Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quarta-feira 08 Dezembro |
Imaculada Conceição de Nossa Senhora
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Iraque lança ofensiva para recuperar Mossul das mãos do EI

Agências de Notícias - publicado em 24/03/16

O Iraque anunciou nesta quinta-feira que lançou uma ofensiva para reconquistar Mossul, em poder do grupo Estado Islâmico (EI), uma batalha que se anuncia longa e difícil.

Mossul é o principal alvo da campanha para recuperar o controle dos territórios conquistados pelo EI a partir de 2014.

O exército e seus aliados “deram início a primeira fase das operações de conquista” na província de Nínive, informou em um comunicado o comando iraquiano das operações conjuntas.

Várias localidades situadas a cerca de 60 km de Mossul já foram “libertadas”, acrescenta o comunicado.

A operação é realizada pelo exército e as unidades de mobilização popular (coalizão de milícias principalmente xiitas), com o apoio da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos.

Mossul, 350 km ao norte de Bagdá, tornou-se a capital do EI no Iraque, depois que foi tomada em junho de 2014.

As autoridades anunciaram em várias ocasiões o lançamento iminente da ofensiva para recuperar o controle da cidade, que acabou sendo adiado repetidamente.

No final de 2015, o primeiro-ministro Haider al-Abadi comprometeu-se a livrar o país do EI ainda no ano de 2016. Ele acrescentou que o “golpe final” seria a libertação de Mossul.

As operações de reconquista desta cidade permitiram recuperar o controle das cidades de Tikrit, ao norte de Bagdá, em março de 2015, e de Ramadi (oeste), em dezembro.

Tranquilizar a população

A reconquista da província de Nínive e da cidade de Mossul se anuncia longa e complexa, segundo os especialistas, porque trata-se de uma vasta região onde se concentra a maior parte das forças do EI.

Inicialmente, parte da população de Mossul, majoritariamente sunita, sentiu-se aliviada com a chegada dos extremistas, que provocou a fuga dos policiais xiitas acusados ​​de cometer abusos.

Mas não tardou para a população local se ver atemorizada pelos extremistas, que multiplicaram as decapitações públicas, apedrejamentos e crucificações.

As pessoas “têm medo do Daesh, mas também daqueles que virão para libertar Mossul”, afirmou à AFP Salim al-Jubouri, presidente do parlamento e dignitário sunita, usando o acrônimo em árabe que designa o grupo terrorista.

Em fevereiro, o exército iraquiano instalou na base de Makhmour uma estação de rádio chamada “As-Sanduq” para manter as pessoas informadas sobre os combates e a situação no terreno.

“O objetivo é tranquilizar as pessoas, dizer que estarão livres do Daesh”, segundo o sargento Salem Mahmoud, responsável pela operação da estação de rádio.

Na luta contra o EI no norte do Iraque também estão ativamente envolvidos os combatentes peshmergas curdos da região autônoma do Curdistão.

Um líder peshmerga, Araz Mirkhan, informou à AFP que “as forças iraquianas de Makhmour começaram a se mover em direção a Al-Qayara, ao sul da cidade de Mossul”.

“O avanço permitiu libertar quatro ou cinco povoados nas mãos dos terroristas do Daesh”, acrescentou.

O EI, que reivindicou os atentados de terça-feira em Bruxelas (31 mortos e 300 feridos), também controla várias zonas na Síria. Entre elas a cidade de Palmira (centro), na qual entraram nesta quinta-feira as forças pró-regime, apoiadas pela aviação russa.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia