Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sábado 31 Outubro |
Beato Domingos Collins
home iconAtualidade
line break icon

A Igreja ao lado dos novos mártires em nome da terra

Vatican Insider - publicado em 31/03/16

Honduras não é um país para ambientalistas, com os seus 101 assassinatos de ativistas "verdes" entre 2010 e 2014

Os últimos episódios que tiveram repercussão internacional são aqueles que ocorreram em Honduras, o país da América Central onde a defesa do ambiente e dos povos indígenas se tornou um tema arriscado. No dia 3 de março, foi assassinada Berta Cáceres, 42 anos, líder indígena conhecida internacionalmente pelo seu compromisso em favor dos direitos das populações locais e pela proteção dos rios e da terra; depois, no último dia 15 de março, outro ativista, amigo de Cáceres, Nelson García, de 38 anos, também foi morto a tiros.

Ambos eram defensores e, de certa maneira, representantes da etnia Lenca, a população indígena predominante em Honduras, e faziam parte do COPINH, o Conselho das Organizações Populares e Indígenas de Honduras. A morte de Berta Cáceres, que recebeu em 2015 o prestigioso Glodman Prize pelo seu compromisso com a defesa do ambiente, causou polêmica em nível internacional.

A Santa Sé, por sua vez, pediu “uma investigação imparcial e independente para estabelecer a verdade” sobre o incidente.

Quem tinha se expressado nesse sentido, com uma carta dirigida aos amigos e aos familiares de Cáceres, datada de 15 de março, foi o cardeal Peter Turkson, presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz. “O meu desejo – afirmava o cardeal – é que seja realizada uma investigação independente e imparcial em relação ao que aconteceu, a fim de jogar luz sobre esse horrendo crime o mais rápido possível e que seja protegida a integridade física das testemunhas, dos amigos e dos familiares da vítima”. Uma intervenção não ritual e, por isso, particularmente significativa da Santa Sé.

O motivo desse posicionamento era explicado pelo próprio Turkson na carta. “Pessoalmente – explicava o cardeal – eu tive a sorte de conhecer Berta durante o Encontro Mundial de Movimentos Populares, celebrado em Roma em 2014. Naquela ocasião, eu pude conhecer pessoalmente o seu extraordinário trabalho em defesa da ‘nossa irmã Terra’ e pela reafirmação dos direitos dos povos originários.”

“O seu testemunho – continuava o cardeal – pronunciado diante do Santo Padre Francisco na Aula Velha do Sínodo nos comoveu profundamente. A notícia do seu assassinato me enche de tristeza, e eu a sinto como um ataque contra todos aqueles que lutam por um mundo mais justo em que haja terra, um teto e um trabalho para todos, com um ambiente saudável e uma convivência pacífica entre os povos.”

“Rezo a Deus – concluía o presidente do Pontifício Conselho Justiça e Paz – que proteja todos aqueles que defendem a Mãe Terra e os direitos sagrados dos povos, como ensina o Magistério do Papa Francisco, confirmo a minha proximidade e oração para que o Senhor os console neste momento de dor. E, como disse o nosso Santo Padre, ‘que a voz dos excluídos seja ouvida na América Latina e em todo o mundo!’.”

Nos últimos dias, depois, o cardeal Óscar Rodríguez Maradiaga, arcebispo de Tegucigalpa e um dos colaboradores mais próximos do papa, também denunciou o fato de que “essa líder do movimento camponês foi assassinada covardemente como muitos outros”. Em um documento divulgado pela Cáritas local – em que, em referência ao homicídio de Cáceres, ele fala explicitamente de “mártires” – é renovado o pedido de uma investigação imparcial sobre “o assassinato” e se apela à comunidade internacional para que expresse ao governo a sua preocupação com a ausência de garantias para os defensores dos direitos humanos em Honduras.

Especificamente, deve-se lembrar que Berta Cáceres, que foi objeto de repetidas ameaças e alertas, dirigia um movimento de protesto indígena na comunidade de Río Blanco, contra a construção da gigantesca usina hidrelétrica de Agua Zarca, no Rio Gualcarque, no noroeste do país. Uma obra que teria causado um forte impacto sobre o ecossistema, privando até de água diversas centenas de famílias indígenas.

Toda a operação foi conduzida sem o consentimento das populações locais, em violação aos acordos e convenções internacionais. Em geral, a questão da privatização dos recursos hídricos e da terra pelo governo, através da intervenção de consórcios industriais multinacionais ou estrangeiros, esteve no centro de graves conflitos políticos em Honduras, o país que exibe um triste primado: o do maior número de mortes violentas de defensores do ambiente e dos povos originários.

Com base nos dados divulgados pela ONG “Global Witness”, Honduras não é um país para ambientalistas, com os seus 101 assassinatos de ativistas “verdes” entre 2010 e 2014, enquanto que, apenas em 2014, seriam 116 em todo o mundo as vítimas mortas por motivos ligados à defesa do ambiente.

Por outro lado, ressalta o relatório, nada menos do que ¾ dos homicídios ocorreram na América Central e do Sul, e 40% das vítimas pertencem a etnias indígenas. Por fim, salienta-se que a maior parte das violências, de algum modo, estão ligadas a eventos que dizem respeito à construção de usinas hidrelétricas, à exploração mineral sem regras dos territórios e ao desenvolvimento intensivo da agricultura. Fenômenos que provocam conflitos e mortes em toda a América Latina.

O cardeal brasileiro Claudio Hummes, ex-arcebispo de São Paulo, falou nos últimos dias em um congresso em Buenos Aires por ocasião do Dia Mundial da Água (22 de março). Hummes denunciou o desmatamento sistemático e uma atividade de mineração sem controle, eventos que estão colocando em risco a sobrevivência de regiões inteiras da América Latina e do planeta. Depois, lembrou que, na encíclica Laudato si’, o papa defende que “o acesso à água potável é um direito humano fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, consequentemente, é condição essencial para o exercício dos outros direitos humanos”.

(Vatican Insider)

(IHU)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
Morte
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Brasileira Simone Barreto Silva é vítima de ataque terrorista na catedral de Nice
Reportagem local
Brasileira é vítima no ataque terrorista na c...
Reportagem local
França: atentado na basílica de Notre Dame em...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Pe. Robson de Oliveira
Francisco Vêneto
Defesa desmente Fantástico, da TV Globo, em n...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia