Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 05 Agosto |
Santos Vardan e companheiros
home iconAtualidade
line break icon

“Os políticos não têm ideia do que está acontecendo com os imigrantes”

Miriam Diez Bosch - publicado em 06/01/16

Dom Agrelo recebe a Aleteia em sua diocese em Marrocos: um alerta sobre o drama real dos migrantes africanos

Ele tem um sorriso largo: franciscano puro. O arcebispo de Tânger (Marrocos), o galego Dom Santigo Agrelo, é uma das vozes mais claras sobre os imigrantes e regufiados que querem entrar na Europa. Da sua diocese se pode avistar a Europa. Apenas 13 quilômetros separam a África do velho continente.

–Aleteia: o que move sua atuação?

– Dom Agrelo: não sou capaz de ver uma pessoa sofrendo e ficar como se não tivesse visto. Não sou capaz.

– Todos o apreciam em sua diocese, mesmo os católicos sendo minoria.

– Saúdo todos que encontro pelas ruas. Não sei o idioma deles, mas os saúdo levando a mão ao coração ou dizendo svalher pela manhã, ou salamaleikum.

– Sempre foi assim?

– Em minha vida, sempre estive perto dos setores vulneráveis da sociedade. Quando você se encontra com o imigrante em sua casa, em sua porta, isso não muda o seu o modo de ver os pobres, o que muda é o modo de ver os imigrantes: seus problemas, suas dores…

E quem os mandou ir para a Europa se lá não há lugar? Essa era a pergunta que eu me fazia e implicitamente respondia, imaginando que não houvesse tantos motivos para eles migrarem. Mas quando cheguei aqui percebi que há motivos de sobra.

Assim o Marrocos mudou minha relação com os imigrantes. Aqui em Tânger minhas urgências como bispo estão relacionadas aos emigrantes.

– O senhor se define como “conservador”.

– Eu continuei sendo sempre um conservador, no sentido de que sou uma pessoa que na missa não mudo nada por minha própria conta, não acrescento palavras, não tiro… é simplesmente um fato. Mas se vou a uma comunidade em que é preciso se adaptar, eu me adapto.

Já celebrei a missa sentado no chão, coisa que me deixa incomodado, mas faço com satisfação pelas pessoas que se sentem muito cômodas assim.

– O senhor vê alguma solução para o drama da imigração?

Se os governantes estivessem por meia-hora no bosque de Beiones, na fronteira com Ceuta, ou no bosque Gurugú, na fronteira de Melilla, se se aproximassem dos migrantes, os escutássem…

Tenho a sensação de que os governantes não se dão conta do drama que esta gente vive, que não são capazes de se imaginar abandonados em um bosque, porque a polícia não os deixa sair, nem as leis, nem as fronteiras. Abandonados, sem esperança, sem futuro. Obrigados a arriscar a vida caso queiram dar um passo adiante. Este povo… não entendo como ainda não estourou uma violência terrível, não compreendo.

–O que deve mudar?

A única maneira desta situação mudar é que mude o sentido da sociedade em relação aos imigrantes. Eu diria à sociedade: olhem para estas pessoas, se vocês os virem e conviverem um pouquinho com eles, os considerarão seus filhos, e não vão tolerar que sejam tratados como estão sendo.

–Queremos falar bem da África. Como fazemos isso?

AÁfrica é pobre porque é rica, e não seria tão pobre se não fosse tão rica. A África tem sido explorada sistematicamente, então eu suspeito que meu bem-estar é um bem-estar que eu desfruto porque outros ficaram sem nada.

–O senhor convida a rezar. Mas rezar muda a situação?

– Quando pronuncio a palavra oração refiro-me a escutar. Não as coisas que eu tenho de dizer a Deus para Ele faça não sei o quê, mas as coisas que eu tenho de escutar para fazer algo.

– O Papa está alinhado com o senhor: pobreza, oração, justiça…

– O Papa me parece neste sentido um homem de oração, um homem que escuta Deus e curiosamente nenhum de nós pode escutar Deus sem escutar os pobres. E me dá a impressão de que este Papa vem escutando os pobres a vida inteira. E isso dá a ele uma caridade enorme nas palavras que utiliza porque essa clareza vem do contato com os pobres.

Se os pobres não nos ajudam a ler o Evangelho, a interpretar o Evangelho, a nos relacionarmos com Deus, tanto o Evangelho como a relação com Deus fica irremediavelmente falseada. E nos enganaremos. O rosto de Deus nos aproxima dos pobres.

– O senhor vê a Igreja trabalhando no tema da imigração?

– Em alguns setores da Igreja há uma mentalidade em relação aos migrantes que nasce de interesses políticos e de ideologias. Para a Igreja, tanto os pobres que há nas sociedades europeias como os que batem às portas das fronteiras são um chamado de Deus a viver o Evangelho.

–Que papel as mulheres católicas têm em Marrocos?

– De tudo o que eu vi de atividade dentro da Igreja, não só em Marrocos mas em todas as partes, quando se vê algo que incide na vida das pessoas, algo profundo, o que você encontra ali são mulheres, e não homens.

– O senhor está em contato com o sofrimento e a morte. Isso lhe faz pensar?

– No que se refere à forma da morte, seja o que Deus quiser, e suponho que será um momento de especial purificação, de aceitação da última pobreza, de entrega do último que nos resta. Espero ser consciente desta entrega, e que o Senhor me conduza.

Tags:
ÁfricaMigrantesPobrezaRefugiados
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Reportagem local
Gritos levam polícia à casa de dois idosos, que choravam copiosam...
2
Sintomas da depressão
Reportagem local
8 sintomas físicos da depressão: fique atento a si mesmo e ao seu...
3
Philip Kosloski
Mesmo com ouro e glória, Michael Phelps foi ao fundo do poço – ma...
4
MAN
Reportagem local
Oração da noite para serenar o espírito e pacificar a ansiedade
5
Pe. Edward Looney
Padre revela: por que sempre levo água benta comigo ao viajar
6
sacerdotes
Reportagem local
Suicídio de sacerdotes: desabafo de padre brasileiro comove as re...
7
Princesa Diana no Accord Hospice
Reportagem local
Um padre católico acompanhou a princesa Diana na madrugada de sua...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia