Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Autoridades mundiais de saúde se mobilizam contra zika

AFP
Compartilhar
A Organização Mundial da Saúde (OMS) anunciou nesta terça-feira a criação de uma unidade global para responder ao surto na América Latina de zika vírus, que pode produzir má-formações em fetos, é transmitido por um mosquito e poderia também ser transmitido por via sexual.

O último sinal de alerta pelo zika, que gerou preocupação nas autoridades sanitárias por sua rápida propagação pelos países altino-americanos e o perigo que representa para as grávidas, chegou do estado norte-americano do Texas, onde foi registrado um caso do vírus transmitido por via sexual e não pela picada de mosquito.

As autoridades sanitárias do condado de Dallas, Texas (sul dos Estados Unidos) “receberam a confirmação dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) do primeiro caso de zika vírus sexualmente transmitido no condado de Dallas em 2016”, disse um comunicado.

No entanto, o porta-voz dos CDC que confirmou à AFP a informação da infecção de zika não contou a maneira como o indivíduo teria contraído o vírus.

No mês passado, o CDC informou sobre um caso relatado de zika transmitido sexualmente e outro caso do vírus presente no sêmen de um homem – mesmo que já tivesse sumido da corrente sanguínea.

A perspectiva de que o vírus seja transmitido sexualmente e não apenas pela picada do mosquito Aedes aegypti é preocupante para a Europa, Estados Unidos e outras regiões fora da América Latina, onde todos os casos foram importados até agora.

– Controlar o mosquito –

“Criamos uma unidade de resposta global, que reúne todos os funcionários da OMS na sede e nas regiões, para examinar a resposta formal à doença”, afirmou um dos especialistas da organização com sede em Genebra, Anthony Costello.

A agência da ONU anunciou na segunda-feira que o zika vírus, transmitido pelo mosquito ‘Aedes aegypti’, é o principal suspeito por um aumento acima do normal dos casos de microcefalia na América do Sul. Por este motivo, a OMS decretou emergência mundial.

Muitas vozes desejam que a OMS atue com velocidade máxima, ainda mais depois que a própria organização admitiu ter reagido com lentidão à epidemia de Ebola, que afetou nos últimos anos vários países da África ocidental.

Costello, pediatra e especialista em microcefalia, informou que a nova unidade vai tirar “todas as lições aprendidas com a crise do Ebola” para enfrentar de maneira rápida o zika vírus e as malformações e problemas neurológicos atribuídos ao mesmo.

O médico insistiu na importância de uma ação rápida e destacou que não existe razão alguma para acreditar que a epidemia ficará limitada à América Latina, onde até o momento mais de 20 países registraram casos.

“Nos preocupa que isto se propague a outras zonas do mundo, onde a população não é imune, e sabemos que os mosquitos portadores do zika vírus estão presentes na maior parte da África, em áreas do sul da Europa e em muitas partes da Ásia, em particular no sul da Ásia”, disse.

As autoridades da Tailândia disseram nesta terça-feira que um homem contraiu a doença.

O arquipélago africano de Cabo Verde também informou a existência de dois casos locais.

A situação também preocupa a Europa e a América do Norte, onde foram identificados dezenas de casos importados por pessoas que viajaram para a América Latina.

O zika vírus é transmitido pelo mosquito Aedes aegypti, também portador da dengue e do chikungunya. Foi descoberto em uma selva de Uganda, chamada Zika, no ano 1947.

O Brasil alertou em outubro sobre um número elevado de nascimentos de crianças com microcefalia na região Nordeste. Atualmente há 404 casos confirmados e 3.670 em estudo, contra 147 em 2014.

O país notificou em maio de 2015 o primeiro caso de doença provocada pelo zika vírus. Desde então, “a doença se propagou dentro do país e também a outros 22 países da região”, indica a OMS.

Com mais de 1,5 milhão de contágios desde abril, o Brasil é o país mais afetado pelo vírus, seguido pela Colômbia, que no sábado relatou mais de 20.000 casos, 2.000 deles em mulheres grávidas.

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.