Aleteia
Sexta-feira 23 Outubro |
São Paulo Tong Viet Buong
Estilo de vida

20 dicas para o seu primeiro aborto (sim, é isso mesmo que você leu)

David Mills - publicado em 25/02/16

Site feminista tenta tratar do aborto como se fosse “uma limpeza dos dentes”, mas não consegue esconder a realidade

“Depois que você fizer o seu primeiro aborto, vá para casa e faça piadas. Relaxe, conte que ‘hoje você foi matadora’ e dê risada com as suas amigas”.

Este é o conselho de “uma garçonete de Minneapolis”, cujo improvável nome é Madeleine Roe [ndr: Roe versus Wade é o nome do famoso caso judicial que levou à legalização do aborto nos EUA na década de 1970]. É ela quem oferece ao mundo as suas “20 dicas para o seu primeiro aborto”.

As “dicas”, publicadas no site feminista Paper Darts, dizem, por exemplo, que o aborto “não é lá grande coisa” (dica número 4), mas, contraditoriamente, dão a entender que a “conselheira” sabe muito bem que o aborto é “grande coisa” sim, como quando ela recomenda “beber pesado” e, logo no “conselho” seguinte, reitera: “Beba mais um pouco”.

O estilo do texto tenta ser “leve”, mas o conteúdo não consegue esconder o próprio peso insuportável. O bebê que Madeleine Roe nunca menciona assombra o artigo do início ao fim. O bebê que nunca é citado nas 20 “dicas” é o que os estudiosos chamam de “a presença de uma ausência”.

Madeleine Roe escreve na “dica” número 4:

“Agende a consulta. Não se ofenda quando notar que a pessoa ao telefone não está nem aí para você [ndr: a expressão original, em inglês, é mais chula]. Considere essa indiferença como um sinal de que o aborto não é grande coisa. Poderia ser uma limpeza dos dentes. Uma profunda limpeza dos dentes”.

E na “dica” 7:

“Vai custar uns 600 dólares. Considere o custo de criar um filho. Considere o custo daquele ingresso para o show da Beyoncé que você quase comprou. E vá com tudo”.

Pouco depois, na “dica” 10, ela “aconselha”:

“Se você não disser nada, você não vai ver nada durante o ultrassom”.

A propósito, já na “dica” 3, ela tinha recomendado fugir das pesquisas de imagens no Google:

“Evite ver imagens. Qualquer imagem. Mesmo que seja só um print de um desenho animado chamado ‘Olívia, o Ovário’. Elas não vão ajudar você em nada”.

A “dica” 12 é ainda mais gráfica:

“Sabe aquela tigela média que você usa para misturar massa de bolo? Essa tigela vai estar lá no quarto. Ela serve exatamente para o que você está pensando”.

Raramente os abortistas falam tão graficamente sobre a realidade. Estou me referindo àquelas pessoas ideologicamente comprometidas com o aborto. Os abortistas preferem deixar aquela tigela fora da conversa. Eles falam de “direitos”, “escolha” e “empoderamento”, para desviar as atenções de todos para longe da realidade concreta.

Mas quando a “livre, leve e solta” Madeleine Roe aconselha a “beber pesado”, ela revela que os abortistas sabem muito bem que a “coisa” que eles querem eliminar é uma criança.

Você não “bebe pesado” e depois “bebe mais um pouco” depois de uma profunda limpeza dos dentes. Por mais que Madeleine Roe tente manter a criança “invisível” ao longo dos seus “conselhos”, a criança está lá, bem presente, o tempo todo. Madeleine Roe sabe muito bem quem a leitora-alvo enxergaria se olhasse para o ultrassom.

Algumas pessoas podem conseguir se convencer de que a “coisa” não é um bebê humano, porque uma mulher ou um homem podem cauterizar a própria consciência o suficiente para acreditar em qualquer coisa em que quiserem acreditar.

Mas o resto de nós, a grande maioria de nós, sabe que a “coisa” no útero é um menino ou uma menina. Madeleine Roe sabe, mesmo que ela não diga. As mulheres para quem ela está dando seus “conselhos” sabem. Se não, elas não precisariam desse “aconselhamento”.

As “20 dicas” de Madeleine Roe, publicadas num site feminista do tipo “fodão”, deixam claro por que o aborto vai continuar a ser causa de divisão na nossa vida pública, mesmo quando um presidente democrata norte-americano recheia o Supremo Tribunal com seis ou sete juízes “pró-direito de escolha”.

Madeleine Roe provavelmente nunca teve a intenção, e suas editoras feministas menos ainda, mas, ao dar “conselhos” tão gráficos às mulheres sobre o seu “primeiro aborto”, ela reafirmou com clareza o que todo o mundo sabe:

Fazer um aborto é matar uma criança.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
AbortoCultura do descartefeminismomentira
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
nuvens sinais
Reportagem local
Estão sendo fotografados "sinais do céu"?
Extremistas queimam igrejas no Chile
Francisco Vêneto
Por que queimam igrejas: Dom Henrique e Pe. J...
Rosário
Philip Kosloski
Benefícios do Rosário: 3 virtudes que aprende...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia