Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 17 Maio |
São Pasquale Baylon
home iconReligião
line break icon

Dia de Finados sem fim: a morte do menino de bruços na praia

Aleteia Brasil - publicado em 02/11/15

A própria morte daqueles que ninguém quer parece estar morta, enterrada e esquecida pela cultura do descarte - inclusive entre os cristãos

A imagem inerte do pequeno Alan Kurdi, com sua blusa vermelha, sua bermuda azul, seus três aninhos de idade e seu corpo de bruços na praia turca de Bodrum, chocou o mundo no dia 3 de setembro deste ano. O choque durou alguns dias, rendeu uma enxurrada de matérias na mídia e, como de costume, passou. Morreu e foi enterrado, junto com o próprio Alan.

Ele repousa em sua Síria natal, ao lado do túmulo em que estão enterrados Galib, seu irmãozinho de 5 anos, e Rihan, a mãe. Na semana passada, os três túmulos receberam a visita e a faxina de um sírio de 39 anos, cuja vida, no naufrágio do bote que levava a sua família refugiada da Turquia para a Grécia, em 2 de setembro, também naufragou. Ele também está morto. Mas não enterrado.

Abdullah Kurdi conversou recentemente com o fotógrafo brasileiro Gabriel Chaim, que foi à Síria pela quinta vez para cobrir a guerra civil. O relato da conversa com Abdullah foi publicado pelo portal de notícias G1, do grupo Globo.

Abdullah agradeceu pelas mensagens de solidariedade dos brasileiros e contou que seus filhos eram fãs do futebol do país. Foi por isso que ele aceitou dar entrevista: ele tinha se fechado à imprensa mundial depois de ser acusado de estar no comando do barco que fazia a travessia ilegal. “Fiquei triste e com muita raiva. Isso é mentira. Por que um traficante de pessoas levaria a própria família no mesmo barco? Por que eu estaria morando em uma casa tão pobre em Istambul se estivesse ganhando dinheiro como traficante?”.

A família vivia pobremente em Istambul, na Turquia, desde que o sanguinário Estado Islâmico tinha conquistado e destruído Kobane, a cidade síria onde moravam antes. O custo de vida na metrópole turca, no entanto, era inviável para os refugiados, que tentaram, sem sucesso, migrar para o Canadá: o país lhes negou o visto.

Foi quando Abdullah procurou um “coiote” para levá-los de barco até a Grécia. “Éramos 13 pessoas [no barco]. Eu falei que era gente demais, mas ele disse que não porque a Grécia era bem perto. Depois de cinco minutos vieram ondas fortes, e, na segunda onda, o piloto fugiu nadando”. Foi quando Abdullah assumiu o comando do barco.

Galib se abraçou a ele; o pequeno Alan, à mãe. “Foi a primeira vez que eu os vi com cara de pavor”. É quando Abdullah interrompe o relato, emocionado. “Eu queria ter morrido com eles”.


Hoje o sírio sobrevive em Erbil, no Curdistão iraquiano, com ajuda de custo do governo local e da administração de Kobane, a cidade síria onde estão enterrados os filhos e a esposa.

Enquanto ele tenta reconstruir uma vida do meio da morte, não faltam aproveitadores lucrando com sua tragédia. É estarrecedor, mas uma canadense abriu uma fundação em nome de Alan Kurdi, embolsou as doações recebidas e nunca mandou um centavo para Kobane, denuncia Abdullah. “Pelo menos isso contribuiu para que o mundo olhe diferente para a situação dos refugiados. Todo dia tem vários Alans que morrem na praia tentando chegar à Europa”, consola-se.

Mas será mesmo que o mundo está olhando com mais consciência para a situação dos refugiados?

Mesmo aqui, no site da Aleteia, não são poucos os leitores autoproclamados “católicos” que reduzem sumariamente todos os refugiados a “terroristas” que devem ser rechaçados, rechançando, ipso facto, a própria fé cristã em nome de uma ideologia farisaica que eles consideram a “verdadeira” fé cristã. Por outro lado, tampouco faltam os que negam a existência de infiltrados terroristas em meio à onda de refugiados autênticos e de emigrantes que querem viver em países mais prósperos e seguros. Ainda falta um olhar livre de lentes redutoras.

Se é assim entre os cristãos, que dirá entre as autoridades europeias laicas, perdidas entre ideologias de todo tipo, medidas improvisadas, promessas não cumpridas e jogos de empurra-empurra entre países.

Enquanto isso, o Dia de Finados não finda para aqueles que ninguém quer. Sua própria morte parece morta, enterrada e esquecida pela cultura do descarte, que triunfa inclusive entre muitos que, dizendo-se cristãos, também dizem combatê-la.

Que Deus receba em seu abraço eterno de Pai tantas vítimas desse descarte diário.

Descansem em paz, Alans, Galibs e Rihans do mundo inteiro! Amém.

Tags:
Céu
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Lucía Chamat
A curiosa foto de “Jesus” que está comovendo a Colômb...
2
Soutane de Jean Paul II/attentat
Marzena Wilkanowicz-Devoud
Onde está a batina manchada de sangue de João Paulo II?
3
Nossa Senhora de Fátima pede rezar o terço
Padre Reginaldo Manzotti
As 3 principais atitudes que Nossa Senhora de Fátima nos pediu
4
Irmã Lúcia, de Fátima, e o Papa São João Paulo II
Francisco Vêneto
O terço “funciona”, garante a Irmã Lúcia, de Fátima: ...
5
Philip Kosloski
5 revelações surpreendentes do “terceiro segredo” de ...
6
POPE AUDIENCE JUNE 26; 2019
Philip Kosloski
Quanto é o salário de um papa?
7
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia