Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Terça-feira 19 Outubro |
Santos Mártires Canadenses
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

Papa Francisco viaja para a África em momento delicado

ALBERTO PIZZOLI

AFP - publicado em 25/11/15

Quênia e Uganda, que integram a AMISOM (Força da União Africana na Somália), são alvos dos islamitas somalis shebab, aliados da Al-Qaeda

O avião transportando o Papa Francisco decolou nesta quarta-feira, pouco antes das 7H00 GMT (5H00 de Brasília), do aeroporto de Roma, para a primeira viagem do pontífice ao continente africano, que o levará a Quênia, Uganda e República Centro-Africana.

A viagem implica alguns riscos de segurança.

Francisco, o terceiro papa que visita o continente, faz sua 11ª viagem fora da Itália desde sua eleição em março de 2013.

O pontífice escolheu dos países de língua inglesa do leste da África – Quênia e Uganda – e um de língua francesa, a República Centro-Africana. No entanto, a visita a este último país, abalado pela guerra, pode ser anulada ou reduzida no último momento dependendo das condições de segurança.

Francisco deseja transmitir durante a viagem, que terminará na próxima segunda-feira, uma mensagem de paz, justiça e diálogo religioso, em um contexto internacional tenso pela luta contra o jihadismo.

O pontífice fará vários discursos, incluindo uma sobre a mudança climática, antes da abertura da COP21, a grande reunião sobre o clima em Paris, na próxima segunda-feira.

O papa Francisco partiu nesta quarta-feira para o Quênia, a primeira etapa de uma viagem que inclui Uganda e República Centro-Africana, e que tem como objetivo promover a paz e a reconciliação nesses países do coração da África.

Como já ocorreu em outros continentes, Francisco escolheu países que passam por problemas graves.

A viagem acontece em um momento delicado, devido a tensões que reinam tanto na Europa quanto na África, pelos atentados de Paris, a tomada de reféns no hotel Bamako em Mali, o jihadismo empenhado em desestabilizar o equilíbrio de boa parte do mundo.

O programa da 11ª viagem ao exterior de Francisco inclui 19 discursos e numerosos encontros com a população local, fiel a seu estilo sensível e acessível.

“Estamos vivendo um tempo em que os fiéis de cada religião e as pessoas de boa vontade são convidadas a promover a compreensão e o respeito recíprocos”, reconheceu o papa nesta segunda-feira em uma vídeo-mensagem gravada antes de viajar.

Durante sua estada, Francisco ouvirá os depoimentos de meninos soldados, das vítimas da aids, dos refugiados e mutilados de guerra, de gente comum, entre os mais pobres do planeta.

Um dos momentos mais emblemáticos será a abertura, no domingo, 29 de novembro, da “porta santa” da catedral de Bangui, capital da República Centro-Africana.

Com este gesto simbólico será antecipada em 10 dias a inauguração oficial em Roma de um Jubileu extraordinário, dedicado à “misericórdia” e ao perdão, convocado por Francisco para promover, segundo ele, “a compreensão” e “o respeito” sem distinção de raça nem credo.

Apesar do Vaticano assegurar que cumprirá o programa estabelecido para Bangui, a etapa mais perigosa, onde planejam uma visita à mesquita do bairro-fortaleza muçulmano, há possibilidade mudanças, de última hora, para enfrentar a violência entre milícias muçulmanas e cristãs e a insegurança.

As forças de segurança do Quênia, Uganda e República Centro-Africana adotaram medidas de segurança para a visita de alto risco de cinco dias do papa Francisco.

Quênia e Uganda, que integram a AMISOM (Força da União Africana na Somália), são alvos dos islamitas somalis shebab, aliados da Al-Qaeda.

Os governos dos dois países anunciaram a mobilização de quase 10.000 policiais em Nairóbi e Kampala, as capitais, cidades nas quais o pontífice celebrará grandes missas ao ar livre.

“Adotamos todos os dispositivos de segurança, que serão aplicados a partir de sua chegada”, disse o chefe de polícia do Quênia, Joseph Boinett.

“Envolvem as estradas por onde circulará e os locais de visita e alojamento”, completou.

Mais de 400 pessoas morreram nos atentados executados pelos shebab no Quênia desde setembro de 2013, quando aconteceu o ataque contra o shopping Westgate de Nairóbi, que deixou 67 mortos.

Mais de 100 pessoas morreram em vários ataques contra localidades da costa e 148 foram assassinadas por um comando na Universidade de Garissa (leste) em abril de 2015.

Em alguns casos, os criminosos liberaram os muçulmanos e mataram apenas os não muçulmanos.

Em Uganda, dois atentados mataram 76 pessoas em um restaurante e um bar de Kampala durante a final da Copa do Mundo de 2010.

A ONU anunciou que 300 capacetes azuis baseados na Costa do Marfim serão enviados à República Centro-Africana para apoiar os 12.000 integrantes da MINUSCA (Missão das Nações Unidas na República Centro-Africana), responsáveis pela segurança durante a visita papal.

Exclusão

Francisco inicia sua viagem pelo Quênia e Uganda, dois países anglófonos, nos quais 32% e 47% da população, respectivamente, considera-se católica.

O papa João Paulo II esteve três vezes no Quênia e Uganda, este último foi o primeiro país da África visitado por um papa (Paulo VI) em 1964.

Como seus predecessores, Francisco condenará as desigualdades econômicas e denunciará um dos grandes males desse continente, a corrupção, que afeta muitas nações africanas e envolve dirigentes, líderes políticos e até mesmo a Igreja.

“O problema da exclusão social é flagrante em ambos os países. No Quênia, 75% da riqueza está concentrada nas mãos de 1% da população”, afirmou o padre Albanese.

Em Nairóbi, capital do Quênia e em uma das sedes oficiais da ONU, será falado sobre um tema-chave de seu pontificado, a mudança climática e o crescimento da desigualdade, argumento que abordou em sua encíclica Laudato Si e com o qual espera influenciar os debates da conferência mundial que começa no dia 30 de novembro.

O papa está na vanguarda da luta pelo desenvolvimento integral e respeitoso à natureza.

Em Uganda, prestará homenagem a todos os mártires cristãos da África e celebrará uma missa em um santuário pelos 22 jovens cristãos queimados vivos no final do século XIX, por ordem do rei Mwanga, após terem negado a se converter em escravos sexuais. Eles haviam sido canonizados por Paulo VI.

(AFP)

Tags:
ÁfricaGuerraPapa FranciscoViagemViolência
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
2
AVENIDO BROTHERS
Agnès Pinard Legry
Três irmãos são ordenados padres no mesmo dia
3
MARRIAGE
Matrimonio cristiano
Beijar a aliança todos os dias: uma indulgência especial aos casa...
4
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
5
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
6
Reportagem local
O grande crucifixo submerso que só pode ser visto quando o lago c...
7
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia