Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 17 Abril |
Santa Catarina Tekakwitha
home iconAtualidade
line break icon

Francisco e Francisco, segundo Chesterton

Matthew Becklo - publicado em 13/01/16

O que uma visão superficial do Papa Francisco esconde é que ele, na realidade, “pensa com a Igreja”

São Francisco, como escreveu G. K. Chesterton, pode ser entendido a partir de três perspectivas diferentes. A primeira, como um homem que antecipa tudo o que há de generoso e compassivo no espírito moderno: o amor pela natureza, o amor pelos animais, o sentido de compaixão, o sentido do perigo da ambição econômica e dos bens materiais.

A segunda perspectiva: como homem de estigmas. Um asceta que impacta sobre o valor, a moral e a liturgia, tão austero com a figura de Santo Domingo.

A terceira perspectiva: uma combinação de ambas.

Chesterton disse que para realmente entender o que significava a figura de São Francisco – e não o que queremos que ela seja – precisamos considerar tanto a sua alegria como a sua austeridade. Precisamos ver o homem cujo ativismo radical era inseparável de sua fé.

Francisco observava o mundo com um imenso amor, mas também negava a si mesmo prazeres básicos. Como muitos grandes santos, sua paixão pela criação se alimentava dos sacramentos. Seu Cântico ao sol nos fala da “mãe terra” e do “irmão vento”, mas também da “irmã morte do corpo” e do “pecado mortal” (“Ai daqueles que morrem em pecado!”).

Alguns reduzem a compaixão de São Francisco a uma excentricidade pessoal. Mas Francisco era o que era. Não um religioso estóico ou um hippie do seu tempo, somente alguém loucamente apaixonado por Cristo.

A análise de Chesterton não está longe quando pensamos no Papa Francisco, o primeiro papa a tomar seu nome. Os americanos são pessoas pragmáticas, que gostam de separar as coisas em duas e colocar cada uma em seu lugar, especialmente em política, por isso não é raro que façam o mesmo com Francisco.

Os políticos liberais o consideram uma “bocada de ar fresco” em uma Igreja retrógrada, um papa progressista que (apesar de algumas posturas inevitáveis de “extrema direita”) se preocupa com o meio ambiente, previne-nos do capitalismo feroz e declara: “Quem sou eu para julgar?”.

Enquanto isso os políticos conservadores louvam a liderança de Francisco sobre temas como a família, a simplicidade, a dignidade humana, mas consideram suas inclinações “de esquerda” como falível no melhor dos casos. Perigosas no pior deles.

Uma das grandes ironias da era digital é a criação de informações e ruídos. Na América estas duas facetas de Francisco ressoam infinitamente. Cada uma das duas oferece uma imagem parcial da sua missão, mas não o quadro todo: cada uma delas “corta um pedaço de madeira e o chama de floresta”.

Indo além das manchetes, das entrevistas e das encíclicas, estamos lidando com um homem que, como os santos e como o próprio Jesus, não se preocupa muito com os grandes da política. Chamá-lo de “o último forasteiro de Washington” é equivocado, porque o coloca no horizonte da nossa vida política. Peter Leithart não se equivoca quando diz que Francisco “não só transcende a nossa política, mas atua em um universo intelectual e moral diferente”, a Igreja.

O que uma visão superficial do Papa Francisco esconde é que ele, na realidade, “pensa com a Igreja”. No sentido literal, isso significa continuar a linha de seus antecessores. Provavelmente, os que os meios de comunicação não veem quando noticiam Francisco é que diz substancialmente o mesmo que Bento XVI e São João Paulo II.

Em suas entrevistas, Francisco destacou que pensar com a Igreja significa pensar com os fiéis, não com os teólogos. Com afirmações como essa, entende-se que o Papa Francisco chame-se o “Papa do povo”. Cheira como ovelhas mais do que qualquer pastor recentemente.

Mas pensar com a Igreja também significa aprender a ver além das contradições do mundo. A Laudato Si nos traz temas muito amplos, justiça para os pobres, abolição do aborto, luta contra a mudança climática, suspeita do paradigma tecnocrático.

Seu primeiro discurso pronunciado na Casa Branca não foi diferente. Expressou seu apoio tanto à instituição do matrimônio como à difícil situação dos imigrantes. Esta facilidade de se mover em opostos permeia a Igreja, que elogia a fé e a razão, a justiça e a misericórdia, o amor e a verdade sem deixar-se levar por nenhuma ideologia.

“A Igreja não só parece aceitar as coisas aparentemente incompatíveis – escreveu Chesterton – mas também permite estourar com uma violência artística e quase anárquica”.

Poderia parecer que isso mantém estas tensões entre discursos opostos, mas, paradoxalmente, conduz à unidade.

Com a alegria do Evangelho e como criatura de Deus, São Francisco se apaixonou pelo desprezível para converter-se em um meio de paz e liberdade. Morreu para si como um grão de trigo, porque somente assim poderia frutificar. Esta é a mensagem. Já era polêmica em sua época, é agora e será sempre. E o que o Papa Francisco faz é simplesmente uma coisa: seguir os caminhos e convidar-nos. “Venha e verá”.

Tags:
LiteraturaMundoPapa Francisco
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Não desprezem o templo nem posem de católicos avançados, alerta o...
3
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
4
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Frei Jorge e o cãozinho frei Carmelito
Francisco Vêneto
Humanizar os animais não é amá-los, pois desrespeita sua natureza...
7
Aleteia Brasil
Havia um santo a bordo do Titanic?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia