Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Papa Francisco viaja para a África em momento delicado

© ALBERTO PIZZOLI / AFP
Compartilhar

Quênia e Uganda, que integram a AMISOM (Força da União Africana na Somália), são alvos dos islamitas somalis shebab, aliados da Al-Qaeda

O avião transportando o Papa Francisco decolou nesta quarta-feira, pouco antes das 7H00 GMT (5H00 de Brasília), do aeroporto de Roma, para a primeira viagem do pontífice ao continente africano, que o levará a Quênia, Uganda e República Centro-Africana.

A viagem implica alguns riscos de segurança.

Francisco, o terceiro papa que visita o continente, faz sua 11ª viagem fora da Itália desde sua eleição em março de 2013.

O pontífice escolheu dos países de língua inglesa do leste da África – Quênia e Uganda – e um de língua francesa, a República Centro-Africana. No entanto, a visita a este último país, abalado pela guerra, pode ser anulada ou reduzida no último momento dependendo das condições de segurança.

Francisco deseja transmitir durante a viagem, que terminará na próxima segunda-feira, uma mensagem de paz, justiça e diálogo religioso, em um contexto internacional tenso pela luta contra o jihadismo.

O pontífice fará vários discursos, incluindo uma sobre a mudança climática, antes da abertura da COP21, a grande reunião sobre o clima em Paris, na próxima segunda-feira.

O papa Francisco partiu nesta quarta-feira para o Quênia, a primeira etapa de uma viagem que inclui Uganda e República Centro-Africana, e que tem como objetivo promover a paz e a reconciliação nesses países do coração da África.

Como já ocorreu em outros continentes, Francisco escolheu países que passam por problemas graves.

A viagem acontece em um momento delicado, devido a tensões que reinam tanto na Europa quanto na África, pelos atentados de Paris, a tomada de reféns no hotel Bamako em Mali, o jihadismo empenhado em desestabilizar o equilíbrio de boa parte do mundo.

O programa da 11ª viagem ao exterior de Francisco inclui 19 discursos e numerosos encontros com a população local, fiel a seu estilo sensível e acessível.

“Estamos vivendo um tempo em que os fiéis de cada religião e as pessoas de boa vontade são convidadas a promover a compreensão e o respeito recíprocos”, reconheceu o papa nesta segunda-feira em uma vídeo-mensagem gravada antes de viajar.

Durante sua estada, Francisco ouvirá os depoimentos de meninos soldados, das vítimas da aids, dos refugiados e mutilados de guerra, de gente comum, entre os mais pobres do planeta.

Um dos momentos mais emblemáticos será a abertura, no domingo, 29 de novembro, da “porta santa” da catedral de Bangui, capital da República Centro-Africana.

Com este gesto simbólico será antecipada em 10 dias a inauguração oficial em Roma de um Jubileu extraordinário, dedicado à “misericórdia” e ao perdão, convocado por Francisco para promover, segundo ele, “a compreensão” e “o respeito” sem distinção de raça nem credo.

Apesar do Vaticano assegurar que cumprirá o programa estabelecido para Bangui, a etapa mais perigosa, onde planejam uma visita à mesquita do bairro-fortaleza muçulmano, há possibilidade mudanças, de última hora, para enfrentar a violência entre milícias muçulmanas e cristãs e a insegurança.

As forças de segurança do Quênia, Uganda e República Centro-Africana adotaram medidas de segurança para a visita de alto risco de cinco dias do papa Francisco.

Quênia e Uganda, que integram a AMISOM (Força da União Africana na Somália), são alvos dos islamitas somalis shebab, aliados da Al-Qaeda.

Os governos dos dois países anunciaram a mobilização de quase 10.000 policiais em Nairóbi e Kampala, as capitais, cidades nas quais o pontífice celebrará grandes missas ao ar livre.

“Adotamos todos os dispositivos de segurança, que serão aplicados a partir de sua chegada”, disse o chefe de polícia do Quênia, Joseph Boinett.

“Envolvem as estradas por onde circulará e os locais de visita e alojamento”, completou.

Mais de 400 pessoas morreram nos atentados executados pelos shebab no Quênia desde setembro de 2013, quando aconteceu o ataque contra o shopping Westgate de Nairóbi, que deixou 67 mortos.

Mais de 100 pessoas morreram em vários ataques contra localidades da costa e 148 foram assassinadas por um comando na Universidade de Garissa (leste) em abril de 2015.

Em alguns casos, os criminosos liberaram os muçulmanos e mataram apenas os não muçulmanos.

Em Uganda, dois atentados mataram 76 pessoas em um restaurante e um bar de Kampala durante a final da Copa do Mundo de 2010.

A ONU anunciou que 300 capacetes azuis baseados na Costa do Marfim serão enviados à República Centro-Africana para apoiar os 12.000 integrantes da MINUSCA (Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana), responsáveis pela segurança durante a visita papal.

Exclusão

Francisco inicia sua viagem pelo Quênia e Uganda, dois países anglófonos, nos quais 32% e 47% da população, respectivamente, considera-se católica.

O papa João Paulo II esteve três vezes no Quênia e Uganda, este último foi o primeiro país da África visitado por um papa (Paulo VI) em 1964.

Como seus predecessores, Francisco condenará as desigualdades econômicas e denunciará um dos grandes males desse continente, a corrupção, que afeta muitas nações africanas e envolve dirigentes, líderes políticos e até mesmo a Igreja.

“O problema da exclusão social é flagrante em ambos os países. No Quênia, 75% da riqueza está concentrada nas mãos de 1% da população”, afirmou o padre Albanese.

Em Nairóbi, capital do Quênia e em uma das sedes oficiais da ONU, será falado sobre um tema-chave de seu pontificado, a mudança climática e o crescimento da desigualdade, argumento que abordou em sua encíclica Laudato Si e com o qual espera influenciar os debates da conferência mundial que começa no dia 30 de novembro.

O papa está na vanguarda da luta pelo desenvolvimento integral e respeitoso à natureza.

Em Uganda, prestará homenagem a todos os mártires cristãos da África e celebrará uma missa em um santuário pelos 22 jovens cristãos queimados vivos no final do século XIX, por ordem do rei Mwanga, após terem negado a se converter em escravos sexuais. Eles haviam sido canonizados por Paulo VI.

(AFP)

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.