Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 27 Janeiro |
Santa Angela de Mérici
home iconAtualidade
line break icon

Coreia do Norte dispara projéteis de curto alcance após aprovação de sanções

Agências de Notícias - publicado em 03/03/16

A Coreia do Norte disparou nesta quinta-feira projéteis de curto alcance, na altura de sua costa oriental, indicou o governo sul-coreano, horas após o Conselho de Segurança da ONU endurecer as sanções internacionais contra o regime de Pyongyang.

Seis projéteis, aparentemente com alcance entre 100 e 150 km, foram disparados sobre o Mar do Japão às 10H00 (22H00 Brasília de quarta-feira), segundo o ministério sul-coreano da Defesa.

O porta-voz Moon Sang-gyun revelou que o ministério segue tentando determinar se foram lançados foguetes ou mísseis de curto alcance.

“A Coreia do Sul acompanha qualquer movimento suplementar que o Norte possa fazer”, acrescentou o porta-voz.

Na quarta-feira, o Conselho de Segurança da ONU impôs uma nova série de duras sanções contra Pyongyang após seus últimos testes nuclear e balístico.

A resolução, apresentada pelos Estados Unidos, foi adotada por unanimidade, inclusive pela China, aliada do regime norte-coreano.

O presidente americano, Barack Obama, considerou a decisão como uma “resposta firme, unida e apropriada” ao teste nuclear – o quarto desde 2006 – e a outro de míssil realizados em 6 de janeiro e 7 de fevereiro, respectivamente, em violação às resoluções da ONU.

“A comunidade internacional, que se expressou com uma só voz, enviou a Pyongyang uma mensagem simples: a Coreia do Norte deve abandonar estes perigosos programas e escolher um caminho melhor para seu povo”, acrescentou Obama.

Estas sanções “estão entre as mais duas já adotadas contra um país”, destacou o embaixador britânico, Matthew Rycroft.

O embaixador chinês, Liu Jieyi, estimou que a resolução deve ser “um ponto de partida” para retomar as negociações sobre o desmantelamento do programa nuclear norte-coreano, atualmente em ponto morto.

Pela primeira vez, países membros da ONU deverão inspecionar todas as mercadorias provenientes de, ou com destino à Coreia do Norte.

Também deverão proibir os navios suspeitos de transportar cargas ilegais para a Coreia do Norte de fazerem escala em seus portos.

A resolução também impõe mais restrições às exportações norte-coreanas para limitar a capacidade do regime de financiar seus programas militares. Proíbe as exportações de carvão, ferro, minério de ferro, ouro, titânio e outros minerais da Coreia do Norte.

As sanções incluem ainda o fornecimento de combustível para aviões e foguetes.

Segundo a embaixadora americana, Samantha Power, Pyongyang recebe 1 bilhão de dólares anuais com a exportação de carvão e 200 milhões vendendo seu minério de ferro.

Por outro lado, os Estados membros da ONU deverão expulsar os diplomatas norte-coreanos envolvidos em contrabando ou qualquer outra atividade ilegal.

Relógios de luxo, motos, embarcações e outros artigos de luxo não podem ser vendidos à Coreia do Norte, uma medida que se dirige à elite de Pyongyang.

Duras negociações

As negociações entre os Estados Unidos e a China duraram sete semanas para chegar a um acordo sobre o pacote de sanções, mas o impacto real das medidas depende em grande parte de como Pequim as implementará.

A China teme que exercer mais pressão sobre o regime possa causar o seu colapso e criar o caos na sua fronteira.

As negociações sobre um aumento das sanções coincidiram com o anúncio da Coreia do Sul e dos Estados Unidos de planos para implantar um novo sistema de defesa antimísseis na península coreana.

A China, e em menor grau a Rússia, “vão encontrar, como sempre, rachaduras”, para evitar a plena aplicação das sanções da ONU, afirma Roberta Cohen, uma especialista em Coreia do Norte do Brookings Institution.

Mas Pequim “avalia a evolução das fortes alianças militares entre os Estados Unidos, Coreia do Sul e Japão e percebe que não pode continuar no caminho atual”, acrescenta.

O Departamento do Tesouro americano, por sua vez, anunciou sanções contra duas entidades e dez pessoas vinculadas ao programa norte-coreano, enquanto o Departamento de Estado acrescentou três entidades e dois indivíduos à sua lista negra de sancionados.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
2
Pe. Robson de Oliveira
Reportagem local
Processo contra pe. Robson está arquivado definitivamente, notici...
3
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
4
READING
Gelsomino Del Guercio
3 regras fundamentais para os leitores da missa
5
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
6
ROSARY
Reportagem local
Exorcista alerta sobre os perigos de "falar" com os mortos
7
Jérôme Lejeune
Francisco Vêneto
Descobridor da Síndrome de Down está em processo de beatificação
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia