Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
home iconAtualidade
line break icon

Arábia Saudita executa 47 pessoas, incluindo importante líder religioso xiita

Agências de Notícias - publicado em 03/01/16

Essas são as primeiras execuções de 2016 neste reino ultra-conservador que executou 153 pessoas no ano passado

A Arábia Saudita executou neste sábado 47 pessoas condenadas por “terrorismo”, incluindo jihadistas sunitas da Al-Qaeda e o clérigo xiita Nimr Baqir al-Nimr, uma importante figura do movimento de contestação contra o regime, anunciou o ministério do Interior.

O Irã, potência xiita cujas relações com a Arábia Saudita são tensas, imediatamente reagiu às execuções, prometendo que Riad pagará “um preço alto” pela morte do xeque Nimr al-Nimr.

“O governo saudita apoia movimentos terroristas e extremistas, e ao mesmo tempo utiliza a linguagem da repressão e a pena de morte contra seus opositores internos (…) pagará um preço alto por essas políticas”, declarou o porta-voz do ministério iraniano das Relações Exteriores, Jaber Ansari.

O sobrinho do xeque, Ali al-Nimr, menor de idade no momento da sua detenção, não está entre os executados, que geralmente são decapitados com sabre.

Os condenados – 45 sauditas, um egípcio, um chadiano – foram executados em doze cidades do reino, indicou o ministério do Interior em um comunicado oficial.

Eles haviam sido condenados, segundo as autoridades, por diferentes casos, incluindo por ter aderido a ideologia radical “takfiri” (termo geralmente utilizado para se referir a grupos radicais sunitas), por juntar-se a “organizações terroristas” ou ter participado de “conspiração criminosa”.

O xeque Nimr al-Nimr, de 56 anos, crítico ferrenho da dinastia sunita Al-Saud, foi um dos líderes de um movimento de contestação que eclodiu em 2011 no leste da Arábia Saudita, cuja população é majoritariamente xiita.

Esta comunidade, que está concentrada na Província Oriental, queixa-se de ser marginalizada neste país predominantemente sunita.

A execução do xeque poderia provocar fortes reações nesta região, segundo especialistas.

Para o irmão do líder religioso, Mohammed al-Nimr, “esta ação provocará a cólera dos jovens” xiitas na Arábia Saudita. “Espero que aja um movimento de contestação pacífico”, acrescentou.

Por sua vez, o ramo estudantil da milícia Bassidji, ligada aos Guardiães da Revolução, a unidade de elite das forças armadas iranianas, convocou uma manifestação no domingo em frente à embaixada saudita em Teerã.

O xeque Nimr tinha sido condenado à morte em outubro de 2014 por “motim”, “desobediência ao soberano” e “porte de armas” por um tribunal de Riad especializado em casos de terrorismo.

Sua prisão em julho de 2012 ocorreu de maneira turbulenta e dois dos seus partidários foram mortos durante as manifestações que se seguiram.

“Sangue será derramado”

Entre os executados neste sábado também estão jihadistas sunitas condenados por envolvimento em ataques mortais reivindicados pela rede Al-Qaeda de Osama bin Laden no final de 2003 e 2004.

A lista inclui o nome de Fares al-Shuwail, que a imprensa saudita apresenta como um líder religioso da Al-Qaeda na Arábia Saudita, preso em agosto de 2004.

Em 2011, as autoridades sauditas montaram tribunais especiais para julgar dezenas de sauditas e estrangeiros acusados ​​de pertencer à Al-Qaeda e de envolvimento em uma onda de ataques sangrentos (mais de 150 mortos) no reino entre 2003 e 2006.

Foi o atual príncipe herdeiro, Mohammed bin Nayef, que supervisionou a repressão contra a Al-Qaeda e que sobreviveu a uma tentativa de assassinato.

Em 1º de dezembro, o ramo da Al-Qaeda no Iêmen ameaçou “derramar sangue” se as autoridades sauditas decidissem executar os jihadistas detidos.

“Nós ouvimos falar de execuções, de que o governo dos Al-Saud pretende praticar contra os irmãos mujahideens atualmente detidos. Nós nos comprometemos a sacrificar nosso próprio sangue para salvá-los”, afirmou a Al-Qaeda na Península Arábica (Aqpa).

Essas são as primeiras execuções de 2016 neste reino ultra-conservador que executou 153 pessoas no ano passado, de acordo com uma contagem da AFP com base em números oficiais.

O número de execuções em 2015 excedeu em muito o registado em 2014 (87).

Terrorismo, assassinato, estupro, assalto à mão armada, apostasia e tráfico de drogas são puníveis com pena de morte na Arábia Saudita, um país governado por uma versão rigorosa da sharia (lei islâmica).

Segundo a organização de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional, o reino saudita está entre os países que mais executam pessoas junto com a China, o Irã e os Estados Unidos.

Em uma declaração no final de novembro, a Anistia expressou preocupação com a execução iminente de mais de 50 prisioneiros sauditas, incluindo o xeque Nimr, “condenados em julgamentos injustos.”

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Morte
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia