Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 29 Julho |
Santa Marta
home iconAtualidade
line break icon

Paquistão: cristã queimada viva por recusar casamento islâmico

Vatican Insider - publicado em 29/10/15

Sequestros, conversões e casamentos forçados ameaçam as mulheres das minorias religiosas: mais de 1.000 casos documentados por ano

Ela tinha dito “não”. Em sua liberdade, ela não queria se casar com aquele homem muçulmano, muito menos converter-se ao islã. Foi por isso que Sonia Bibi, 20 anos, cristã de Multan, foi ensopada de gasolina e queimada viva por seu algoz. Ela está no hospital entre a vida e a morte, com 80% do corpo queimado. A violência brutal de Latif Ahmed, agora preso, eclodiu depois da enésima rejeição da sua proposta de casamento.

O episódio é um lembrete nacional e internacional de um fenômeno profundamente enraizado: os casos de moças (e meninas) de minorias religiosas (cristãs e hindus) sequestradas, agredidas, estupradas e forçadas ao casamento islâmico.

A prática é endêmica no Paquistão e, segundo fontes da agência vaticana Fides, atinge cerca de mil jovens mulheres por ano, especialmente nas áreas rurais. As mulheres pertencentes a minorias religiosas são duplamente vulneráveis: os homens muçulmanos sentem a certeza da impunidade e, muitas vezes, contam até com o apoio da polícia e do sistema judiciário.

“É muito difícil conseguir a punição dos responsáveis. Muitas vezes, nesses casos, a polícia não age, ou, pior, fica a favor dos estupradores”, diz o advogado cristão Sardar Mushtaq Gill, que tem acompanhado vários casos. “As famílias cristãs e as testemunhas são pressionadas para retirar as queixas. A violência contra mulheres e crianças de minorias religiosas acontece no silêncio: as histórias não vêm à tona”, explica.

O advogado conta um exemplo: Fouzia, 25, cristã casada e mãe de três filhos, foi sequestrada por Muhammad Nazir, 55, muçulmano, em julho passado. Ele a “converteu” à força ao islã e a tornou sua esposa. Nazir é fazendeiro de terras e toda a família de Fouzia trabalha para ele na região de Pattoki, no Punjab. Após a denúncia, Nazir advertiu que a mulher tinha se tornado muçulmana e ameaçou com “sérias consequências” se a família dela protestasse.

As histórias seguem um clichê: a família da vítima apresenta queixa, o estuprador faz uma contra-queixa e afirma que ela “fez uma escolha voluntária”. Na maioria dos casos, as vítimas são menores de idade sujeitas a violência doméstica e sexual. Caso se chegue ao tribunal, as meninas, ameaçadas e sob pressão indescritível, confirmam a “escolha” e depõem em favor de seus captores. E caso encerrado. Raramente as meninas retornam à família.

O fenômeno é confirmado por ONGs e estudos independentes, como no relatório “Casamentos forçados e privação da herança”, da Fundação paquistanesa Aurat, com sede em Karachi, sobre a situação das mulheres no Paquistão e a questão específica da discriminação religiosa.

“O crime de conversão forçada ao islã é generalizado, mas não é levado em devida consideração pelas autoridades civis e policiais”, observa o texto. “Faltam investigações sérias (…) Se as mulheres mudarem de religião depois de ‘se converterem ao islã’, o castigo é a morte por apostasia”.

A Fundação Aurat apresentou uma proposta de lei para evitar as conversões forçadas e exorta as autoridades civis e policiais a exporem esta prática para salvar as jovens das minorias religiosas.

É verdade que, recentemente, o governo da província do Punjab paquistanês lançou um projeto de lei para a proteção das mulheres vítimas de violência, que prevê a criação de comitês de vigilância e estabelece “centros especiais” para cuidar das vítimas psicológica e juridicamente. O primeiro centro será aberto justamente em Multan. No entanto, o espaço e a liberdade para as minorias religiosas e étnicas no Paquistão se estreita continuamente, afirma o Instituto Jinnah, prestigioso centro de pesquisas de Karachi. A instituição, batizada em homenagem ao fundador do Paquistão, Ali Jinnah, deplorou recentemente “a radicalização da sociedade”.

Tags:
MuçulmanosPerseguição
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Ítalo Ferreira
Reportagem local
Ouro no surfe em Tóquio, Ítalo Ferreira reza todos os dias às 3h ...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
4
menino Lázaro curado câncer
Aleteia Brasil
Brasil: família testemunha cura de menino com câncer por interces...
5
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
6
Padre Zezinho
Reportagem local
Cura pela televisão é possível? Pe. Zezinho desmascara manipulaçõ...
7
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia