Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Sexta-feira 15 Janeiro |
Santo Arnoldo Janssen
home iconAtualidade
line break icon

EUA reorganizarão forças armadas para enfrentar novas ameaças

AFP

<p>(23 set) Avião militar americano retorna de uma missão contra jihadistas</p>

Agências de Notícias - publicado em 06/04/16

As forças armadas dos Estados Unidos devem rever sua organização para melhorar a resposta às ameaças de magnitude mundial, entre elas o grupo Estado Islâmico (EI) – declarou o secretário americano da Defesa, Ashton Carter, nesta terça-feira.

Carter propôs a revisão da lei Goldwater-Nichols, de 1986. Essa lei estrutura a organização das forças armadas, assim como suas relações com o poder político.

Esta “nova” organização passaria pelo reforço da influência do chefe do Estado-Maior das Forças Armadas frente aos poderosos comandos regionais, como os do Oriente Médio, da Ásia-Pacífico e da Europa.

O combate contra o EI mostrou que “os comandos do Oriente Médio, da Europa, da África e das Operações Especiais deveriam coordenar seus esforços mais do que nunca”, disse Carter, em um discurso no Center for Strategic and International Studies (CSIS), um “think tank” de Washington.

Competências como logística, Inteligência e planejamento seriam compartilhadas entre os comandos regionais e o Estado-Maior, para eliminar sobreposições.

Além disso, o chefe do Estado-Maior Conjunto terá o poder de fazer recomendações na hora de discutir os recursos a serem destinados aos diferentes comandos. Permanecerá, porém, sem qualquer poder operacional direto.

Com cerca de 4.000 militares sob sua responsabilidade, o chefe do Estado-Maior Conjunto continuará sendo, de qualquer maneira, o principal assessor militar do presidente dos EUA, que se mantém fora da cadeia de comando.

Também em conferência no CSIS, o senador republicano John McCain disse nesta terça-feira que a estratégia de “escalada gradual” utilizada pela coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos para lutar contra o EI no Iraque e na Síria é equivocada e pode levar o país a uma derrota similar à sofrida na guerra do Vietnã, na década de 1970.

Em carta dirigida a Ashton Carter, McCain lembrou que, embora a coalizão tenha infligido algumas derrotas ao EI, os extremistas controlam amplas faixas de território desses dois países.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fáti...
UNPLANNED
Jaime Septién
Filme contra o aborto arrasa nas bilheterias ...
BABY BAPTISM
Padre Reginaldo Manzotti
Por que é tão importante batizar uma criança?
Deserto de Negev
Francisco Vêneto
Pedra de 1.400 anos com inscrição mariana é e...
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens pode...
Reportagem local
Papa Francisco: cuidado com os cristãos que s...
POPE JOHN PAUL II
Philip Kosloski
"Não tenhais medo": a frase mais usada por Sã...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia