Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 25 Julho |
home iconReligião
line break icon

Matrimônios nulos: não há nenhuma novidade no papel do bispo como juiz

Aleteia Brasil - publicado em 06/11/15

Dom Angelo Becciù, da Secretaria de Estado do Vaticano, comenta o motu proprio do papa Francisco e a sua continuidade com a Igreja primitiva

Dom Angelo Becciù é o vice-secretário de Assuntos Gerais, na Secretaria de Estado do Vaticano. Na edição italiana desta quarta-feira do jornal L’Osservatore Romano, ele publicou um texto em que recorda a todos nós uma tradição milenar da Igreja: o papel do bispo como juiz.

Essa função episcopal foi “vendida” por boa parte da mídia como uma “novidade” quando o papa Francisco publicou o recente motu proprio sobre a reforma dos processos de reconhecimento de nulidade matrimonial. Francisco, na verdade, revitalizou uma prática existente desde a Igreja primitiva ao confiar aos bispos a análise e o julgamento de cada caso em que um católico solicita o reconhecimento da nulidade do seu casamento.

“O poder-dever de julgar se arriga na antiga prática cristã em que as disputas entre os indivíduos eram resolvidas dentro da comunidade, para se evitar o escândalo de litígios levados a juízes laicos”, escreve dom Becciù.

Os bispos recebiam tantos casos de litígios “também do âmbito civil” que o imperador romano Constantino resolveu emitir duas constituições, no ano de 318, para reconhecer legalmente os tribunais episcopais. No entanto, o efeito foi inesperado: como os tribunais dos bispos não cobravam e eram ágeis nos processos, a maioria das pessoas recorria a eles e não ao sistema judicial laico, que era “lento, caro e corrupto”. Constantino teve de emitir então novos decretos imperiais, agora para “reduzir o fluxo quase imparável de pessoas aos tribunais episcopais”.

Exemplos concretos de bispos que, além da pastoral, tinham de lidar com questões como “propriedades, contratos, heranças e acusações de adultério” foram ninguém menos que Santo Ambrósio e Santo Agostinho.

A chamada “potestas iudicialis”, ou poder judiciário dos bispos, continuou ao longo da Idade Média, mas passando a ser delegada muitas vezes a outros clérigos nomeados para esse fim. O Concílio de Trento definiu com clareza que as “causas matrimoniais e criminais” pertenciam à esfera de competência dos bispos.

“O Codex Iuris Canonici de 1917 confirmou a antiga disciplina da Igreja sobre o poder judiciário dos bispos, que são, nas suas dioceses, juízes naturais de toda causa ali surgida, ficando em salvaguarda, também neste campo, a autoridade do papa sobre toda a Igreja”, prossegue Becciù. “A doutrina jamais negou a ‘potestas iudicialis episcopalis’. Seguindo esta antiga ‘traditio Ecclesiae’, todo o magistério dos sucessores de Pedro o reiterou em diversas ocasiões, máxime nas alocuções à Rota Romana”. Foi o caso em 1947, quando Pio XII recordou que “juízes na Igreja, por ofício e por vontade de Deus, são os bispos, acerca dos quais o Apóstolo diz que ‘foram constituídos pelo Espírito Santo a fim de regerem a Igreja de Deus’”.

No pós-concílio Vaticano II, Paulo VI reafirmou “a função judiciária dos bispos, estabelecida em toda a tradição eclesiástica e, especialmente, na eclesiologia conciliar”, e João Paulo II afirmou que o serviço dos bispos nos tribunais não deve ser visto como coisa meramente “técnica” a ser delegada “inteiramente aos seus juízes vigários”.

É dando continuidade doutrinal e pastoral a essa tradição que o motu proprio Mitis Iudex, do papa Francisco, determina que “o bispo, na Igreja da qual é constituído pastor e cabeça, é juiz entre os fiéis confiados a ele”.

Tags:
CasamentoFamíliaSacramentosSínodo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Reportagem local
A arrepiante oração de uma mulher no corredor da morte por ser ca...
2
CROSS;
Reportagem local
O que significa o sinal da cruz feito sobre a testa, os lábios e ...
3
Aleteia Brasil
Sorrisão e joelhos: 2 pais brasileiros e seus bebês que emocionar...
4
Papa Francisco
Reportagem local
Papa: como não culpar Deus diante da morte de um ente querido
5
JENNIFER CHRISTIE
Jeff Christie
Minha mulher engravidou de um estuprador – e eu acolhi o bebê nas...
6
st charbel
Reportagem local
Por acaso não está acontecendo o que São Charbel disse?
7
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia