Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Alimente o seu espírito. Receba grátis os artigos da Aleteia toda manhã.
Inscreva-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Mais de 1000 freiras estão se passando por prostitutas para resgatar vítimas do tráfico humano

Compartilhar

Elas fazem parte da rede Talitha Kum e chegam a se infiltrar em bordéis e comprar crianças comercializadas como escravas – sim, em pleno 2015

A rede internacional Talitha Kum reúne cerca de 1.100 religiosas que atuam em 80 países para combater o tráfico humano e a escravidão.

O grupo, que foi criado em 2004 pelo banqueiro e filantropo John Studzinski, calcula que 1% da população mundial é traficada de alguma forma. Estamos falando de 73 milhões de pessoas, ou seja, o equivalente à soma da população inteira da Argentina, do Uruguai, do Paraguai, do Chile e da Bolívia (ou, no Brasil, dos Estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, Bahia, Rio Grande do Sul e Paraná, os cinco mais populosos depois de São Paulo).

70% das pessoas traficadas no mundo são mulheres – metade delas, com 16 anos ou menos.

John Studzinski é vice-presidente do banco de investimento norte-americano The Blackstone Group. À Conferência das Mulheres, ele detalhou casos de tráfico e escravidão como o de uma mulher forçada à prostituição que foi mantida presa durante uma semana sem comida e obrigada a comer as próprias fezes por ter-se recusado a continuar mantendo relações sexuais com uma meta diária de 12 “clientes”.

Studzinski explicou ainda que as freiras que fazem parte da rede se vestem como prostitutas e se infiltram em bordéis, além de agirem também no combate a esquemas de venda de crianças escravas na África, Filipinas, Brasil e Índia.

“Essas irmãs não confiam em ninguém. Elas não confiam nos governos, não confiam nas corporações, não confiam na polícia local e, em alguns casos, não podem confiar nem no clero masculino”, afirma o filantropo.

Talitha Kum significa “Menina, levante-se”, em aramaico. A frase foi pronunciada pelo próprio Jesus Cristo ao ressuscitar uma menina de 12 anos de idade, filha de Jairo, um dos chefes de uma sinagoga (cf. Mc 5, 41).

_____________________

A partir de matéria do Huffington Post

Boletim
Receba Aleteia todo dia