Aleteia logoAleteia logoAleteia
Segunda-feira 29 Novembro |
São Saturnino de Cartago 
Aleteia logo
Atualidade
separateurCreated with Sketch.

Necessário, somente o necessário

Projeções de Fé - publicado em 06/05/16

Uma reflexão espiritual a partir do filme"Mogli – O menino lobo"

Sinopse:Inspirado no livro de Rudyard Kipling, o filme conta a história de Mogli, um menino que foi criado por lobos e vive na selva, rodeado de animais selvagens como um urso e uma pantera negra, seus amigos. Tudo muda quando o tigre Shere Khan quer se vingar de Mogli e passa a ameaçar a todos para conseguir realizar seu desejo.

A moda dos filmes live-action (versões com atores e cenários reais de animações) parece ter ganhado os estúdios de Hollywood. Depois das versões de Alice nos País das Maravilhas (2010 e 2016), de Malévola e de Cinderela (2015), a Disney chega com Mogli: o Menino Lobo (The Jungle book) com grande sucesso de público e críticas.

Não é que o sucesso de público/crítica de um filme seja parâmetro para nós cristãos. Deadpool é recheado de palavrões e também foi amplamente aclamado. Nosso critério é, sobretudo, a capacidade de um filme unir qualidade de produção e valores morais. No caso da versão live-action de Mogli, podemos dizer que temos as duas coisas.

O primeiro ponto a se destacar é a fotografia e os efeitos especiais do filme. É de se ficar pasmo pela quantidade de cenas belas que o filme apresenta. A cada minuto que passa você leva um susto (no sentido positivo) pela qualidade dos cenários escolhidos, o cuidado com as cores, as sombras a iluminação e os efeitos mágicos que nos tiram da real possibilidade de um menino ser criado numa floresta e nos levam para o universo fabuloso de animais falantes.

Outro ponto a se destacar é a interpretação do novato Neel Sethi, que vive o Menino Lobo. Que figura carismática! Neel não só foi fiel ao carisma do Mogli no desenho original como fez algo digno de um verdadeiro ator: fez com que em determinados momentos realmente acreditássemos que tal história seria possível. Fez o que um verdadeiro artista faz quando nos faz duvidar se a fantasia é a realidade ou a realidade é fantasia. Enfim, tudo contribui para você ir ao cinema pelo menos para ver essa criança trilhar tão bem o caminho de um ator profissional. Os animais que contracenam com Neel (feitos de animação CGI fotorrealista) também são bem credíveis e principalmente carismáticos.

Outro destaque a ser levado em conta é a dublagem do filme. Como muitos amantes da sétima arte, não sou muito fã de filmes dublados. Resolvi, porém, dar uma chance, visto que esse filme é voltado para o público infantil e seria difícil encontrar uma sessão legendada. Para a minha surpresa a dublagem está excelente. Aliás, nem sei se ao assistir o filme novamente optarei pela versão legendada. O áudio ambiente, as falas, tudo está bem realista e criterioso. Vale a pena abdicar da versão legendada dessa vez.

Agora o ponto alto do filme são os valores morais nele apresentados. Os créditos por esse ponto, aliás, podem ser dados ao diretor Jon Favreau que, seguindo à risca os últimos Live-Action da Disney, preferiu manter os valores apresentados na versão original deste que, por si, já é um clássico.

Nesse filme podemos ver boas lições de generosidade (ex. na cena em que Mogli usa seus dons para salvar o elefante em apuros), de sacrifício (ex. a cena em que Baloo renuncia à amizade com Mogli para salvá-lo), de respeito às leis e tradições, da importância da família e da sociedade, etc. Seria possível tranquilamente levar um grupo jovem ou um grupo de catequese para o cinema e fazer um bom debate sobre tudo o que é comum à nossa conduta moral nesse filme.

Por fim, fiquei encantado por eles terem mantido inclusive o tema “carpe diem” do filme: “necessário, somente o necessário, o extraordinário é demais…”. O urso Baloo canta essa música tentando ensinar um estilo de vida diferente para Mogli. Não há porque criticá-lo. Como acontece na maior parte dos casos, a própria vida ensina que o necessário não é suficiente.A vida exige atos de doação e sacrifício. E nesse quesito, o urso bonachão soube muito bem o que fazer.

Ficha técnica:

Gênero: Aventura
Direção: Jon Favreau
Roteiro: Justin Marks
Elenco: Allan Trautman, Andy Serkis, Ben Kingsley, Bill Murray, Brandon Henschel, Christopher Walken, Emjay Anthony, Giancarlo Esposito, Idris Elba, Lupita Nyong’o, Neel Sethi, Sara Arrington, Scarlett Johansson
Produção: Brigham Taylor
Trilha Sonora: John Debney
Duração: 111 min.
Ano: 2016
País: Estados Unidos
Estreia: 14/04/2016 (Brasil)
Distribuidora: Disney
Estúdio: Walt Disney
Classificação: Livre
Informação complementar: Adpatação do livro de Rudyard Kipling, que ganhou animação pela Disney em 1967.

Trailer

(via Projeções de Fé)

Tags:
Cinema
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia