Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quinta-feira 21 Outubro |
São Bertoldo de Parma 
Aleteia logo
home iconReligião
line break icon

Cardeal Pell, os abuso e a mentalidade a mudar

Andrea Tornielli - publicado em 04/03/16

Mais sombras inquietantes emergem do passado e relatam sempre a mesma história

Enquanto o merecido sucesso do filme “Spotlight” reacendia os holofotes sobre a triste história da cobertura recebida, por décadas, pelos padres pedófilos seriais, na diocese de Boston, uma das mais importantes dos EUA, o Cardeal George Pell, “ministro da economia” do Vaticano, continuava seu depoimento à distância, diante da Royal Commissiondo Governo Australiano.

Nas últimas horas, novas notícias do exterior: um relatório do júri afirmava que o bispo emérito de Altoona-Johnstown, Joseph V. Adamec, e seu antecessor, James J. Hogan, cobriram os abusos sofridos por menores nos últimos quarenta anos. Crimes de ao menos cinquenta sacerdotes ou religiosos teriam sido sistematicamente escondidos para proteger a imagem da Igreja.

Mais sombras inquietantes emergem do passado e relatam sempre a mesma história, a mesma que vai para o ar na videoconferência com a Royal Commission Australiana: bispos que sabiam e calaram, para não aumentar o escândalo. Padres pedófilos seriais transferidos de paróquia em paróquia, sem que os que deviam pará-los o fizessem.

Uma capa de silêncio, de cumplicidade, de geral subestimação. E o que é pior, uma total falta de sensibilidade com as vítimas destes “sacrifícios diabólicos”, como os definiu, sem meios termos, dias atrás, o Papa Francisco, no voo de retorno do México.

Ora, até agora, não apareceu nenhuma “pistola fumegante” contra o Cardeal Pell. Não há testemunhos irrefutáveis das quais emerja que o homem chave das finanças do Vaticano tivesse conhecimento dos abusos cometidos pelo padre pedófilo serial Gerald Ridsdale, e do fato que este viesse acobertado pelo bispo de Ballart, Ronald Austin Mulkearns.

Pell, como sacerdote e colaborador de Mulkearns, tomou parte numa reunião em 1982, durante a qual foi decidida a transferência, pela sexta vez, do pedófilo Ridsdale, mas continuou a sustentar que estava ao escuro das verdadeiras razões da transferência, porque o bispo as teria reservado para si.

“Não tinha razões para suspeitar do mal que Ridsdale perpetrava”, afirmou o Cardeal, suscitando reações indignadas das vítimas, “não tinha conhecimento das razões da transferência”. Os juízes da Royal Commission, a respeito disso, não parecem muito propensos em acreditar, e afirmam que “Pell não podia não saber”: afirmação que permanece fraca do ponto de vista jurídico.

Pell, que jurou sobre a Bíblia de dizer toda a verdade, repete de não ter tido conhecimento das responsabilidades de Ridsdade e, até agora, não apareceram evidências capazes de desmenti-lo.

Estes fatos e estas acusações não eram ignoradas pela Santa Sé. Não é mistério que Bento XVI tivesse chamado o purpurado australiano de Sidney para Roma já em 2010, como Prefeito da Congregação para os Bispos, o dicastério que colabora com o Papa na nomeação dos bispos das dioceses.

Mas, por causa destes fatos, foi colocado o canadense Marc Oullet, pois mesmo sem acusações comprovadas e precisas contra Pell, isto complicaria de qualquer jeito seu papel de selecionar novas hierarquias para a Igreja católica. A ausência até agora, de responsabilidades precisas não torna menos desconfortável o quadro, e vai bem além da pessoa do Cardeal Pell. Mais uma vez estamos diante de uma realidade tremenda.

Estamos diante de bispos, que como no caso de Mulkearns, e agora dos dois prelados estadunidenses, colocados sob acusação pelo grande júri, pois ao invés de proteger as vítimas – meninos e meninas inocentes, violados na alma, “consumidos”, selados por toda vida com pesos insustentáveis – protegeram os carnífices, permitindo que continuem com seus atos imundos.

É conhecido e repetido, nestas horas, que a Igreja tomou consciência do fenômeno, com bastante atraso, mas fez uma limpeza. Isto é verdade com relação a normas, a leis. Bento XVI, que como Cardeal teve que engolir alguns sapos, impossibilitado de agir, devido cobertura oferecida pela corte wojtyliana (o caso Maciel docet), depois de tornar-se Papa, estabeleceu uma legislação de emergência. Deste ponto de vista, como instituição, a Igreja católica, que embora nunca tenha tido a triste exclusividade, nem o triste primado sobre este problema, agiu com firmeza e determinação.

Mas tem mais coisas. Tem o que emergiu nos acontecimentos destes dias, que vai além da responsabilidade ou falta de responsabilidade pessoal deste ou daquele prelado. As leis e as normas não são suficientes, se não mudar a mentalidade. Se os bispos não compreenderem que devem ser e comportar-se como pais, antes de tudo com relação às vítimas.

Se não compreenderem que o bom nome da Igreja não se salva escondendo, minimizando, dissimulando. Salva-se agindo, colocando os acusados em situação de não mais causarem danos, enquanto esperam a verificação das acusações. Salva-se demonstrando paternidade, proximidade, acolhimento, assistência às vítimas e às suas famílias.

Não basta citar estatísticas, para afirmar que a maior parte dos abusos sobre menores ocorre na família e que o fenômeno, de todos os modos, interessa transversalmente tantas diferentes comunidades religiosas. O Papa Ratzinger, atraindo as críticas, até então submersas, de muitos que se diziam “ratzingerianos”, teve a coragem de mostrar o vulto de uma Igreja “penitencial”, consciente de que o mais grave e terrível ataque contra ela vinha de dentro, do pecado em seu interior, e não dos ataques externos.

Que a mentalidade ainda não mudou e que há muito trabalho ainda a ser feito, o demonstram os fatos de crônica. Para ficar na Itália, onde o clericalismo é mentalidade radicada e onde se gostaria de fazer crer que o fenômeno quase não existe, basta citar o caso ocorrido no último mês de dezembro – não dezembro de 1970! – numa diocese do Sul e divulgado nos jornais locais.

Um padre foi abordado pela polícia italiana com um jovem no carro. Descobriu-se que os abusos aconteciam há anos e que o sacerdote havia apresentado há muito tempo as demissões da paróquia. Foram divulgadas interceptações telefônicas nas quais se ouve o bispo, consciente das acusações e das investigações, tranquilizando o padre. É verdade, as normas existem. É preciso bispos que as apliquem.

(Vatican Insider / IHU)

Tags:
Abusos SexuaisCardeaispedofiliasacerdotes
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
VENEZUELA
Ramón Antonio Pérez
Quando a vida surge do abuso atroz a uma jovem deficiente
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
COMMUNION
Philip Kosloski
Oração ao seu anjo da guarda antes de receber a comunhão
4
Carlo Acutis
Gelsomino Del Guercio
“Ele fechou os olhos sorrindo”: foi assim que Carlo Acutis morreu
5
Reportagem local
A bela lição que este menino deu a todos ao se aproximar do Papa
6
São José
Francisco Vêneto
Padre irmão de piloto de avião partido em dois: “São José tem mui...
7
Aleteia Brasil
O segredo da cidade bósnia onde jamais houve um divórcio
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia