Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Receba diretamente no seu email os artigos da Aleteia.
Cadastrar-se

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Ex-namorado(a): manter a amizade ou afastar-se definitivamente?

Compartilhar

Critérios a levar em conta na hora de decidir como reconstruir a vida sem a pessoa que já esteve ao seu lado

Eles fazem parte da nossa história e, por motivos diversos, seguem para caminhos diferentes. Mas será possível manter uma amizade sadia com o ex-namorado (a)? Ou o melhor é se afastar definitivamente da pessoa?

Para a psicóloga clínica Cristiane M. Maluf Martin, a amizade acontece na minoria dos casos, já que o término do namoro não acontece em comum acordo.

“Quando um relacionamento chega ao fim e um dos dois não concorda, é difícil aceitar a situação sem tentar, pelo menos por um tempo, retomar a relação. Essa insistência pode vir através de telefonemas desesperados jurando amor eterno, perseguição nas redes sociais, cenas de humilhação etc. Isso porque geralmente as pessoas que não aceitam o término são extremamente imaturas, pois não aceitam a realidade e não se colocam no lugar do outro”, conta Cristiane.

Isso significa que, enquanto uma parte está reconstruindo sua vida, a outra está vivendo de memórias, o que torna a amizade entre essas pessoas inviável. Sendo assim, o clima agradável está descartado.

No que diz respeito à relação com a família do ex – já que na maioria dos casos nos tornamos próximos dos pais, irmãos, tios etc. – a orientação é esperar as emoções se acalmarem, pois a separação é sofrida para ambas as partes. Nessa hora os sentimentos se confundem, e isso vale também para os familiares e se a relação chegou ao fim com mágoas, brigas e traições, provavelmente o vínculo será desfeito.

Mesmo passado um tempo do término, se uma das partes não consegue superar, a orientação da psicóloga é desfazer totalmente qualquer vínculo. “Até para liberar o outro em possíveis relações futuras”, diz.

Para que a situação não se torne ainda mais desagradável, é fundamental que ambos se valorizem e encarem a situação com maturidade. Para que a pessoa se conheça melhor e aprenda a lidar com suas frustrações muitas vezes será necessário buscar ajuda profissional e terapêutica. Para Cristiane, isso ajudará a tornar o fim do relacionamento menos sofrido, além de ajudar na melhoria da autoestima.

 

(via Sempre Família)

São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.