Aleteia logoAleteia logoAleteia
Quinta-feira 02 Dezembro |
São Cromácio de Aquileia
Aleteia logo
Religião
separateurCreated with Sketch.

Oração e paz: confirmado novo encontro dos líderes das grandes religiões mundiais

Aleteia Brasil - publicado em 30/03/16

Em setembro: a exemplo do histórico encontro de 1986, a nova jornada quer responder com a paz e o diálogo a um tempo de guerra e de ódio

Já se vão quase 30 anos: em 27 de outubro de 1986, em plena Guerra Fria, o papa São João Paulo II convidou os líderes das grandes religiões mundiais a rezarem pela paz no mundo em Assis, a cidade do poverello São Francisco, aquele santo que fascina católicos e não católicos e que um dia pediu a Deus:

“Onde houver ódio, que eu leve o amor (…) Onde houver guerra, que eu leve a paz”.

Outros grandes encontros ecumênicos e inter-religiosos se sucederam àquele primeiro, histórico e assombroso, porque, afinal, o caminho para a paz é longo, e outros ainda virão – sem demora, aliás: de 18 a 20 de setembro, a cidade mais famosa da história franciscana receberá dois dias de mesas redondas e uma jornada de oração com os líderes religiosos do mundo inteiro, e, junto com eles, como informa o pe. Mauro Gambetti, Custódio do Sacro Convento de Assis, estão convidados também os políticos, os representantes da ciência e da cultura, os agentes de paz e todos os homens de boa vontade. “Quem quiser, venha para Assis!”, convida ele.

O encontro inter-religioso de setembro está sendo organizado pelos franciscanos, pela Comunidade de Santo Egídio e pela diocese de Assis.

Nele, prossegue o pe. Mauro, serão feitas duas perguntas em especial:

  • Quais são os princípios reconhecidos por todas as religiões para a coexistência pacífica?
  • Qual é a contribuição que a política, a ciência e a cultura em geral podem propor para definir um conjunto de diretrizes focadas na convivência humana?

“Diante da violência furiosa”, continua o Custódio do Sacro Convento, “as religiões devem dar ao mundo uma mensagem convergente. A política deve fazer o esforço de traçar a rota rumo à justiça e à paz entre os povos, combinando cada projeto com a sustentabilidade ambiental (…) Acreditamos que a via de Assis, a via da fraternidade humilde, traçada por São Francisco e vivida nas estradas do mundo ainda antes de ser vivida nos conventos, é a resposta a ser dada”.

A histórica iniciativa de 1986

O encontro inter-religioso de 1986 foi convocado por São João Paulo II por ocasião do Ano Internacional da Paz, proclamado pela ONU, e teve grande repercussão na opinião pública mundial.

Eram principalmente duas as intenções do santo papa polonês:

  • ressaltar a dimensão espiritual da paz diante de uma cultura “que tende a relegar o fenômeno religioso”
  • fazer os líderes religiosos encararem a sua responsabilidade na tarefa de ajudar as crenças pessoais e comunitárias a “se traduzirem numa construção efetiva da paz”, recordando que “a religião é frequentemente instrumentalizada como elemento de conflito”.

São João Paulo II queria demonstrar que é possível o diálogo baseado na experiência religiosa sem se cair no relativismo nem no sincretismo. Ele mesmo explicou, naquele inesquecível 27 de outubro de 1986: não se trata de “um consenso religioso” nem de “negociar as nossas convicções de fé”, nem que “as religiões se conciliem num projeto terreno comum que ultrapasse todas elas” – e este último aspecto tinha importância capital, porque, como comentou o cardeal Bertone em retrospectiva, o relativismo e o sincretismo destroem a especificidade da experiência religiosa em vez de valorizá-la.

Em 2002, uma resposta de paz ao 11 de setembro

O encontro inter-religioso seguinte aconteceu em 24 de janeiro de 2002, convocado novamente por São João Paulo II após os atentados de 11 de setembro de 2001 nos Estados Unidos. A proposta era eliminar o perigo de um confronto erroneamente religioso com o islã e deixar claro que todas as religiões condenam o terrorismo fundamentalista, além de reforçar o compromisso de “não se deixar instrumentalizar pelos enfrentamentos entre nações, povos e culturas”.

2011: Bento XVI dá continuidade ao diálogo

Em 27 de outubro de 2011, com o tema “Peregrinos da verdade, peregrinos da paz”, o papa Bento XVI retomou as iniciativas de Assis incorporando algumas novidades: por exemplo, foi a primeira vez em que participaram do encontro personalidades que se apresentam como não crentes.

Críticas incoerentes

São João Paulo II, Bento XVI e Francisco já foram tachados de blasfemos, hereges e até apóstatas por organizarem esses encontros focados no diálogo entre as religiões, como se o diálogo em si representasse alguma blasfêmia, heresia ou apostasia. Se essas críticas extremistas e incoerentes servem para algo, é basicamente para exemplificar a urgência desse diálogo.

Tags:
DiálogoEcumenismoPapa FranciscoPaz
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia