Aleteia

Nono mês da gestação do quinto filho – e o marido é diagnosticado com câncer

The Freckled Fox
Compartilhar
Comentar

A história extraordinária da blogueira Emily Meyers e seu marido Martin é de arrepiar

Emily Meyers é uma jovem de 25 anos de idade, blogueira com foco em estética feminina e modelo fotográfica. E mãe: mãe de cinco filhos, todos nascidos em cinco anos!

Esta mulher inspiradora mora em Idaho, nos EUA, e, embora milhares de quilômetros me separem dela, foi dela que eu recebi uma das mais valiosas lições sobre o matrimônio.

Tudo começou em 2014, quando Emily e seu marido Martin anunciaram à sua “família da internet” – seus seguidores nas redes sociais – que esperavam o quinto filho. Estavam ainda mais felizes! Ainda mais cheios de esperança!

Emily, como a maioria das mulheres grávidas, sofria náuseas matutinas e, também como a maioria das mulheres grávidas, teve de reorganizar (de novo!) o ritmo da vida cotidiana. Como a maioria das mulheres grávidas, suportava o peso de grande parte das responsabilidades do lar enquanto o marido trabalhava fora de casa. Como a maioria das mulheres grávidas, sonhava com o nascimento do novo bebezinho.

Mas, como poucas mulheres grávidas, ela soube, no último mês da gestação, que o seu marido, tão amado, estava com câncer. Câncer em metástase.

Martin começou o tratamento quase imediatamente. Apesar do tsunami que aqueles resultados da biopsia lançaram sobre a vida familiar, eles não se deixaram derrubar.

Pelo contrário: seu amor se mostrou mais forte que a morte. Martin dizia que a sua vida e a vida de Emily eram feitas do mesmo material. Que eram duas vidas entrelaçadas e que poderem construir algo juntos era alegria imensurável – apesar do que quer que acontecesse.

Foi por isso que eles não trataram aquele diagnóstico como uma sentença de morte. Mantiveram energia, entusiasmo e esperança para, em meio aos desafios, organizar uma sessão fotográfica, comprar roupa, sair para passear juntos pela cidade, imortalizar os últimos momentos da gravidez.

Ambos lutavam não só pela vida, mas também para senti-la e vivê-la tal como ela é, acumulando o máximo de belas experiências e lembranças, gestos sensíveis e palavras encorajadoras.

A vida cotidiana seguia seu ritmo imprevisível: tratamentos, quimioterapia, outras terapias, trabalho, refeições todos juntos, brincadeiras com as crianças.

Rodeados pelo carinho da família, dos vizinhos e da comunidade, eles podiam contar com ajuda para cuidar dos pequenos, cortar a grama, fazer o jantar… E com a oração da sua família – da família real e da família virtual.

Chegou o dia para o qual é impossível preparar-se. Não existe tempo adequado de preparação quando o assunto é câncer em metástase.

“A médica respirou profundamente e disse, em tom de quem pede desculpas: Estamos falando de poucas semanas. Talvez. Não posso nem tentar explicar o que se sente. A única coisa que eu sabia era que estava acolhendo as mãos quentes dele nas minhas mãos; na minha mente, os nossos cinco filhos pequenos; e que, acontecesse o que acontecesse com Martin, todos nós estaremos juntos. Que a nossa família é para sempre e que para sempre estaremos bem”, compartilhou Emily na internet.

Martin se apagava rapidamente. Por ele, Emily se fez duas vezes mais forte. Por ele, Emily encontrou, na fé, a força suficiente para continuar vivendo com paixão a vocação de ser sua esposa.

Em seu blog, Emily contou que a chama viva do amor do casal ainda era mantida por “galanteios” entre eles – tudo para recordar um ao outro o melhor deles mesmos, sempre.

No dia do aniversário de casamento, Emily organizou uma celebração no estacionamento do hospital e dançou lentamente com seu marido.

Seu amor conjugal foi todo tecido de detalhes. Eles comprovaram o enorme poder de segurar as mãos um do outro, de desculpar, de viver as alegrias simples da mútua presença cotidiana.

No último dia 16 de junho, Nosso Senhor levou Martin embora. Emily se despediu dele com estas palavras:

“… um dia estaremos juntos de novo. Mas os que confiam no Senhor renovarão as suas forças, voarão como as águias, correrão e não se fatigarão, caminharão e não se cansarão (Isaías 40, 31). Até a próxima! Sinto saudades de você, meu amado”.

Compartilhar
Comentar
Boletim
Receba Aleteia todo dia