Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Segunda-feira 19 Abril |
São Leão IX
home iconReligião
line break icon

A Igreja é contra o impeachment?

AFP

Francisco Vêneto - publicado em 12/05/16

A Igreja católica tem sido “acusada” por alguns de ser contra o que outros a acusam, ao mesmo tempo, de favorecer

Ao longo dos últimos meses, assim como ao longo de todos os meses de todos os anos de todos os séculos, a Igreja católica tem sido “acusada” por alguns de ser contra o que outros a acusam, ao mesmo tempo, de favorecer.

No Brasil, a Igreja é acusada até hoje de ter sido a favor da implantação do comunismo ao mesmo tempo, nos mesmos locais e pelos mesmos motivos que outros a acusam de ter sido a favor da ditadura militar. Basicamente, cada grupo ideológico interpreta as coisas do jeito que quer, tira conclusões do jeito que prefere e sai afirmando categoricamente que a sua versão é a única verdadeira, sem se importar de modo intelectualmente honesto com aquilo que a Igreja disse ou fez na totalidade dos fatos.

A polêmica da vez, no país, tem sido o processo de impedimento de Dilma Rousseff.

Afinal, a Igreja é contra ou a favor?

Há setores e pessoas da Igreja claramente favoráveis ao impeachment e outros claramente contrários – assim como houve setores e pessoas da Igreja claramente favoráveis à implantação do comunismo e outros claramente favoráveis à ditadura militar. Ou assim como há setores e pessoas do mundo político, do mundo jurídico, do mundo acadêmico, do mundo artístico, do mundo esportivo e do mundo empresarial que são claramente contrários ou favoráveis a uma coisa ou à outra. Acontece que “setores e pessoas” representam uma parte, não uma totalidade. Portanto, a opinião de setores e pessoas da Igreja representa precisamente a opinião de setores e pessoas da Igreja, não a opinião da Igreja. Embora muita gente o negue a todo custo, existe na Igreja amplo espaço para a liberdade de consciência e de escolha em quaisquer assuntos de natureza contingente.

E que raio é isso? Contingente é tudo aquilo que é circunstancial, que é relativo a certo contexto, a certo espaço, a certo tempo. Pessoas e setores da Igreja podem opinar em assuntos contingentes, mas a Igreja, como instituição, não se manifesta de modo determinante a respeito deles porque as afirmações determinantes da Igreja são feitas em matéria de doutrina e de princípios morais, e não em matéria contingente.

Por exemplo: a Igreja afirma, de modo determinante, que a corrupção não apenas é crime, como também é pecado mortal – porque, além de contrariar diretamente o mandamento de não roubar, a corrupção também contraria uma infindável gama de preceitos e princípios morais ligados à justiça, à caridade, à temperança… No entanto, a Igreja não faz nenhuma afirmação determinante sobre o tipo de punição que deve ser aplicado a quem rouba. Ela se atém, mesmo nisto, aos princípios básicos de justiça, caridade, temperança, misericórdia, defendendo critérios morais, derivados do Evangelho de Cristo, que devem orientar as autoridades legitimamente estabelecidas a tomarem a decisão prática pertinente a tal punição (que deve ser voltada a regenerar o culpado e não apenas constituir uma “vingança” contra ele). Se a punição concreta pelo delido de roubo vai ser um período de reclusão, o pagamento de multa ou uma advertência por escrito é coisa que não cabe à Igreja determinar – embora ela possa e deva se manifestar caso uma determinada sentença das autoridades instituídas afronte a moral objetiva, seja por constituir abuso, seja por favorecer a impunidade.

Este é o caso, também, no processo de impedimento contra Dilma Rousseff. Não se trata de doutrina nem de um princípio moral em si mesmo. Trata-se de uma decisão concreta que cabe a instituições concretas da nação brasileira, legitimamente estabelecidas, as quais devem julgar acusações concretas, baseadas em fatos concretos, conforme os critérios concretos que foram definidos lícita e validamente por artigos concretos da legislação em vigor.

O que cabe à Igreja neste contexto? Cabe à Igreja pronunciar-se sobre os princípios morais que devem reger essa decisão das instituições brasileiras. E os princípios morais que a Igreja defende no tocante à justiça política e social estão descritos e explicados no Catecismo da Igreja Católica e na Doutrina Social da Igreja, além de aprofundados em uma vasta gama de documentos disponíveis no site oficial da Santa Sé – inclusive no seu idioma, caro leitor. Cabe aos setores e pessoas da Igreja – inclusive a você – conhecer essas diretrizes, que são muito claras.

O que não cabe à Igreja é tomar o lugar das autoridades laicas na decisão sobre assuntos contingentes, assim como não cabe às autoridades laicas tomar o lugar da Igreja em decisões sobre assuntos de doutrina e de moral.

“Ah, mas no caso do aborto a Igreja se intromete nas decisões das autoridades laicas!”.

Não, ela não se intromete, nem se trata de uma decisão que caiba apenas à autoridade laica: o aborto não é um assunto contingente porque consiste no assassinato de uma pessoa humana, o que é questão não só doutrinal, mas também, e obviamente, de moral objetiva, além de questão científica e não “sociológica”, como comumente se acha que seja. Logo, a Igreja tem o dever de se manifestar explicitamente, o que não é nem “intrometer-se” nem suplantar a autoridade laica.

Já um processo de impeachment presidencial é uma contingência do âmbito institucional de uma nação. Setores e pessoas da Igreja têm o direito de opinar livremente a título pessoal ou setorial – mas não de opinar institucionalmente em nome da Igreja, a quem cabe, reitere-se, apresentar os princípios morais que devem garantir o discernimento imparcial de cada um.

“Ah, mas que sem graça, eu queria que a Igreja dissesse ‘sim’ ou ‘não’, meu!”.

Pois que sem graça você: use você o seu discernimento, que para isso você conta com todas as orientações e diretrizes morais da Igreja. Dá trabalho, sim. Exige esforço, sim. Tem que estudar, sim. Tem que pensar, sim. Mas está tudo à sua disposição: vá atrás! É exatamente porque milhares de milhões de “católicos” não fazem o seu trabalho e o seu esforço de estudar e de pensar que o mundo chega, ano sim, ano também, a tantas situações deploráveis como a que gerou esta crise. Impeachment para a sua preguiça intelectual, católico!

Tags:
IgrejaPolítica
Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
1
KRZYŻYK NA CZOLE
Beatriz Camargo
60 nomes de bebês que carregam mensagens poderosas
2
MIGRANT
Jesús V. Picón
O menino perdido no deserto nos convida a refletir
3
Ordenação sacerdotal
Francisco Vêneto
Ex-testemunha de Jeová será ordenado padre católico aos 25 anos
4
BENEDICT XVI
Reportagem local
Em nova e extensa biografia, Bento XVI desmascara o atual “...
5
MARY, CRUSH, SNAKE
Desde la Fe
10 poderosas armas para lutar contra o demônio
6
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
7
SPANISH FLU
Bret Thoman, OFS
Como o Padre Pio encarou a pandemia de gripe espanhola
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia