Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 11 Abril |
home iconAtualidade
line break icon

EUA e Rússia anunciam cessar-fogo na Síria a partir de sábado

Agências de Notícias - publicado em 23/02/16

Washington e Moscou anunciaram, nesta segunda-feira, que um cessar de hostilidades entrará em vigor no próximo sábado na Síria, onde acontecem duros combates próximo a Aleppo (norte), um dia depois do atentado extremista mais letal dos cinco anos de guerra.

Em uma declaração conjunta, as duas potências disseram que o cessar-fogo envolve as partes que estiveram lutando durante os cinco anos de conflito sírio, com exceção do grupo Estado Islâmico (EI) e a Frente al-Nosra, uma organização filiada à Al-Qaeda.

“O cessar de hostilidades será aplicado às partes envolvidas no conflito sírio que indicaram que respeitarão os termos” do acordo, afirmou o comunicado.

Elas terão até esta sexta-feira, dia 26, às 12h locais (7h, horário de Brasília), para comunicar a Estados Unidos e Rússia sua adesão a este acordo. A suspensão do fogo entrará em vigor no sábado, à meia-noite de Damasco (19h, Brasília).

Após o anúncio, o presidente russo, Vladimir Putin, disse à televisão de seu país que fará “o necessário para Damasco, para as autoridades legítimas sírias”.

“Esperamos que os Estados Unidos façam o mesmo com seus aliados e com os grupos que apoiam”, completou.

Nesta segunda-feira, o presidente americano, Barack Obama, telefonou para Putin para tratar dos esforços conjuntos para o cessar-fogo efetivo na Síria, informou a Casa Branca, advertindo que o caminho pela frente não será fácil.

Ao confirmar o diálogo entre Putin e Barack Obama, o porta-voz da Casa Branca, Josh Earnest, destacou que “este é um momento oportuno”, em que estão “esperançosos de que todas as partes o capitalizem”.

Earnest foi prudente e disse que “isso será difícil de implementar”.

“A prioridade agora é garantir respostas positivas por parte do regime sírio e da oposição armada, assim como uma instrumentação fiel (do acordo) por todas as partes”, destacou Obama.

Reuniões em Riad

O principal grupo opositor sírio disse aceitar o cessar-fogo anunciado hoje, se forem cumpridas “condições” humanitárias.

De Riad, onde grupos-chave da oposição síria estavam reunidos, o Alto Comitê de Negociações divulgou uma nota, na qual disse responder “positivamente aos esforços internacionais para obter um cessar das hostilidades”. Estabeleceu, porém, que a aprovação está condicionada à suspensão dos cercos às cidades, à libertação de prisioneiros, ao fim dos bombardeios de civis e à entrega de ajuda humanitária.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, saudou este acordo – um “sinal de esperança longamente esperado” – e convidou todas as partes a acatá-lo.

O acordo “contribui para a criação de um ambiente propício para retomar as negociações políticas” na Síria, interrompidas no começo de fevereiro, indicou Ban.

O cessar-fogo parcial não será estendido aos esforços internacionais para combater o EI e outros grupos extremistas na Síria, o que dificulta sua realização.

Em setembro passado, a Rússia lançou uma campanha aérea na Síria contra alvos “terroristas”, mas foi acusada de bombardear posições de insurgentes não extremistas.

O Irã também enviou à Síria conselheiros militares, e o movimento xiita libanês Hezbollah deslocou ao menos seis mil homens para lutar ao lado do presidente sírio, Bashar al-Assad.

Aumenta balanço de mortes em atentado duplo

O balanço dos atentados de domingo, reivindicados pelo Estado Islâmico, chega a 200 mortos.

No ataque cometido próximo a um santuário xiita de Sayeda Zeinab, a menos de 10km de Damasco, morreram 134 pessoas, das quais 97 eram civis, segundo o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH). Já na ofensiva orquestrada no bairro Al-Zahraa, de Homs, 64 pessoas faleceram.

O primeiro foi considerado o atentado mais sangrento cometido desde o início da guerra na Síria, em 2011, segundo o OSDH.

Reviravolta de tropas sírias

As tropas de Al-Assad conseguiram avanços expressivos desde o início das incursões aéreas russas, com combates particularmente fortes nas últimas semanas na província de Aleppo. Nesta segunda, porém, seus esforços para tomar a cidade sofreram uma reviravolta.

O EI e outros grupos extremistas cortaram uma rota vital que unia o oeste de Aleppo a outros territórios controlados pelo governo, informou o OSDH.

Se as forças do governo não conseguirem retomar o controle desta via, sua ofensiva na área poderia ser freada.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia