Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Receba o nosso boletim

Aleteia

A história do humilde pedreiro que se compadeceu ao ver que fetos abortados eram jogados no lixo

Photo credit: Zing
Compartilhar

Ele decidiu encontrar um lugar para enterrar os fetos, e ainda começou a ajudar as mulheres em dificuldades a não abortar

No mundo existem muitos heróis anônimos. No Vietnã está um deles. Seu nome é Tong Phuoc Phuc. Sua missão: salvar a vida de dezenas de bebês. Ele é pai de mais de cem crianças que, sem ele, nunca teriam nascido.

Reprodução/YouTube

Tudo começou em 2001, sua esposa estava grávida e teve muitas complicações. O parto foi difícil, e Phuc conta que enquanto aguardava no hospital sua esposa se recuperar, viu que muitas mulheres entravam grávidas na sala de parto mas saiam sem nenhum bebê.

A princípio ele não entendeu, mas quando viu os médicos jogando os fetos no lixo, se deu conta do que estava acontecendo. Ele se compadeceu e então pediu para levar esses corpos.

Reprodução/Facebook

Phuc juntou suas economias e comprou uma pequena área para poder enterrar os corpos dos bebês que eram descartados após o aborto. No começo, sua esposa pensou que ele tivesse enlouquecido, mas ele continuou fazendo isso. Hoje já são mais de 10.000 fetos abortados que aí descansam.

Reprodução/YouTube
Reprodução/YouTube

Desde que ele começou a enterrar os corpos, mães pós-abortivas começaram a vir até o cemitério para rezar pelos filhos aí sepultados, e grávidas em risco de aborto começaram a procurar por ele para pedir ajuda.

Phuc abriu as portas da própria casa para que essas gestantes tivessem onde ficar e se ofereceu a adotar os bebês que elas não quisessem. Desde então, ele adotou mais de cem bebês que seriam abortados e conseguiu que, com o tempo, muitas dessas mães voltassem para buscar os filhos quando se encontrassem em melhores condições.

tong phuoc phu6b
Reprodução/YouTube

Todos os bebês que Phuc adota, se são meninos, tem o nome de Vihn (que significa “Honra”), e se são meninas, são chamadas de Tam (que é “Coração”); o segundo nome é sempre o da mãe ou da cidade de origem dela – caso a mãe retorne; e o sobrenome é Phuc, que é o dele, pois ele considera todos como seus próprios filhos. Ele diz que “essas crianças agora têm um lar seguro. Eu estou disposto a ajudar e a ensiná-las a serem boas pessoas”.

tong phuoc phu3a
Reprodução/YouTube

Apesar de parecer cansativo, Phuc não pensa em parar. Ele declarou que “continuarei a fazer esse trabalho até meu último suspiro de vida, e encorajo meus filhos a continuarem ajudando outras pessoas desprivilegiadas.”

Confira algumas fotos da página oficial de Phuc no Facebook:

Via: http://www.actuall.com/solidaridad/empezo-enterrando-fetos-abortados-y-ahora-tiene-adoptados-a-100-ninos-la-bonita-historia-de-tong/ 

http://www.semprefamilia.com.br/umaandarilha/ele-comecou-enterrando-fetos-abortados/