Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 01 Março |
São Félix III (II)
home iconAtualidade
line break icon

Quando a religião desfila pelos sambódromos…

Aleteia Brasil - publicado em 08/02/16

Sincretismo misturou Maria com sacerdotisas, ritos tribais e deusas pagãs em nome da "paz entre as religiões". Será mesmo este o caminho?

Maria cheia de faces

A escola de samba paulista Águia de Ouro apresentou o enredo “Ave Maria Cheia de Faces“, cuja proposta era “homenagear o sentimento da feminilidade e da maternidade” a partir de figuras religiosas femininas. Embora o título do enredo desse a entender que Nossa Senhora seria a protagonista, o que se viu foi um confuso sincretismo que fez sambar de Maria a deusas pagãs, passando por sacerdotisas e elementos tribais diversificados. Aliás, já no início do desfile, as sacerdotisas realizavam um ritual em torno a um caldeirão, de dentro do qual surgia… Nossa Senhora.

Um dos carros alegóricos representava um templo egípcio e se propunha a traçar um paralelo entre os deuses Ísis e Osíris e a Sagrada Família de Nazaré. De que tipo de paralelo se tratava não ficou claro. Divindades pagãs da mitologia greco-romana também se uniram à mistura, enfatizando “a força matriarcal”.

Em meio à “licença poética” da escola paulista ao apresentar as “faces” da mulher na história das religiões, houve, de fato, um destaque ao menos “quantitativo” para Maria, com menções à Imaculada Conceição, à Anunciação e à Paixão de Cristo, representadas em alas diversas. Não faltaram a Pietà e Nossa Senhora Aparecida, que encerrou o desfile precedida pela ala das baianas.

A pedido da Igreja, a escola não apresentou componentes nus.

Procissão de carnaval

Ainda em São Paulo, os Acadêmicos do Tucuruvi levaram à avenida uma “procissão” de religiosidade popular brasileira, cantando grandes festas de fé do país: o Círio de Nazaré, do Pará; as romarias de Padre Cícero, do Ceará; e a devoção a Nossa Senhora Aparecida, padroeira de todos os brasileiros.

Assim como a Águia de Ouro, a escola também misturou elementos da fé católica a ingredientes heterodoxos como feiticeiros, rituais indígenas de passagem e tradições afro-brasileiras, como o carro que homenageou Iemanjá sobre um mar alegórico formado pelos vestidos das baianas.

Participaram da procissão, ainda, São João, Santo Antônio e São Pedro em meio a um arraial caipira, além do guerreiro São Jorge entre fitas e símbolos de devoção.

Intolerância religiosa

Já no Rio de Janeiro, a Viradouro abordou a intolerância religiosa mediante uma interpretação carnavalesca da ópera “O Alabê de Jerusalém“, de Altay Veloso, que conta a história de um africano nascido há dois mil anos e convertido em seguidor de Jesus Cristo – o próprio Jesus Cristo, aliás, foi representado em um dos carros alegóricos por um ator da Rede Globo.


O protagonista da ópera de Veloso é o africano Ogundana, que nasceu no Daomé, atual Nigéria, e deixou sua tribo iorubá aos 12 anos, rumando para o norte da África e conhecendo povos e nações diversos, entre os quais desenvolveu o poder da cura. A obra retrata a sua amizade com Jesus e a sua paixão por Judith, prima de Maria Madalena. Dois mil anos depois, Ogundana vem parar no Brasil como a entidade Alabê de Jerusalém.

A escola de samba tratou da intolerância religiosa ao dar destaque à menina Kayllane Coelho, de 11 anos, que, em junho de 2015, foi vítima de um gesto deplorável: ela levou uma pedrada ao sair de uma cerimônia de candomblé.

Como promover a paz entre as religiões?

A presença chamativa da religiosidade nesses desfiles conquistou tanto elogios quanto críticas: elogios pela proposta de convivência pacífica entre as religiões e críticas pela diluição da identidade própria de cada religião em nome de um pacifismo superficial, mais capaz, por isso mesmo, de acirrar os ânimos do que de promover a concórdia.

Talvez seja o caso de perguntar se a melhor maneira de defender a paz entre as religiões é mesmo a insistência em “interpretá-las” a partir dos próprios critérios, em vez de ter a real boa vontade de conhecê-las a sério antes de caricaturizá-las.

Tags:
Religião
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KOMUNIA NA RĘKĘ
Claudio de Castro
Padre chora copiosamente diante da falta de respeito com a Eucari...
2
PRAYER
Desde la Fe
Coisas que você não deve fazer na Missa e talvez não saiba
3
RECONSTRUCTED CHRIST
Lucandrea Massaro
Assim era Jesus: o misterioso Homem do Sudário, reconstruído em 3...
4
HOLY FAMILY
Philip Kosloski
A antiga oração a São José que é “conhecida por nunca ter falhado...
5
MEXICO
Pablo Cesio
México: homem chega à própria missa de corpo presente
6
missionárias mártires iêmen
Reportagem local
A corajosa última oração destas 4 freiras antes de serem mortas p...
7
PRAY YOUNG
Arquidiocese de São Paulo
Rezar o terço sem contemplar os mistérios é válido?
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia