Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Julho |
São Botvido
home iconAtualidade
line break icon

Sudão do Sul aceita que combatentes estuprem mulheres como forma de pagamento, denuncia ONU

Agências de Notícias - publicado em 11/03/16

O Sudão do Sul permite que os combatentes estuprem mulheres como forma de pagamento, denunciou a ONU nesta sexta-feira, descrevendo a situação dos direitos humanos naquele país em guerra como “uma das mais horríveis” do mundo.

O país mais jovem do mundo enfrenta “uma das situações de direitos humanos mais horríveis do mundo, com o uso em massa dos estupros como instrumento de terror e arma de guerra”, declarou o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra’ad Al Hussein, em um relatório que cobre o período de outubro de 2015 a janeiro de 2016.

“A escala e o tipo de violências sexuais – que geralmente são cometidas pelas forças governamentais do Exército Popular de Libertação do Sudão e por suas milícias afiliadas – são descritos com detalhes terríveis, assim como a atitude – quase casual, mas calculada – daqueles que massacraram civis e destruíram bens e meios de subsistência”, acrescentou o Alto Comissário.

Para a ONU, “os atores estatais têm a maior responsabilidade pela violência cometida em 2015, diante do enfraquecimento das forças da oposição”.

O relatório afirma que o governo realiza uma “política de terra queimada” e explica que, “segundo fontes confiáveis, as autoridades permitem que grupos aliados estuprem mulheres como forma de pagamento”, seguindo o princípio de “façam o que puderem e tomem o que quiserem”.

O Sudão do Sul, que se tornou independente do Sudão em julho de 2011 após décadas de conflito com Cartum, encontra-se afundado em uma guerra civil desde dezembro de 2013, quando o presidente Salva Kiir acusou seu ex-vice-presidente, Riek Machar, de querer derrubá-lo.

Mais de 2,3 milhões de pessoas precisaram abandonar seus lares e dezenas de milhares morreram devido ao conflito e às atrocidades cometidas por ambos os grupos.

“Ataques deliberados contra civis”

Os combates entre o exército regular e diferentes grupos rebeldes prosseguem, embora em agosto de 2015 tenha sido assinado um acordo de paz. Os grupos rebeldes, que frequentemente têm interesses locais, não se sentem sujeitos a acordos escritos.

O relatório da ONU contém relatos sobre civis, incluindo crianças e deficientes físicos, que foram assassinados, queimados vivos, asfixiados em contêineres, executados, pendurados em árvores ou cortados em pedaços.

“Diante da amplitude, da profundidade e da gravidade das acusações, da repetição e das similaridades observadas no modo de operação, o informe conclui que existem motivos razoáveis para crer que estas violações podem ser consideradas crimes e guerra e/ou crimes contra a humanidade”, disse o Alto Comissário da ONU.

Segundo as Nações Unidas, “a grande maioria das vítimas civis não parecem ser resultado dos combates, mas de ataques deliberados contra civis”.

“Cada vez que o controle de uma zona passa de uma autoridade para outra, as novas autoridades deslocam a maior quantidade possível de civis, com base em seu pertencimento étnico”, indica o texto.

O Alto Comissário pede a criação – como prevê o acordo de paz assinado em agosto de 2015 – da “Corte Híbrida”, encarregada de investigar e julgar os responsáveis por crimes desde o início da guerra civil. Caso contrário, recomenda que o caso seja apresentado ante o Tribunal Penal Internacional (TPI).

Em outro relatório publicado nesta sexta-feira, a Anistia Internacional denunciou a morte em outubro de 2015 no Sudão do Sul de 60 adultos e crianças, pelas mãos de soldados pró-governamentais, que os deixaram morrer asfixiados em um contêiner.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia