Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 20 Setembro |
home iconAtualidade
line break icon

Existe algum partido político que representa de verdade os católicos?

Francisco Vêneto - publicado em 17/03/16

Na Itália, não existia nenhum. Mas surgiu o “Popolo della Famiglia”, para “oferecer representação a quem foi traído pelos parlamentares”

Massivas, históricas e decididas manifestações pró-família tomaram conta das ruas da Itália ao longo de 2015 e 2016 em reação aos avanços da chamada ideologia de gênero nas escolas do país.

Como acontece frequentemente no universo paralelo da política, porém, o clamor das ruas foi solenemente ignorado e desprezado pelo senado da Itália, que, pressionado por lobbies, decidiu equiparar as uniões civis homossexuais ao matrimônio natural entre um homem e uma mulher que, indissoluvelmente e por amor, se comprometem entre si e com a abertura de si mesmos à concepção e à criação dos próprios filhos.

Imediatamente após este passo, os lobbies ideológicos já avançaram para as suas próximas metas: legalizar a adoção de crianças por qualquer um dos assim chamados “arranjos familiares”, incluindo pessoas solteiras e parceiros do mesmo sexo; agilizar mais ainda o divórcio, tornando o compromisso matrimonial cada vez mais superficial e inconsequente; e levar adiante nada menos que quatro projetos de lei para liberalizar a eutanásia.

O clamoroso desprezo político pela vontade popular, no entanto, levou a uma reação católica.

Gianfranco Amato, presidente dos Juristas pela Vida e um dos organizadores das manifestações pró-família no país, e Mario Adinolfi, redator-chefe do jornal católico “La Croce” (“A Cruz”), anunciaram o nascimento do partido político “Povo da Família” – em italiano, “Popolo della Famiglia” (a pronúncia é “Pópolo de la Familha”).

Adinolfi é explícito: “A Itália precisa dos católicos”.

Ele diz que o Popolo della Famiglia, porém, vai além dos limites confessionais e pretende “oferecer representação a todos aqueles que são constantemente traídos no parlamento pelo voto de ‘representantes’ que ignoram as exigências concretas manifestadas com clareza pela população”. E exemplifica, entre essas manifestações, o protesto massivo de 30 de janeiro de 2016, em Roma, contra a equiparação entre as uniões civis e o matrimônio natural. Adinolfi ainda aproveita para desmascarar hipocrisias: “Alguns [dos políticos que depois votaram a favor dessa equiparação] tinham até estado presentes na manifestação…”.

O comunicado de lançamento do Popolo della Famiglia faz aberta referência à “ajuda de Deus e ao olhar benevolente de Nossa Senhora”. Adinolfi reafirma que o partido não quer esconder a sua “clara inspiração” nem a sua evidente “raiz cultural” católica. E destaca, diante de uma sociedade laicista e intolerante, disfarçada justamente de “tolerante”:

“Nós não temos vergonha de pedir a ajuda de Deus. Eu espero que isto não escandalize as pessoas!”.

A propósito de “tolerância”, Mario Adinolfi avisou que “cada insulto aumenta dez vezes as nossas energias” e relatou:

“Pessoalmente, eu recebo milhares [de insultos] por dia, já que decidi me expor nas redes sociais sem filtros e aceitando toda crítica e ataque. E vieram ataques pesadíssimos, inclusive contra a minha família, contra a minha filhinha que só tem cinco anos!”.

Por outro lado, quando o Popolo della Famiglia tornou público e oficial o seu compromisso político, “as ofensas recebidas foram até menores”, conta ele. “Já os incentivos vieram de milhares de pessoas, que já se disseram decididas a colaborar”.

Trata-se, afinal, de algo raro, talvez inexistente, no cenário político atual: um partido com uma proposta católica explícita. Adinolfi confirma: o fato é “único na paisagem política dos partidos de hoje, todos sem entusiasmo. Nós despertamos muitíssimo entusiasmo em poucas horas (…) Eu acredito que [nas eleições de junho na Itália] nós vamos sorrir por ter dado esperança e futuro a um povo que não tem nenhuma vontade de se resignar”.

Tags:
CasamentoFamíliaIgreja CatólicaPolíticaVida

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
BEATRIZ
Reportagem local
Mistério do sumiço de uma mulher em Aparecida já dura 9 anos
2
Pe. Zezinho
Reportagem local
Pe. Zezinho faz alerta sobre orações de cura e libertação
3
Orfa Astorga
Os erros mais comuns das sogras
4
Berthe and Marcel
Lauriane Vofo Kana
O segredo do casal que tem a união mais longa da França
5
Papa Francisco
Francisco Vêneto
Papa reafirma: casamento sacramental é só entre homem e mulher
6
Exorcista padre Gabriele Amorth
Gelsomino Del Guercio
Os assombrosos diálogos entre o diabo e um exorcista do Vaticano
7
Aleteia Brasil
O dia em que os cães farejadores detectaram Alguém vivo no Sacrár...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia