio”, declarou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, durante debate no Parlamento Europeu.

O político de Luxemburgo também criticou a lentidão com que a UE implementa o plano de distribuição de refugiados a partir de centros de registro localizados na Itália e na Grécia.

Ônibus e trens circulam dia e noite pelos Bálcãs, com milhares de migrantes a bordo, que passam longas horas ou até mesmo dias nas fronteiras, esperando para serem registros e poder continuar sua jornada.

A Eslovênia recebeu mais de 86.000 migrantes desde que a Hungria fechou a sua fronteira com a Croácia, há 10 dias.

O governo esloveno, que disse não suportar este fluxo, espera que o plano de emergência aprovado durante a mini-cúpula europeia de domingo permita enfrentar em melhores condições a situação.

O plano prevê a criação de 100.000 vagas de alojamento na Grécia e nos Bálcãs, bem como uma melhor coordenação entre os países dos Bálcãs.

O ministro esloveno das Relações Exteriores, Karl Erjavec, citado pela agência de notícias STA, advertiu que seu país tem vários projetos, incluindo a construção de uma cerca, “se a situação se agravar e o plano de ação de Bruxelas não foi aplicado”.

A Eslovênia e a vizinha Croácia parecem se comunicar melhor nos últimos dias e tentam estabelecer uma ligação por trem para reduzir a pressão sobre a cidade eslovena de Krsko (150 habitantes), onde milhares de pessoas passam todos os dias.

A situação também era tensa mais ao norte, entre a Áustria e a Alemanha.

O ministro-presidente (prefeito) da Baviera, Horst Seehofer, acusou as autoridades austríacas de enviar milhares de refugiados para a Alemanha sem avisar a sua região.

A polícia austríaca rejeitou essas acusações e disse que a Baviera filtra as entradas de migrantes.

Tags:
Estado IslâmicoGuerraMigrantesMundoRefugiados
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Bebê anjo
Reportagem local
“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouvi...
2
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
3
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
4
ARGENTINA
Esteban Pittaro
Polícia interrompe missa de Primeira Comunhão ao ar livre
5
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
6
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
J-P Mauro
Vídeo mostra a última liquefação do sangue de São Januário
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia