Aleteia

5 passos cruciais para mães que querem voltar ao trabalho

Donnie Ray Jones
Compartilhar
Comentar

Ficar um tempo em casa após a maternidade não precisa acabar com sua carreira. Estas dicas de especialistas que passaram por isso vão ajudá-la (e sua família) a voltar ao mercado

 

Voltar a trabalhar depois de ficar um tempo em casa pela maternidade – tendo passado dois anos ou doze – é uma transição surpreendentemente difícil para a maioria das mulheres. É difícil até para as mães com carreiras já bem sucedidas e habilidades muito bem formadas. Existem lacunas no currículo e ajustes no estilo de vida que tornam o caminho árduo.

Já existem as habituais complicações dos cuidados com as crianças, além dos dilemas dos pais: quem vai pegar as crianças depois da escola, quem vai levá-las ao ao treino e à aula de música, quem vai ajudar com a lição de casa? Mas na maior parte do tempo existem soluções práticas, e tudo pode ser planejado.

Mas e sobre as outras questões que as mamães que ficam em casa precisam enfrentar? Começando com: como encontrar um emprego? Como saber se é o trabalho certo? Como me ajustar ao trabalho tendo ficado ausente tanto tempo? Em resumo: como fazer isso?

Felizmente, muitas mulheres já navegaram nestas águas, e você pode se beneficiar da sabedoria e do auxílio delas. O caminho pode não ser tão perfeito quanto todas nós gostaríamos que fosse. Mas algumas regras simples (e algumas respirações profundas) podem certamente ajudá-la a ganhar confiança e a habilidade que você precisa para voltar a trabalhar fora. Seu retorno ao mercado de trabalho pode ser uma bela aventura.

Passo 1: redija seu currículo

Uma das partes mais desanimadoras do pensar em voltar a trabalhar fora pode ser o currículo. Houve um tempo em que o seu currículo estava atualizado e cheio de realizações, mas agora há alguns espaços vazios relacionados a alguns (ou muitos) anos. Como explicar o tempo passado e o que fizemos?

Para tirar o foco das lacunas do seu histórico profissional, a especialista em carreiras Nicole Williams sugere a criação de “um currículo mais funcional do que cronológico: o foco será dado em suas habilidades e conquistas, ao invés de em datas precisas de seus empregos. Crie subtítulos como: ‘experiência em marketing’, ‘experiência em vendas’ e, em seguida, liste suas realizações”.

Isso permite que você coloque no currículo a sua experiência profissional e também quaisquer outros projetos de consultoria, voluntariado, serviços eventuais e freelancer com os quais possa ter trabalhado durante o tempo de maternidade e cuidados com as crianças.

Rick Gills, escritor de Salary.com, diz que as mulheres que estiveram por um tempo fora do mercado de trabalho devem precisam “fazer um balanço” de suas realizações.

“Tire um tempo para refletir bem sobre tudo que você tem feito para cuidar, orientar e educar os seus filhos”, Gills escreve. Quantas de vocês acabaram se tornando mais amorosas, generosas, corajosas, dedicadas, empreendedoras, esforçadas e responsáveis… Isso sem falar na maturidade, realização e beleza que só a maternidade trazem a uma mulher. Você percebe como muitos empregadores estão buscando perfis como o seu?

Passo 2: reconheça o seu valor

Sim, você deve saber se valorizar em termos de salário. Mas há também o valor integralizado, que é aquele que você leva para a empresa como mulher e mãe.

Carla Barnhill, editora sênior do Sparkhouse Family, diz: “Uma das grandes vantagens de ser uma mãe que trabalha é que somos o público-alvo para praticamente tudo que está sendo produzido, comprado ou vendido, de modo que o que ganhamos em nossas experiências como mães pode ser um grande trunfo em nossas vidas de trabalho. Não tenha medo de trazer essas experiências e opiniões com você!”.

Passo 3: esteja aberta ao “retorno”

Embora se imagine que você possa voltar onde parou – em um trabalho semelhante com um salário parecido –, isso nem sempre acontece. Como mães em reinserção ao mercado de trabalho, pode ser necessário mudar a sua visão do que o seu próximo trabalho deve ser.

Quando Susan Corvino tentou voltar ao trabalho, por exemplo, ela abriu a mente para uma nova maneira de pensar, “menos como uma profissional de meia-idade e mais como uma estagiária de meia-idade”. Isso abriu possibilidades para ela, possibilidades que ela poderia não ter considerado assumir: o que ela chamou de “retorno”. Estes eram projetos de curto prazo para os amigos, o início, que aos poucos se transformaram em longo prazo e, finalmente, em tempo integral.

Embora o movimento possa não ser tão rápido como gostaríamos, ele fornece oportunidades para reforçar nossos currículos e decidir apenas o que nós queremos fazer. Deixar os amigos e ex-colegas de trabalho saberem que você está interessada e disponível para trabalhos baseados em projetos pode ser um primeiro passo perfeito.

Passo 4: alimente suas redes

Felizmente, existem novos recursos online para as mulheres que desejam voltar ao mercado de trabalho. Après, um “Linkedin” para as mulheres que saíram da força de trabalho, foi desenvolvido com o objetivo de dar oportunidades para mães. O site oferece “conteúdo inspirador, ferramentas para efetuar com êxito o período de transição, listas de empregadores e mercado de trabalho diversificado”.

A co-fundadora da Après, Jennifer Gefsky, uma ex-advogada da Major League Baseball, percebeu que, quando tentou voltar ao trabalho após a maternidade, apenas lhe eram oferecidos cargos de nível de entrada.

Parte do que Après espera fazer é ajudar as mulheres a “alimentar” suas redes profissionais, mesmo quando saem um pouco de cena, algo que Carla Barnhill pensa ser fundamental para uma reentrada bem sucedida.

“Eu diria também que qualquer que seja a sua área, certifique-se de ter ficado pelo menos um pouco em sintonia sobre aquele campo”, diz Barnhill. “Saber quais são as principais empresas e oportunidades, ficar ciente de mudanças na tecnologia ou sistemas, perceber tendências, esse tipo de coisa. Isso realmente me ajudou a voltar a trabalhar em tempo integral, ter sido intrometida enquanto eu estava em casa, junto com a exploração de outros interesses”.

Passo 5: mude suas expectativas

Se você chegou até aqui na lista, você sabe que o retorno ao trabalho não vai ser fácil. Diz Barnhill: “eu tive que deixar um monte de coisas – casa por limpar, jantares por fazer, voluntariado… hoje me basta estar em casa quando meu filho mais novo chega da escola. Eu não estava completamente preparada para ver como essas pequenas mudanças afetariam a minha sensação de me sentir capaz e competente”.

Mas, por outro lado, Melinda Schmidt argumenta que é preciso olhar o lado positivo: “Quando a mãe sai de casa para o trabalho, nós realmente precisamos fazer das ‘responsabilidades’ uma infelicidade?”, ela pergunta.

Tente reenquadrar a sua atitude, respondendo a estas duas perguntas: “O que acrescentará ao seu lar ter uma mãe que trabalha? Quais são os desafios que virão quando a mãe sai de casa, e como essas tarefas podem ajudar todos os membros da família a amadurecer?”, pergunta Schmidt.

Para ter toda a família dentro dessas mudanças – grandes e pequenas – Barnhill sugere falar com todos com antecedência, a fim de reorganizar o fluxo doméstico.

“Isso pode significar renegociar algumas tarefas e funções para definir novas expectativas sobre o tempo”, diz Barnhill.

Ela ajuda a lembrar que não importa o quanto você esteja preparada, voltar ao trabalho será uma grande mudança, e isso levará tempo para se ajustar. Lembre-se que mesmo que você tenha ficado fora da força do mercado por alguns anos, você ainda é você. E você tem muito a oferecer, seja no escritório, no seu home office  ou em casa.

LEIA MAIS: Imperdível – ser mãe é um plus!

Boletim
Receba Aleteia todo dia