Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Triunfo da vida: bebê que nasceu com 400g foi para casa após quase 7 meses

Foto: Cinthia Raash/RBS TV
Compartilhar

José Pedro, o grande pequeno guerreiro que derrotou as estatísticas mais pessimistas

A enfermeira Carolina Moraes, coordenadora da UTI neonatal, não estava de plantão. Mesmo assim, ela foi até o hospital só para se despedir de um guerreiro: José Pedro.

O bebê nasceu em Joinville, Santa Catarina, no dia 7 de maio, pesando 400 gramas e medindo 27 centímetros. A mãe, Saiana Castilho, o deu à luz com apenas 25 semanas de gestação porque o filho corria risco ainda na barriga. Era praticamente a metade do período de gestação e tudo no pequeno José Pedro ainda estava em formação, principalmente o cérebro. O pediatra neonatologista Kalil Auache afirma que as chances de sobrevivência nesses casos são de menos de 30% e que o restante dos bebês morre nas primeiras horas. José Pedro sofreu uma parada respiratória logo após nascer, foi reanimado, recebeu alimentação por sondas e passou cinco longuíssimos meses na UTI neonatal.

Foram meses em que a família teve de se desdobrar: os pais iam e voltavam da cidade de Rio Negrinho, onde tinham que cuidar do filho mais velho. A viagem é de mais de 100 quilômetros.

Mas José Pedro surpreendia a equipe médica todos os dias. Quando ele completou 4 meses, a mãe pôde finalmente pegar o filho no colo pela primeira vez e amamentá-lo.

“Sempre foi um guerreiro, desde tão pequenininho! Sempre lutou muito pra sobreviver! Passamos por muitos sustos, muitas dificuldades, dificuldades de notícias que não eram boas, mas sempre pensando pelo lado bom e, graças a Deus, deu tudo certo!”, diz a mãe.

José Pedro está agora com 2,6 kg e vai continuar tomando remédios e vitaminas para manter o ritmo de crescimento.
Menos de 5% dos bebês nascidos em condições semelhantes à dele conseguem ter alta podendo ser amamentados pela mãe. Até isso José Pedro conseguiu!

Apesar dos seus mais de 20 anos de experiência, o Dr. Kalil nunca viu uma recuperação como a de José Pedro. “Ele está perfeitamente bem, respirando em ar ambiente, como nós, alimentando-se na mãe e às vezes complementando”.

“É a maior felicidade do mundo”, resume a mãe, que, junto com o marido George, jamais desistiu de acreditar.

Às vezes é só isso que a vida pede: que acreditemos nela na prática!

Adaptado do Portal G1

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.