Receba o boletim diário da Aleteia gratuitamente no seu email.
Cadastre-se e receba Aleteia diretamente em seu email. É de graça.
Receber

Sem condições de apoiar?

Veja 5 formas de você ajudar a Aleteia

  1. Reze por nossa equipe e pelo êxito de nossa missão
  2. Fale sobre a Aleteia em sua paróquia
  3. Compartilhe os artigos da Aleteia com seus amigos e familiares
  4. Desative o bloqueio de publicidade quando nos visitar
  5. Inscreva-se para receber nosso boletim gratuito e leia-nos diariamente

Obrigado!
Redação da Aleteia

Enviar

Aleteia
Cynthia Dermody / Redação da Aleteia
Quaresma: 5 desafios para casais

Atentado de Nice atingiu o coração da Riviera Francesa

© Valery HACHE / AFP
Police officers and rescue workers arrive at the scene of an attack on July 14, 2016, after a van ploughed into a crowd leaving a fireworks display in the French Riviera town of Nice.
The mayor of the French city of Nice said dozens of people were likely killed after a van rammed into a crowd marking Bastille Day in the French Riviera resort today and urged residents to stay indoors.
/ AFP PHOTO / VALERY HACHE
Compartilhar

O Passeio dos Ingleses de Nice, palco na quinta-feira à noite de um atentado que deixou ao menos 84 mortos, é o lugar mais simbólico desta cidade conhecida mundialmente como a capital da Riviera Francesa.

Nice, a quinta cidade mais populosa da França, é um importante destino turístico desde o século XIX e a avenida costeira deve seu nome a um reverendo inglês e ao seu cunhado que criaram a partir de 1824 um primeiro caminho de terra, que foi se ampliando e embelezando nas décadas seguintes.

Em 1860, Nice, até o momento vinculada ao reino da Sardenha, passou para território francês.

Na “Belle Epoque”, Nice vive seu apogeu graças a um público cosmopolita. Muitos aristocratas frequentavam a cidade, atraídos por seus invernos leves. Em 1880, inspirado no modelo inglês, um cassino de formas orientais foi erguido em um píer sobre o mar.

A partir dos anos 1920, o turismo de verão começou a aparecer na Côte d’ Azur, impulsionado por ilustres expatriados americanos como o escritor John Dos Passos.

Centenas de edifícios, alguns deles art deco, foram construídos entre as duas guerras mundiais na cidade, que acolhe muitos artistas, músicos e escritores.

Hotéis de luxo, cassinos e palácios abriram suas portas. Em 1912, o romeno Henri Negresco ordenou a construção do palácio mais mítico de Nice. Pouco depois, o inglês Henry Ruhl criou um hotel que leva seu nome, onde atualmente se situa o Méridien.

Outros hotéis aumentaram a reputação do Passeio dos Ingleses, como o Palácio do Mediterrâneo, cuja fachada está catalogada como monumento histórico, assim como a cúpula do Negresco.

O Passeio dos Ingleses também abriga eventos festivos como o famoso carnaval ou a batalha das flores.

Nice, situada perto da fronteira com a Itália e o principado de Mônaco, atrai todos os anos quatro milhões de visitantes.

No entanto, a cidade registra um número de desemprego superior à média francesa (15% em 2013, contra 10% em toda a França).

Esta cidade conta com 342.000 habitantes, o que a converte na quinta mais populosa da França depois de Paris, Marselha, Lyon e Toulouse.

(AFP)

Aleteia Top 10
  1. Lidos