Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 23 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconHistórias Inspiradoras
line break icon

“A misericórdia tem olhos puxados”. A história de Zhang Agostino, presidiário de origem chinesa convertido ao cristianismo

Marinella Bandini - publicado em 26/01/16

“Nas lágrimas de minha mãe e nos encontros entre aas grades recebi a visita de Jesus”

A misericórdia tem olhos puxados. Esta é a história de Zhang Agostino Jianqing, chinês de 30 anos emigrado com a família para a Itália em 1997. Zhang está preso há 11 anos, e ainda deve cumprir outros 9 anos na prisão – consequência de erros cometidos em sua juventude turbulenta e irriquieta. “Aqui estou para dar testemunho de como a misericórdia de Deus transformou minha vida”, diz ao tomar palavra na cerimônia de lançamento do livro de entrevistas do Papa Francisco, “O Nome de Deus é Misericórdia”, realizada no Vaticano. Sim, no Vaticano; algo que mesmo Zhang poderia esperar. Mas cada etapa de sua história é de fato surpreendente, até mesmo para ele próprio. Zhang chega à Itália aos 12 anos de idade, e já matriculado na escola inicia seu percurso de adaptação. Mas logo se entendia com os estudos, começa a faltar às aulas, e entra em choque com os pais. Distancia-se da família e passa noites fora de casa: “meu único interesse era a diversão, sentir-me poderoso”, “e em pouco tempo havia me tornado uma pessoa violenta e superficial”. Até cometer um grave crime e ver-se, então com apenas 19 anos, condenado à pena de prisão por 20 anos. É transferido para a penitenciária de Belluno, onde passa a receber visitas de um voluntário de nome Gildo. Zhang lembra suas dificuldades com o idioma “não falava quase nada de italiano”; “em nossos encontros, passávamos mais tempo fitando-nos um ao outro do que propriamente falando”. “Bastava-lhe seu olhar para expressar sua compaixão por mim. Isso por vezes era tudo o que me sustentava”. Tornaram-se grandes amigos – Gildo mais tarde viria a ser seu padrinho de Batismo. “Foi o primeiro presente que Deus me enviou”, lembra Zhang com os olhos cheios de lágrimas. Sua mãe, toda semana, viajava 700 quilômetros para visitá-lo na prisão. E chorava ao vê-lo. Suas lágrimas começam a amolecer o coração endurecido de Zhang: “ver seu rosto coberto de lágrimas me ajudou a olhar para dentro de mim mesmo, compreender o mal que havia causado à minha família e à família da vítima. Meu coração tremia de dor, sentia-me em pedaços. Surgia dentro de mim um desejo de mudar para melhor. Nascia em mim o desejo de que todo esse sofrimento pudesse ser transformado de alguma forma em felicidade”.

Em 2007, Zhang é transferido para Pádua. Ali, começa a trabalhar no presídio junto à cooperativa Giotto. Conhece um conterrâneo, Je Wu, e depois Andrea, que lhe fazem companhia. “Vi que aquele meu amigo ficava cada dia mais feliz, até que decidiu converter-se ao cristianismo e batizar-se. Testemunhar algo assim, trabalhar de perto com pessoas como estas, paulatinamente despertaram em mim o desejo de ser também feliz como eles”. Curioso, Zhang começa a frequentar as Missas: “ao ouvir os cantos e as palavras do Evangelho, pude experimentar uma alegria que nunca havia experimentado antes em minha vida”.

Em companhia de outros detentos e pessoas da cooperativa, Zhang reforça seu desejo de conversão: “o caminho que vinha trilhando fortalecia a cada dia meu desejo de tornar-me cristão”. Mas como explicar isso a seus pais? Sua família era budista e sua mãe muito religiosa; não queria dar-lhe mais esse dissabor. Seu tormento interior perdura até a Sexta-feira Santa de 2014. Zhang, a convite de seus amigos, participa do rito da Via Crucis; e, ao final da cerimônia, todos os presentes se aproximam da cruz para beijar o Cristo, mas ele se detêm: “não pude fazê-lo, sentia-me como se estivesse a trair minha mãe mais uma vez”. Ao sair da capela, porém, sentia “o coração chorar de remorso” por não ter beijado a Jesus na cruz. “Na dor daquele momento, compreendi o quanto amava a Jesus, e que já não era mais possível ignorar essa verdade”.

Chama sua mãe e, abrindo seu coração, pede-lhe permissão para converter-se ao cristianismo e batizar-se. “Minha mãe permaneceu em silêncio por cinco minutos; aqueles pareceram-me os cinco minutos mais longos de minha vida. Depois, com lágrimas nos olhos, disse-me: “se acredita que esta é a coisa certa a fazer, faça-a; de outro modo, me faria sofrer ainda mais”. “Pude sentir a presença do Senhor ao descobrir um outro amor de minha mãe, um amor como aquele de Maria”. E assim Zhang é batizado em 11 de abril de 2015, véspera do Domingo da Misericórdia, na capela do presídio. “Quis que fosse assim; ser batizado no local e na companhia dos amigos que comigo estavam quando Jesus veio ao meu encontro, quando conheci Jesus”. Lembrando as palavras do Evangelho “adoeci, e visitastes-me; estive na prisão, e foste me ver”, compreendeu que os amigos que havia feito na prisão haviam sido enviados por Jesus para buscá-lo. E decidiu ser batizado com o nome de Agostino, comovido pelas tantas lágrimas derramadas por Santa Mônica por conta das faltas de seu jovem filho – que mais tarde se tornaria Santo Agostinho. “É uma história como a minha; minha mãe também chorou um rio de lágrimas, na esperança de que eu reencontrasse o sentido da vida”.

Tags:
ConversãoMisericórdiaMundo
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
3
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
POPE AUDIENCE
Reportagem local
A oração de cura que pode ser dita várias vezes por dia
6
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia