Aleteia logoAleteia logo
Aleteia
Quarta-feira 28 Outubro |
São Sálvio
home iconAtualidade
line break icon

O legado de Dom Paulo Evaristo Arns em defesa da liberdade

Caroline Gomes da Silva - publicado em 19/07/16

Arns quis que as próximas gerações tivessem acesso ao que aconteceu e marcou a vida de tantas pessoas no período ditatorial

A participação de Dom Paulo Arns é fundamental durante a ditadura e no processo de redemocratização do Brasil. Além de arcebispo, ele foi Grão Chanceler da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e defendeu os direitos humanos junto a muitos outros envolvidos pela causa. Sua preocupação diante do cenário de mortes, repressão e tortura, vivido intensamente durante a ditadura militar, se tornou concreta a partir de ações promovidas por ele.

Em janeiro de 1971, o arcebispo denunciou a prisão e a tortura de agentes de pastoral, apoiando aqueles que estavam sendo pressionados pelo regime militar. Dom Paulo celebrou o histórico culto ecumênico (com a participação de católicos, judeus, protestantes e adeptos de outras religiões) em 1975, em memória ao jornalista Vladimir Herzog, que foi torturado até a morte pelo regime militar brasileiro. Antes do sepultamento de Herzog, o arcebispo declarou: “A liberdade – repito – a liberdade humana nos foi confiada como tarefa fundamental, para preservarmos, todos juntos, a vida do nosso irmão, pela qual somos responsáveis, tanto individual quanto coletivamente”.

Entre ações, documentos e relatos de Dom Paulo a favor da liberdade e contra a ditadura, alguns se destacam, como a declaração “Não oprimas teu irmão”, que reiterava a denúncia e condenação da tortura; e o documento “Repressão na Igreja do Brasil: reflexo de uma situação de opressão”, pedido pelo arcebispo ao Centro Ecumênico de Documentação e Informação e amplamente divulgado.

Além de apoiar a Comissão Arquidiocesana de Pastoral dos Direitos Humanos e Marginalizados em sua ajuda à greve dos metalúrgicos do ABC, defendeu líderes sindicais operários nas greves de 1980. Dom Paulo também orientava as comunidades no movimento pelas eleições diretas através de cartilhas e slides sobre fé e política.

O projeto Brasil: Nunca Mais

O dia 15 de janeiro de 1985 foi marcado pela última eleição indireta, que elegeu Tancredo Neves como presidente da República. Pouco depois da eleição, Tancredo faleceu e seu vice, José Sarney, assumiu o cargo e tornou-se o primeiro presidente da República após o governo ditatorial.

Quatro meses após a retomada do regime democrático, Dom Paulo Evaristo Arns lançou (juntamente com o reverendo Jaime Wright) um projeto desenvolvido nos anos oitenta pela Arquidiocese de São Paulo e pelo Conselho Mundial de Igrejas (que tornou mais fácil a tarefa de arrecadação de fundos) e que marcou o processo de redemocratização do país, o Brasil: Nunca Mais.

Os principais objetivos da obra eram obter informações sobre as torturas praticadas pela repressão política, divulgar essas informações para a sociedade brasileira e evitar que os processos judiciais por crimes políticos fossem destruídos com o fim da ditadura.

No início de 1980, os primeiros integrantes da equipe começaram a desenvolvê-la.

“Tudo transcorreu em segredo. […] Três anos depois de iniciados os trabalhos, praticamente o arquivo inteiro havia sido processado. Foram catalogadas mais de um milhão de páginas, cópias da quase totalidade dos processos políticos (707 completos e dezenas de outros incompletos) que transitaram pela Justiça Militar entre abril de 1964 e março de 1979.” (MEZAROBBA, 2006, p 66).

A publicação da obra recebeu destaque nacional e internacional. O livro permaneceu na lista dos dez mais vendidos por 91 semanas consecutivas e foi, na época, o livro brasileiro de não-ficção mais vendido de todos os tempos. Idealizada por Dom Paulo, uma versão reduzida – para facilitar a compreensão dos leitores – foi publicada pela Editora Vozes. Atualmente, é possível encontrar Brasil: Nunca Mais também em forma digital, com um acervo disponível para o público.

De acordo com Glenda Mezarobba (2006), o Projeto Brasil: Nunca Mais havia sido a primeira e mais importante tentativa de se revelar as atrocidades cometidas pela repressão durante o regime militar.

A trajetória e a contribuição de Dom Paulo Evaristo Arns foram essenciais durante o período da ditadura. Mais do que contribuir para o processo de redemocratização, Arns quis que as próximas gerações tivessem acesso ao que aconteceu e marcou a vida de tantas pessoas no período ditatorial.

Ele desejava que a divulgação da obra Brasil: Nunca Maiscumprisse um papel educativo junto à sociedade. O projeto, assim como a busca por justiça e o papel social desempenhado por ele durante seus (até então) 94 anos de vida, são reflexos de seu próprio lema: “Para que não se esqueça, para que nunca mais aconteça”.

Apoiar a Aleteia

Se você está lendo este artigo, é exatamente graças a sua generosidade e a de muitas outras pessoas como você, que tornam possível o projeto de evangelização da Aleteia. Aqui estão alguns números:

  • 20 milhões de usuários no mundo leem a Aleteia.org todos os meses.
  • A Aleteia é publicada em 8 idiomas: Português, Francês, Inglês, Árabe, Italiano, Espanhol, Polonês e Esloveno.
  • Todo mês, nossos leitores acessam mais de 50 milhões de páginas na Aleteia.
  • 4 milhões de pessoas seguem a Aleteia nas redes sociais.
  • A cada mês, nós publicamos 2.450 artigos e cerca de 40 vídeos.
  • Todo esse trabalho é realizado por 60 pessoas que trabalham em tempo integral, além de aproximadamente 400 outros colaboradores (articulistas, jornalistas, tradutores, fotógrafos…).

Como você pode imaginar, por trás desses números há um grande esforço. Precisamos do seu apoio para que possamos continuar oferecendo este serviço de evangelização a todos, independentemente de onde eles moram ou do quanto possam pagar.

Apoie Aleteia a partir de apenas $ 1 - leva apenas um minuto. Obrigado!

Tags:
ditaduraHistóriaLivros
Oração do dia
Festividade do dia





Top 10
TRIGEMELAS
Esteban Pittaro
A imagem de Nossa Senhora que acompanhou uma ...
Philip Kosloski
3 poderosos sacramentais para ter na sua casa
Aleteia Brasil
Quer dormir tranquilo? Reze esta oração da no...
Aleteia Brasil
O milagre que levou a casa da Virgem Maria de...
No colo de Maria
Como rezar o terço? Um guia ilustrado
Pe. Zezinho
Francisco Vêneto
Duas emissoras brasileiras deturpam fatos em ...
Reportagem local
Corpo incorrupto de Santa Bernadette: o que o...
Ver mais
Boletim
Receba Aleteia todo dia