Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Um rei moribundo e os dois pratos da balança: o dos pecados e o do rosário

Compartilhar

Conta-se de Alfonso IX, rei de Leão e Galícia, que andava com o rosário à cintura…

A Santíssima Virgem não favorece somente quem reza o rosário, mas recompensa também gloriosamente a quem, com seu exemplo, atrai os demais a esta devoção.

Alfonso IX (1188-1230), rei de Leão e Galícia, desejando que todos os seus criados honrassem a Santíssima Virgem com o rosário, resolveu, para animá-los com seu exemplo, levar ostensivamente um grande rosário, mesmo sem rezá-lo.

Bastou isto para obrigar toda a corte a rezá-lo devotamente. O rei caiu enfermo com gravidade. Já o acreditavam morto, quando, arrebatado no espírito diante do tribunal de Jesus Cristo, viu os demônios que lhe acusavam de todos os crimes que havia cometido.

Quando o Divino Juiz já o ia condenar às penas eternas, interveio em seu favor a Santíssima Virgem. Trouxeram, então, uma balança: em um pratinho da mesma colocaram os pecados do rei.

A Santíssima Virgem colocou no outro o rosário que Alfonso havia levado para honrá-la e os que, graças a seu exemplo, haviam recitado outras pessoas. Isto pesou mais que os pecados do rei.

A Virgem lhe disse logo, olhando-o benignamente:

“Para recompensar-te pelo pequeno serviço que me fizeste ao levar meu rosário, te alcanço de meu Filho o prolongamento de tua vida por alguns anos. Emprega-os bem e faz penitência!”.

Voltando a si, o rei exclamou:

“Oh, bendito rosário da Santíssima Virgem, que me livrou da condenação eterna!”.

Depois de recobrar a saúde, foi sempre devoto do rosário e o recitou todos os dias.

Que os devotos da Santíssima Virgem tratem de ganhar o maior número de fiéis para a Confraria do Santo Rosário, a exemplo destes santos e deste rei. Assim conseguirão na terra a proteção de Maria e logo a vida eterna: “Os que me derem a conhecer alcançarão a vida eterna” (Eclo 24,31).

(O Segredo Admirável do Santíssimo Rosário, de São Luis Maria Grignion de Montfort, via blog Almas Castelos).

Boletim
Receba Aleteia todo dia