Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 07 Março |
home iconReligião
line break icon

E, há exatos cinquenta anos, sob o olhar da Imaculada Conceição, terminava o Concílio Vaticano II

Gelsomino Del Guercio - publicado em 08/12/15

Começava uma nova jornada da Igreja peregrina pelas estradas do mundo: a Igreja "em saída", que hoje o papa Francisco nos chama a ser!

Diante de uma multidão imensa, a procissão branca e prata dos 2.500 padres conciliares atravessou a Praça de São Pedro, como tinha feito na abertura, mas, desta vez, não entrou no templo. Paulo VI celebrou a missa em latim na praça, ao vento da manhã de 8 de dezembro de 1965, festa da Imaculada Conceição. Com a emoção no rosto de todos, do papa em primeiro lugar, encerrava-se o Concílio Vaticano II.

No dia anterior, em Roma e Constantinopla ao mesmo tempo, católicos e ortodoxos tinham “apagado da memória” as excomunhões de 1054, aquelas do grande cisma do Oriente. O ato removia o maior dos obstáculos para uma futura reconciliação. Antes de partir de Roma, o metropolita Meliton, chefe da delegação patriarcal, depositou nove rosas sobre o túmulo de Leão IX, em cujo nome tinha sido emitida a excomunhão: nove rosas em memória de nove séculos de separação.

O Concílio marcava um novo começo, sintetizado notavelmente nos documentos conciliares. A Igreja, à luz da palavra de Deus, celebrava os mistérios de Cristo para a salvação do mundo e, pela boca de Paulo VI, podia finalmente dizer que ninguém lhe era estranho, ninguém estava excluído, ninguém estava distante. “Também a vocês, homens que não nos conhecem; homens que não nos entendem; homens que não nos consideram úteis, necessários e amigos; e também a vocês, homens que, talvez pensando em fazer o bem, nos contrariam: uma saudação sincera, uma saudação discreta, mas cheia de esperança e, acreditem, cheia de estima e de amor”. Não era uma saudação de despedida, mas de “amizade que permanece e que, se for o caso, quer nascer”, para acender “uma nova centelha da divina caridade” e garantir que, na Igreja e no mundo, possa realizar-se “a renovação do pensamento, das atividades, dos costumes, da força moral e da alegria e da esperança, que foi a própria finalidade do Concílio”.

Foram lidas, então, as “mensagens” ao mundo: aos governantes, aos homens do pensamento e da ciência, aos artistas, às mulheres, aos trabalhadores, aos pobres, aos doentes, aos que sofrem, aos jovens. Depois de ler cada mensagem, o papa Montini entregava o texto aos representantes de cada grupo abordado. Encerrou-se com a promessa de adesão e fidelidade ao Concílio e com a esperança do advento da paz e do reino de Cristo. A última bênção e a despedida de Paulo VI: “Ide em paz”. Eram 13h20 da tarde.

O Vaticano II tinha acabado e, naquele instante, começava a sua jornada pelas estradas do mundo, portador de uma nova visão da Igreja. Nova pelo destaque dado ao mistério diante das estruturas puramente institucionais e legais. Nova pela ênfase na unidade do povo de Deus, colocado intencionalmente antes da hierarquia, mais que na sua diversidade de funções e obrigações. Nova porque a Igreja reconhecia ter sempre a necessidade de purificar-se e renovar-se. Nova pela entrada de Roma no movimento ecumênico. Nova pela abertura a um diálogo com o mundo contemporâneo, não visto mais como um inimigo a priori. Uma Igreja, em suma, mais humilde, mais livre, confiante não no próprio poder, mas no poder da palavra de Deus.

Uma Igreja que emergia dos “recintos sagrados” para mostrar melhor a sua missão entre os homens. Uma Igreja redescoberta como Povo de Deus, peregrinante. Uma Igreja a perscrutar os “sinais dos tempos”, os momentos sempre novos da história humana, e, por isso, aberta, dinâmica, criativa.

Hoje, cinquenta anos mais tarde, a nova imagem da Igreja plasmada pelo Concílio é como se fosse sintetizada na “Igreja em saída” do papa Francisco, a Igreja que deve ir às periferias geográficas, sociais, existenciais. Humanas. Deve levar até lá a mensagem de Cristo para curar as feridas e apoiar o direito sagrado de milhões de seres humanos a uma vida mais digna. E deve, de lá, de um ponto de observação não condicionado pelo excessivamente institucional e “hierárquico”, olhar para a sua própria identidade, para a sua missão de evangelização.

Não é este o significado profundo de abrir o Jubileu da Misericórdia em uma das periferias mais martirizadas do mundo de hoje, a República Centro-Africana? De transformar Bangui na “capital espiritual do mundo”? De testemunhar, numa terra devastada pela guerra civil, pela oposição entre muçulmanos e cristãos, que, graças ao diálogo entre as religiões, é possível conseguir a reconciliação e reconstruir juntos um futuro melhor? De perguntar-se como Igreja, conforme o Concílio pediu há cinquenta anos, se sobre o seu rosto brilha mais intensamente a imagem de Cristo?

Tags:
História da Igreja
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
MIRACLE
Maria Paola Daud
Mateo se perdeu no mar… e apareceu nos braços do pai
2
MADONNA
Maria Paola Daud
A curiosa imagem da Virgem Maria protetora contra o coronavírus
3
Reportagem local
Santo Sudário, novo estudo: “Não é imagem de morto, mas de ...
4
SAINT JOSEPH
Philip Kosloski
10 coisas sobre São José que você precisa saber
5
PADRE PIO
Philip Kosloski
A oração que Padre Pio fazia todos os dias ao Anjo da Guarda
6
Santo Sudário
Aleteia Brasil
Manchas do Santo Sudário são do sangue de alguém que sofreu morte...
7
BABY BORN
Reportagem local
Bebê “renasce” após ser batizado por uma médica
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia