Aleteia
Terça-feira 27 Outubro |
São Fulco
Atualidade

Chavistas e opositores se enfrentam por referendo revogatório na Venezuela

AFP PHOTO/JUAN BARRETO

VENEZUELA, Caracas : Members of the National Guard stand outside the Cuban embassy during a protest against the government of Venezuelan President Nicolas Maduro in Caracas on February 25, 2014. Angry Venezuelan students geared up to stage a fresh rally on Tuesday, the latest in three weeks of anti-government protests that have left at least 14 people dead. TOPSHOTS/AFP PHOTO/JUAN BARRETO

Agências de Notícias - publicado em 10/06/16

Partidários da oposição e do chavismo se enfrentaram nesta quinta-feira, em Caracas, quando os primeiros se dirigiam à sede do organismo eleitoral para pedir a ativação de um referendo revocatório do mandato do presidente Nicolás Maduro.

A briga – que incluiu socos e pedradas – ocorreu nas imediações do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), no centro de Caracas, onde 150 opositores, entre eles trinta deputados, chegaram exigindo planilhas para a coleta de assinaturas.

Em meio à troca de insultos, os governistas (meia centena instalados diante da entrada principal do CNE) lançaram pedras contra os opositores, desencadeando um confronto que deixou vários feridos.

Os simpatizantes da oposição também responderam com pedradas e enfrentaram os governistas com socos, levando à mobilização pela Guarda Nacional de um cordão que os separou momentaneamente, antes de os chavistas o romperem, obrigando seus adversários a se dispersar.

O líder da bancada opositora na Assembleia Legislativa, Julio Borges, foi atacado por militantes chavistas, que o socaram, chutaram e atingiram com um cano. O político saiu ensanguentado.

Perto do CNE se localiza a sede do Parlamento – controlado pela oposição -, cujos arredores foram militarizados para evitar que a revolta se estendesse a este setor.

“Apesar da emboscada madurista, expedimos o documento que exige que o CNE entregue os formatos para iniciar a coleta de assinaturas” destinadas a reativar o referendo, escreveu no Twitter o secretário-executivo da coalizão Mesa da Unidade Democrática (MUD), Jesus Torrealba.

No início da noite, o membro do CNE Luis Emilio Rondón informou que o Conselho Eleitoral confirmará a validade das assinaturas pedindo o referendo revogatório entre os dias 20 e 24 de junho.

Rondón destacou que a presidente do CNE, Tibisay Lucena, anunciará nesta sexta-feira “todos os detalhes correspondentes à próxima fase”.

O presidente Maduro culpou a oposição pelos confrontos e ameaçou prender todos os “provocadores”.

“Condeno a violência ocorrida hoje no centro de Caracas, produto da ação da direita, e peço ao povo que não ceda às provocações”, disse Maduro durante uma manifestação diante do Palácio Presidencial em apoio aos programas sociais do governo.

Maduro – que enfrenta uma onda de protestos devido a profunda crise que afeta a Venezuela – reafirmou que a oposição quer gerar uma “espiral de violência nas ruas” para derrubá-lo, e exortou seus partidários a manter a calma porque o país “vai seguir em paz, apesar deles”.

“Mas que ninguém se engane, há vagas suficientes nas prisões para todos os provocadores de direita e não vou vacilar para fazer cumprir a Constituição e as leis da República”.

A oposição impulsiona esta consulta e uma emenda constitucional que encurte o mandato de Maduro (2013-2019), além de mobilizações populares.

O referendo revocatório pode ser ativado na metade do período de Maduro, completada este mês, e para ser convocado são necessárias as assinaturas de 20% dos eleitores, quase quatro milhões.

Líderes opositores esperavam que o CNE publicasse na quarta-feira o mapa do caminho do referendo, depois de ter sido anunciado na terça-feira que, das 1,8 milhão de assinaturas, 1,3 milhão são válidas, seis vezes mais que as 200.000 exigidas por lei para ativar a consulta.

Segundo as pesquisas, de seis a sete em cada dez venezuelanos é favorável a uma mudança de governo. Para revogar o mandato de Maduro, a oposição precisa de mais de 7,5 milhões de votos, com os quais foi eleito em 2013 após a morte de Hugo Chávez.

A discussão sobre o referendo ocorre tendo como pano de fundo uma crescente tensão social e protestos que se tornaram cotidianos, diante do agravamento da escassez de alimentos e remédios e da alta do custo de vida. A inflação é a mais alta do mundo: 180% em 2015 e o FMI prevê 700% para o encerramento deste ano.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
SAINT MICHAEL
Philip Kosloski
Oração a São Miguel por proteção contra inimi...
São Padre Pio de Pietrelcina
Oração de cura e libertação indicada pelo exo...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia