Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Newsletter Aleteia: uma seleção de conteúdos para uma vida plena e com valor. Cadastre-se e receba nosso boletim direto em seu email.
Registrar

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia

Santa Maria Goretti, mártir da castidade… aos 11 anos de idade!

Santa Maria Goretti, o filme
Compartilhar

O Amor mais forte que a morte: uma história de arrependimento e conversão contada em música

L’Amore Più Forte” (“O Amor Mais Forte“) é uma belíssima canção composta e interpretada pelo sacerdote alemão pe. Albert Gutberlet. Trata-se de uma meditação sobre o testemunho heroico de pureza da mártir italiana Santa Maria Goretti, que, resistindo a uma tentativa de estupro, foi esfaqueada e morta aos 11 anos de idade, em 1902. A pequena grande santa foi canonizada em 1950.

Nesta música, o padre se coloca no lugar do assassino, imaginando-o arrependido e assombrado diante do Amor Mais Forte, maior do que a morte, que vibrava na jovem mártir!

Ouça a canção, clicando no vídeo a seguir, e acompanhe logo abaixo a letra já traduzida ao português.


O AMOR MAIS FORTE
Pe. Albert Gutberlet

Mas que loucura! Fiquei fora de mim!
Nunca mais vou encontrar essa minha doce paixão!
Eras mais forte, e com a tua doçura,
a tua ingênua firmeza, disseste “não!”
Mas como é que essa frágil inocência não cede à violência?
Eu, já descontrolado, para te conquistar, para te dominar,
golpeei o teu corpo, derramei o teu sangue, matei o amor!

Diz-me por que tu não quiseste!
Poderias ter-te rendido a mim!
O que é que vês que eu não vejo?
Um amor mais forte, maior do que a morte, que vibra em ti!

Eu sei, Maria, que voaste para longe,
feliz com o teu Deus, e eu continuo sozinho…
Eu olho para o céu, depois para as minhas mãos,
e vejo o meu pecado… Não sei o que fazer!
Mas tu, abençoada, me esqueceste ou me condenaste para sempre?
Que pensas tu de mim?
Agora vês Aquele a quem amavas!
O Amor mais forte, que vence a morte, já vive em ti!

Sinto que Deus me rejeita!
Eu roubei uma vida, eu matei o amor!
Maria, diz que me perdoas!
Se implorares ao Senhor, a Ele que é puro amor,
Ele me perdoará mais uma vez!

Eu vi, nas praças, sem barreiras,
os jovens do mundo com olhos como os teus,
nos quais brilhava a eterna jovialidade que é a tua pureza,
uma estranha em nossa terra…
Eu vou com eles em direção a um novo amanhã,
a um novo coração e a novas mãos, lavadas no amor!
Finalmente entendi que amar é respeitar:
mais que desfrutar, o amor quer sempre, sempre dar-se!

Boletim
Receba Aleteia todo dia
São leitores como você que contribuem para a missão da Aleteia

Desde o início de nossas atividades, em 2012, o número de leitores da Aleteia cresceu rapidamente em todo o mundo. Estamos comprometidos com a missão de fornecer artigos que enriquecem, informam e inspiram a vida católica. Por isso queremos que nossos artigos sejam acessados por todos. Mas, para isso, precisamos da sua ajuda. O jornalismo de qualidade tem um custo (maior do que o que a propaganda consegue cobrir). Leitores como você podem fazer uma grande diferença, doando apenas $ 3 por mês.