Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano

Compartilhar

Tantas foram as flechadas lançadas contra ele que os algozes não duvidaram de que estava morto. Mas...

Sebastião nasceu no século III em Narbonne, na atual França, filho de pais oriundos de Milão, na Itália. Foi desde cedo generoso e trabalhador, não tardando a se tornar primeiro capitão a serviço do Império Romano, em cujo exército demonstrara ser um soldado de grande saúde do corpo e da mente.

Ainda mais saudável era a sua alma cristã, reconhecida pelos cristãos clandestinos daqueles tempos duros, em que, sob o imperador pagão Diocleciano, a Igreja era perseguida com brutalidade.

O mistério da Santíssima Trindade inspirava Sebastião a consolar de maneira secreta os cristãos que eram presos. Com o tempo, ele se tornou seu defensor e apóstolo dos confessores e dos mártires.

O coração do próprio São Sebastião nutria o desejo do martírio por Cristo. Quando um apóstata o denunciou ao Império e Sebastião foi levado à presença do imperador, este se disse muito decepcionado pela “traição” do soldado como cristão clandestino. O santo, porém, iluminado pelo Espírito Santo, afirmou que o melhor serviço que podia prestar ao Império era precisamente o de combater o paganismo e as injustiças.

De coração fechado, o imperador mandou prendê-lo num tronco e alvejá-lo com flechas. Tantas foram as flechadas lançadas contra ele que os algozes não duvidaram de que estava morto.

Uma mulher, no entanto, esposa de outro mártir, aproximou-se dele e percebeu que São Sebastião estava ainda vivo, por graça de Deus. Ela cuidou de suas feridas e, ao recobrar sua saúde, o santo se apresentou novamente diante do imperador, pois desejava o seu bem e o de todo o Império. Evangelizou e testemunhou, mas, no ano de 288, Deus lhe concedeu a graça tão almejada do martírio.

São Sebastião, no Brasil, é o padroeiro de várias cidades. A mais famosa é São Sebastião do Rio de Janeiro.

Aleteia Top 10
  1. Lidos