Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Domingo 09 Maio |
home iconAtualidade
line break icon

Luto no Iraque após atentado do EI que matou mais de 200 pessoas

<p>Policiais iraquianos verificam destruição causada por atentado com carro-bomba na rua Palestina, em Bagdá, em 2 de novembro de 2014</p>

Agências de Notícias - publicado em 04/07/16

O Iraque presta homenagem nesta segunda-feira às mais de 200 pessoas que morreram no domingo em um atentado em Bagdá reivindicado pelo grupo Estado Islâmico (EI), um dos mais violentos da história do país.

As autoridades anunciaram nesta segunda-feira um balanço atualizado de 213 vítimas fatais. No domingo, o número de mortos era de 119.

O balanço transforma este em um dos ataques mais graves na história do Iraque, um país que sofre há muitos anos com atentados contra locais de grande público, como centros comerciais, mercados ou mesquitas.

O atentado deixou em evidência mais uma vez a incapacidade do governo iraquiano de aplicar medidas de segurança eficazes.

O primeiro-ministro, Haider al-Abadi, que visitou o local do ataque no domingo, decretou luto nacional de três dias e prometeu “punir” os responsáveis.

O atentado foi executado por um combatente do EI que detonou um carro-bomba em uma rua do bairro comercial de Karrada. O local estava lotado, com pessoas que faziam compras para a festa que marca o fim do Ramadã, o mês de jejum muçulmano.

O atentado também deixou mais de 200 feridos, informou o governo. O balanço aumentou consideravelmente porque a explosão provocou incêndios em prédios e lojas próximas.

Hussein Ali, um ex-soldado de 24 anos, contou à AFP que seis funcionários de uma loja que pertence a sua família morreram no atentado.

“Vou voltar ao campo de batalha. Ao menos lá eu sei quem é o inimigo e posso combatê-lo. Mas aqui não sei contra o que tenho que lutar”, disse.

Extremistas sob pressão no IraqueO atentado foi reivindicado pelo EI, que indicou em um comunicado que um homem-bomba iraquiano atacou os xiitas, a comunidade muçulmana majoritária no Iraque e considerada herege pelos radicais sunitas.

O ataque também demonstra que o EI tem a capacidade de cometer ações devastadoras em pleno centro de Bagdá, apesar das derrotas militares sofridas no Iraque nos últimos meses, com a perda de cidades como Tikrit, Ramadi e sobretudo Fallujah, que foi reconquistada em junho pelas forças iraquianas.

O primeiro-ministro Al-Abadi, criticado por ser incapaz de proteger os civis, anunciou no domingo uma mudança nas medidas de segurança, entre elas a retirada dos detectores de explosivos considerados ineficazes.

Também ordenou ao ministério do Interior que acelere a mobilização de um dispositivo para inspecionar veículos em todas as entradas de Bagdá, por onde passam a cada dia milhares de caminhões e carros particulares.

No domingo, os habitantes de Bagdá demonstraram sua revolta atirando pedras na direção do comboio de Al-Abadi, que disse compreender os “sentimentos de emoção, tristeza e raiva”.

O atentado de Bagdá foi condenado pela comunidade internacional, incluindo o enviado da ONU para o Iraque, Jan Kubich, que o chamou de “ato covarde e odiosos de proporções sem precedentes”.

“O ataque não faz mais que reforçar nossa determinação de apoiar as forças de segurança iraquianas”, afirmou o porta-voz do Conselho Nacional de Segurança dos Estados Unidos, Ned Price.

Washington lidera a coalizão internacional que realiza a cada dia ataques aéreos contra posições do EI. Esta ofensiva permitiu às forças iraquianas retomar parte dos territórios perdidos em 2014 e avançar até Mossul, a segunda maior cidade do país e último grande reduto do EI.

Os extremistas também estão sob pressão na Síria, onde perdem terreno no norte e leste, mas ainda conservam importantes territórios como a cidade de Raqa, que virou a “capital” do EI.

(AFP)

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • Aleteia é publicada diariamente em sete idiomas: inglês, francês,  italiano, espanhol, português, polonês e esloveno
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Top 10
1
Bebê anjo
Reportagem local
“Tchau, papai”: as últimas palavras que Maurício ouvi...
2
Sangue de São Januário ou San Gennaro
Francisco Vêneto
Milagre do sangue de São Januário volta a ocorrer em Nápoles
3
Monsenhor Jonas Abib, fundador da Canção Nova
Reportagem local
Fundador da Canção Nova, monsenhor Jonas Abib é diagnosticado com...
4
ARGENTINA
Esteban Pittaro
Polícia interrompe missa de Primeira Comunhão ao ar livre
5
CANDLELIGHT PROCESSION AND ROSARY
Elizabeth Zuranski
A oração escondida no fim da Ave-Maria
6
ELDERLY,WOMAN,ALONE
Aleteia Brasil
O pe. Zezinho e a mãe que espera há 30 anos, sem sucesso, pelo pe...
7
Sangue de São Januário ou San Gennaro
J-P Mauro
Vídeo mostra a última liquefação do sangue de São Januário
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia