Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Aleteia logo
home iconAtualidade
line break icon

As 8 características de um bom líder empresarial

© Kzenon / SHUTTERSTOCK

Opus Dei - publicado em 04/02/16

Uma organização não pode ser gerida na base de "você faz isso, eu pago e ponto"

  1. Coerência com as próprias convicções
  2. Conduta exemplar
  3. Tratamento amável dos subordinados
  4. Solicitude na formação dos colaboradores
  5. Justiça ao organizar o trabalho e valorizar a atividade realizada
  6. Prudência para resolver os problemas presentes
  7. Fortaleza para enfrentar as dificuldades
  8. Exigência respeitosa para ajudar as pessoas a se superarem e se formarem

Uma empresa é uma comunidade de pessoas. Sim, ela tem instalações, edifícios, máquinas… mas tudo isso é proporcionado por alguém e gerenciado por pessoas, que agem por motivações diversas (benefícios, salário, carreira, ego), mas que têm de atuar de maneira integrada para realizar um projeto conjunto.

Dirigir uma empresa é conseguir que essas pessoas, sem renunciar aos seus interesses próprios, tão humanos, levem adiante esse projeto conjunto.

Essa é a tarefa dos líderes organizacionais. Eles mandam? Sim, claro, mas a tarefa deles é mais que isso… É mais delicada que isso. Há contratos, certamente, mas uma organização não pode ser gerida na base do “você faz isso, eu pago e ponto”. Às vezes é necessário dizer isso, mas, no geral, dirigir consiste em algo diferente.

Por exemplo, no caso dos trabalhadores, o gerente tem que se perguntar: para que eles vêm toda manhã? Para ganhar seu salário, claro. E para aprender, para construir uma carreira, para acumular direitos para a aposentadoria, para fazer amigos, para ser felizes.

Para ser felizes? Claro! Oito horas diárias de inferno até podem ser suportadas durante uma semana, mas é impossível que a equipe humana funcione só com broncas e gritos, por mais que haja um salário no fim do mês.

Porque aquela frase bonita que diz que “o ativo mais importante da empresa são seus homens e mulheres” é verdadeira. São eles que conhecem o cliente, que fazem funcionar as máquinas, que sabem onde acontecem os erros… e que podem desenvolver as competências distintivas da empresa, das quais depende a sua continuidade.

Tudo isto me leva à conclusão de que uma boa empresa começa no reconhecimento da dignidade das pessoas.

Mas o que entendemos por dignidade?

Faz alguns dias, li que, para alguns filósofos atuais, a dignidade se fundamenta na capacidade de fazer o que a nossa vontade deseja, sem que os outros possam impedir nem criticar.

E imaginei o grande diretor, orgulhoso de si mesmo, seguro das suas capacidades… Até o dia em que alguém o contraria e o nosso protagonista responde: “Você não sabe com quem está falando? Quem é você para me contrariar?”.

E me perguntei se esse alto diretor aceitaria essa atitude da recepcionista da empresa: afinal, não há lugar para muitos galos no mesmo galinheiro.

Então, esse conceito de dignidade não nos serve: é elitista, individualista e não tem futuro em uma organização na qual contar com os outros é crucial, porque é preciso atingir resultados com a colaboração de todos.

Embora a mídia exalte o heroico líder empresarial, aquele que seria capaz de conduzir sozinho uma grande organização pelo caminho do sucesso, o fato é que dirigir é um trabalho em equipe – e isto vale tanto para a grande multinacional quanto para o comércio da esquina.

O respeito à dignidade das pessoas tem muito a ver com dirigir bem. Não é questão de cumprir um código moral; é algo muito mais exigente:

“Ser coerente com as próprias convicções” – reli, faz uns dias, o livro “Dirigir empresas com senso cristão”, que reúne alguns textos do grande chanceler do IESE e prelado do Opus Dei, dom Javier Echevarría: “exemplares na conduta, amáveis no modo de tratar os subordinados, solícitos na formação dos colaboradores, justos ao organizar o trabalho e valorizar a atividade realizada, prudentes para resolver os problemas presentes, fortes para enfrentar as dificuldades”.

Essas características mostram um bom conhecimento do que representa a liderança nas organizações, condição para conseguir os objetivos da empresa e base para o respeito à dignidade das pessoas e para conseguir que elas se desenvolvam e cresçam no seu trabalho.

Quando ouvimos um eclesiástico falar dessas coisas, pode parecer que ele está falando do que não sabe. Mas não é preciso ter no currículo um doutorado em artes de direção de empresas para entender o que é uma pessoa, o que é uma organização humana, o que significa dirigir essa organização, como é preciso tratar os outros e o que é necessário para que as pessoas percebam que a sua dignidade é respeitada.

E tudo isso com exigência, que, muitas vezes, é a melhor maneira de dizer ao outro: “Eu tenho um grande respeito por você e por isso quero que você se supere e conquiste mais”. As empresas, afinal, podem ser também grandes formadoras de homens e mulheres.

Antonio Argandoña, professor do IESE

Tags:
dignidadeVirtudes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia