Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 24 Janeiro |
São Vicente Pallotti
home iconAtualidade
line break icon

Merkel pede defesa das fronteiras externas da UE para impedir 'nacionalismos'

AFP

<p>A chanceler alemã Angela Merkel e o primeiro-ministro iraquiano Haider al-Abadi se cumprimentam durante coletiva de imprensa em Berlim, no dia 6 de fevereiro de 2015</p>

Agências de Notícias - publicado em 06/05/16

A chanceler alemã, Angela Merkel, reconheceu nesta quinta-feira, em Roma, que a União Europeia (UE) deve defender “suas fronteiras externas, do Mediterrâneo ao Polo Norte, porque, senão, veremos voltar os nacionalismos” que marcaram a história no século XX.

Merkel está em visita de dois dias à Itália e ao Vaticano.

Na coletiva de imprensa conjunta com o chefe do governo italiano, Matteo Renzi, Merkel disse acreditar que este é o maior “desafio para o futuro da Europa”.

Os dois líderes também discutiram a crise migratória que agita a Europa e reconheceram que existe uma “forte convergência” sobre a necessidade de resolver o problema com um enfoque nos “valores humanos e na dignidade humana”.

“Devemos respeitar a dignidade” dos migrantes e “compartilhar as obrigações”, porque “não é possível fechar as fronteiras”, defendeu Merkel.

Uma Europa “fortaleza” é “absurda”, mas “se quisermos convencer nossos concidadãos da nossa capacidade para lhes oferecer um sentimento de segurança, temos de exercer um controle efetivo das nossas fronteiras exteriores”, ressaltou, pouco depois, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Tusk deu essas declarações durante um debate sobre o futuro da Europa no emblemático Capitólio de Roma, onde foi firmado o Tratado de Roma em 1957, junto com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, e o presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz.

‘Migration Compact’

Renzi assegurou, por sua vez, que Itália e Alemanha “estão em total acordo” em fornecer uma estratégia para a África, origem da maioria dos migrantes que chegam à Itália. Ele anunciou que vão trabalhar em conjunto “com a mesma filosofia” que inspirou o acordo entre UE e Turquia, a fim de impedir o fluxo constante de refugiados entre Grécia e Alemanha.

“Sobre os migrantes, considero importante a proposta italiana, chamada ‘Migration Compact’. Temos os mesmos princípios, mas ideias diferentes sobre os instrumentos para financiá-la”, salientou Merkel, rejeitando a proposta de criação de “Eurobonds” para financiar os países em desenvolvimento africanos.

Para Renzi, “devemos investir na África”.

Ele lembrou que a Itália “é a favor de uma estratégia de longo prazo que favoreça o desenvolvimento, que leve trabalho (ao continente) e que deve ser liderada pela União Europeia”.

O principal objetivo do plano é chegar a um acordo com a Líbia semelhante ao assinado com a Turquia.

O primeiro-ministro italiano também condenou fortemente a decisão da Áustria de construir uma cerca ao longo de sua fronteira com a Itália, na chamada passagem de Brenner, para evitar a entrada de migrantes.

“Eu sou completamente contra. É uma decisão equivocada, absurda e injustificada”, afirmou Renzi, que a rejeitou por “ser contra a história”.

O anúncio da Áustria provocou reações iradas na Itália, aonde, estima-se, que 26.000 migrantes chegaram desde o início do ano.

A Itália junto com a Grécia é um dos países da UE mais afetados pela crise migratória, a pior desde a Segunda Guerra Mundial.

A crise migratória também será abordada na sexta-feira com o papa Francisco, durante a cerimônia oficial para a entrega do Prêmio Carlos Magno ao pontífice por sua “contribuição para a unidade europeia”.

Antes da cerimônia, Merkel, uma protestante, vai-se reunir pela quarta vez com o Papa no Vaticano.

O papa argentino é extremamente sensível à questão da migração e certamente irá abordar o tema no discurso que pronunciará ao receber a distinção das mãos de Merkel, Juncker, Schulz e Tusk.

A Europa atravessa “uma fase muito delicada”, advertiu Merkel, que teme sofrer da “síndrome Maia”, referindo-se ao misterioso desaparecimento da civilização da Mesoamérica, um dos maiores mistérios da história.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
Larry Peterson
Ela se divorciou duas vezes, teve 8 filhos, virou freira e levou ...
2
Aleteia Brasil
5 milagres que a ciência tentou, mas nunca conseguiu explicar
3
FETUS
Francisco Vêneto
Abortos no mundo em 2021 já superam mortes por covid em toda a pa...
4
Aleteia Brasil
O testemunho de São Sebastião, o soldado mártir do Império Romano
5
Aleteia Brasil
Na íntegra: as três partes do Segredo de Fátima - e uma interpret...
6
FAMILY PRAY
Philip Kosloski
Oração para manter as crianças longe do perigo
7
Daniel Neves e Nossa Senhora dos Rins
Francisco Vêneto
Nossa Senhora dos Rins e a devoção de um menino que pede a graça ...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia