Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Outubro |
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

O papa Francisco pediu o fim da pena de morte. Mas a Igreja não era a favor?

Aleteia Brasil - publicado em 23/02/16

“A misericórdia é o rosto de um homem injustamente condenado à morte”, recorda o cardeal alemão Reinhard Marx

Repercutiu na mídia e nas redes sociais a declaração que o papa Francisco fez ao mundo neste domingo, durante a oração do ângelus na Praça de São Pedro. Ele fez um “apelo à consciência dos governantes a fim de se chegar a um consenso internacional para abolir a pena de morte”.

O Santo Padre não ficou só num apelo genérico e retórico, mas fez uma proposta muito concreta e comprometedora para “começar já”: “Que nenhuma sentença seja executada neste Ano Santo da Misericórdia”.

Mas, afinal, a Igreja não admitia a pena de morte?

Em contextos bastante precisos, admitia. Durante séculos, a Igreja aplicou a esta delicadíssima questão o mesmo princípio que fundamenta o direito à legítima defesa: em casos extremos, não havendo nenhum outro recurso real disponível e estando em grave e iminente risco a vida própria ou de terceiros indefesos, é lícito defender-se mesmo que, para isto, a consequência indesejada seja a morte do injusto agressor. É crucial destacar que o direito à legítima defesa não se restringe à vida do indivíduo, mas da sociedade inteira. Com base nesse mesmo direito, portanto, é lícito a um país ou grupo social defender-se de ataques bélicos externos ou internos, desde que cumpridas as exigências morais para que essa guerra seja sempre um ato de defesa e nunca ultrapasse este limite. A morte do injusto agressor jamais pode ser um fim em si mesma, mas sempre uma consequência indesejada e inevitável do ato legítimo de defender-se.

Era esta lógica, a da “legítima defesa da sociedade”, que justificava, em casos extremos, também a admissão da pena de morte para os criminosos que representassem um perigo muito grave para a vida do próximo e que dessem mostra clara de não querer reabilitar-se.

As palavras do papa Francisco no último domingo, no entanto. se encaixam na nova abordagem que a Igreja tem aplicado à questão, especialmente desde o pontificado de São João Paulo II, arauto fervoroso da defesa da vida humana desde a concepção até a morte natural. A grande ênfase de São João Paulo II na “cultura da vida” contra a “cultura da morte” foi firmemente mantida por Bento XVI e, agora, pelo papa Francisco.

Trata-se de uma “visão integral da vida”, como declarou o cardeal Reinhard Marx, presidente da Conferência Episcopal da Alemanha, ao participar do IX Congresso Internacional de Ministros da Justiça, aberto em Roma nesta segunda-feira, 22 de fevereiro, com o tema “Um mundo sem pena de morte”.

O congresso é organizado pela Comunidade de Santo Egídio, empenhada em promover a abolição da pena de morte durante o Jubileu da Misericórdia. “A misericórdia é o rosto de um homem injustamente condenado à morte“, recordou o cardeal Reinhard, acrescentando: “Eu tenho a profunda convicção de que não existe justiça sem vida”.

O purpurado alemão também falou da necessidade de se renunciar à vingança, que “nunca é solução para nenhum problema político ou social”. Reinhard evocou o discurso do papa nos Estados Unidos, onde Francisco tinha declarado:

“Toda vida é sagrada; toda pessoa humana tem uma dignidade inalienável, e a sociedade só pode se beneficiar com a reabilitação daqueles que são condenados por crimes”.

Para encerrar, o cardeal alemão afirmou que a pena de morte é um fracasso, “pois obriga o Estado a matar em nome da justiça em vez de trabalhar em prol de uma sociedade de misericórdia e de defesa da vida humana”.

Tags:
Papa Franciscopena de morteVida
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
SANDRA SABATTINI
Francisco Vêneto
Primeira noiva em processo de canonização na história foi beatifi...
2
EUCHARIST
Reportagem local
O que fazer se a hóstia cair no chão durante a Missa?
3
Transplante de rins
Francisco Vêneto
Transplante de rim de porco em humanos: a Igreja tem alguma objeç...
4
Pe. Jonas Magno de Oliveira e sua mãe
Francisco Vêneto
Mãe de padre brasileiro se torna freira na mesma família religios...
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa Francisco: “Tenho medo dos diabos educados”
6
As irmãs biológicas que se tornaram freiras no instituto Iesu Communio
Francisco Vêneto
As cinco irmãs biológicas que se tornaram freiras em apenas 2 ano...
7
Don José María Aicua Marín
Dolors Massot
Padre morre de ataque cardíaco enquanto celebrava funeral
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia